Com queda de casos de Covid-19, Japão suspende estado de emergência

Narendra Shrestha / EPA

O primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, anunciou nesta segunda-feira a suspensão do estado de emergência em todo Japão. As medidas restritivas para combater o coronavírus ainda estavam em vigor em seis regiões do país, incluindo a capital Tóquio.

“Tínhamos critérios rígidos para suspender o estado de emergência e julgamos que todos esses critérios foram alcançados”, declarou o premiê durante uma coletiva à imprensa, transmitida pela TV. As medidas restritivas vinham sendo suspensas gradualmente.

O ministro da Economia, Yasutoshi Nishimura, esclareceu que os principais especialistas sanitários autorizaram o fim das medidas, mas recomendaram a manutenção de uma vigilância estrita em Tóquio, Kanagawa e Hokkaido. Nessas três localidades, o número de novos casos ainda oscilam.

O estado de emergência foi decidido em meados de abril diante da aceleração do número de casos cotidianos no país. Com o recuo da epidemia, ele foi interrompido em 39 dos 47 distritos do Japão em 14 de maio. Nas oito regiões restantes, a medida deveria continuar em vigor até 31 de maio, mas na quinta-feira foi suspensa em Kyoto e Osaka e hoje nas seis últimas.

Nas últimas 24 horas, o país registrou apenas 31 novos casos de contaminação. Segundo novo balanço, o Japão tinha oficialmente neste domingo (24), 16.581 infectados e 830 mortos desde o início da pandemia.

Retomada econômica

O fim do estado de emergência em todo o território japonês vai possibilitar a retomada gradual das atividades econômicas na terceira potência mundial.

As medidas restritivas no país eram mais brandas que as impostas na Europa ou nos Estados Unidos. Os japoneses eram apenas orientados a ficar em casa e as lojas a permanecer fechadas, mas a maioria da população seguiu amplamente a recomendação do governo nas últimas semanas.

Apesar disso, e mesmo não tendo a onda de contaminação observada na Europa, nos Estados Unidos e recentemente no Brasil, o governo japonês é criticado por sua gestão da crise. O Japão realizou, por exemplo, apenas cerca de 270.000 testes de diagnóstico e tem a menor taxa de exames por habitante entre os países industrializados, segundo a Worldometers.

A paralisia quase completa da economia nos principais parceiros comerciais do arquipélago e a queda do consumo interno mergulharam o Japão em sua primeira recessão desde 2015.

O primeiro-ministro apresentou um plano para relançar a economia. O pacote de quase US$ 1 trilhão prevê, entre outras coisas, a distribuição de quase US$ 1.000 a cada habitante para relançar o consumo e ajudas financeiras às empresas em dificuldade.

O anúncio ainda não reduziu a desconfiança da população com o governo. Uma pesquisa publicada nesta segunda-feira pelo jornal Asahi Shimbun indica que Shinzo Abe tem apenas 29% de opiniões favoráveis. Esse é o menor índice de popularidade registrado pelo premiê japonês desde que ele chegou ao poder em 2012.

// RFI

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Carro voador da NASA levanta voo pela primeira vez; veja como foi

A NASA anunciou que os testes com o eVTOL (veículo elétrico voador com decolagem vertical) mais promissor do mercado foram bem-sucedidos. Desenvolvido pela Joby Aviation, o carro voador experimental realizou uma série de procedimentos para coleta …

Mudanças climáticas: cientistas treinam vacas para usar banheiro contra aquecimento global

Vacas podem ser treinadas para usar um banheiro para reduzir as emissões de gases de efeito estufa, segundo uma experiência realizada na Alemanha por pesquisadores alemães e da Nova Zelândia. No estudo, os cientistas treinaram os …

Reprovação a Bolsonaro volta a subir, afirma Datafolha

O Instituto Datafolha apurou que a reprovação ao governo do presidente Jair Bolsonaro aumentou ainda mais, passando para 53% entre as pessoas consultadas, segundo uma pesquisa divulgada nesta quinta-feira (17/02) pelo jornal Folha de S. …

Empresa norueguesa assegura que pode 'eliminar' furacões antes que se tornem destrutivos

Especialistas ambientais advertem que o sistema de cortina de bolhas proposto pela empresa poderia ela própria provocar efeitos indesejados. A OceanTherm, startup norueguesa, assegura que sua tecnologia pode evitar que as tempestades tropicais se tornem poderosos …

Limitar aquecimento global a 1,5ºC exige redução drástica de gases poluentes, mostra relatório

Manter a temperatura da Terra a 1,5°C será impossível sem uma redução massiva das emissões de gases poluentes. É o que mostra um novo relatório divulgado pela ONU nesta quinta-feira (16). O documento "United …

Alemanha libera entrada para brasileiros que apresentem teste negativo

A Alemanha vai deixar de considerar o Brasil como área de alto risco na pandemia do novo coronavírus a partir deste domingo, anunciou nesta sexta-feira (17/09) o Instituto Robert Koch (RKI), a agência governamental alemã …

Assembleia-Geral da ONU: exigência de vacina ainda não está decidida, mas é improvável que Bolsonaro seja barrado

Perdeu força a possibilidade de que líderes de países tenham que comprovar que se vacinaram contra a covid-19 para participar da 76ª Assembleia-Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), que acontece na semana que vem …

Submarinos: França perde o "contrato do século" para a Austrália, que opta por EUA e Reino Unido

O jornal econômico Les Echos estampa em sua primeira página desta quinta-feira (16) uma notícia, ainda no condicional, que se concretizaria durante a madrugada: "A Austrália desiste de uma encomenda de 12 submarinos franceses …

VSR: o pouco conhecido vírus que se espalha entre crianças no mundo e também no Brasil

No início de 2021, a equipe do Hospital Infantil de Maimonides, no Brooklyn, em Nova York (EUA), começou a experimentar uma cautelosa sensação de alívio. Os casos de covid-19 na cidade estavam em queda. Como …

Com popularidade em queda, premiê britânico Boris Johnson reforma equipe de governo

Após semanas de boatos, o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, decidiu modificar o governo nesta quarta-feira para formar uma "equipe unida" e enfrentar os desafios depois de um ano e meio de pandemia e em …