Manifestantes protestam em Tel Aviv a poucas horas do reconfinamento em Israel

US Department of State / Wikimedia

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu

Centenas de israelenses foram às ruas na noite desta quinta-feira (17) protestar contra o reconfinamento determinado pelo primeiro-ministro Benjamin Netanyahu a partir desta sexta-feira (18) em Israel.

O isolamento imposto nas próximas três semanas, para conter a epidemia de coronavírus que voltou a assolar o país, deixa muitos habitantes preocupados com o desemprego e o agravamento da crise econômica.

O isolamento forçado dos israelenses coincide com o início dos feriados mais importantes do calendário religioso judaico: Rosh Hashana (Ano Novo), Yom Kipur (Dia do Perdão) e Sucot (Festa das Cabanas ou das Colheitas), que começam nesta sexta e se estendem até 11 de outubro.

“Quando Netanyahu anunciou o reconfinamento, pensei em me matar”, disse Yael, uma israelense que participou do protesto noturno em Tel Aviv. Para essa secretária de 60 anos, que trabalhava em um escritório de arquitetura e perdeu seu emprego por causa da crise, o fechamento da economia, anunciada no último domingo por Netanyahu, não é um bom presságio.

“A economia está declinando, as pessoas estão perdendo seus empregos, estão deprimidas. E para quê? Para nada”, disse Yael durante a manifestação que reuniu entre 300 e 400 pessoas na principal cidade do país. “A Europa está gradualmente voltando ao normal e nós, em Israel, estamos voltando para trás”, lamentou.

Os israelenses aceitaram sem reclamar o primeiro “lockdown”, nos meses de março e abril, que coincidiu com a Páscoa judaica. Mas desta vez estão frustrados e sobretudo inquietos com a situação financeira.

O país de 9 milhões de habitantes registrou oficialmente mais de 172.000 casos de coronavírus, incluindo 1.163 mortes, desde o início da pandemia. Depois de cerca de dez semanas de restrições, o contágio parecia controlado.

Mas com a reabertura rápida, a partir de junho, o vírus voltou a circular com intensidade. De acordo com a contagem da agência AFP, Israel foi a nação do mundo que registrou a maior taxa de contaminações por Covid-19 nas duas últimas semanas.

“O sistema de saúde levantou a bandeira vermelha na semana passada (…) Temos feito de tudo para tentar encontrar um equilíbrio entre as necessidades de saúde e econômicas, mas estamos testemunhando um aumento preocupante da contaminações e do número de doentes em estado grave nos últimos dois dias”, explicou Netanyahu em um pronunciamento transmitido pela TV na noite de quinta-feira.

Ele acrescentou que não hesitaria, se necessário, em endurecer as medidas de restrição, que são mal digeridas por uma parcela da população.

“Medida agressiva”

“É uma medida agressiva, que assola a economia e que não serve para deter a epidemia. A única razão de o governo impor um novo confinamento é que ele está totalmente perdido (… ), porque falhou completamente na gestão do coronavírus“, criticou o líder de oposição Yair Lapid.

Os israelenses não poderão se deslocar a mais de 500 metros de suas casas, exceto para ir ao supermercado, à farmácia ou ao trabalho, se for uma profissão considerada essencial.

Exceções estão planejadas, como ir a um “funeral ou circuncisão”, informou o Ministério da Saúde nesta quinta-feira. As autoridades impuseram restrições aos locais de culto. Como as sinagogas geralmente ficam lotadas nos dois dias de Rosh Hashanah e especialmente no Yom Kipur, neste ano os fiéis só poderão orar nas sinagogas de acordo com o tamanho do templo, se for possível garantir o distanciamento físico.

Pela primeira vez em sua história, a Grande Sinagoga de Jerusalém não sediará as celebrações do Ano Novo Judaico devido às restrições impostas para combater a epidemia.

Este novo confinamento também deve impedir as manifestações que ocorrem há três meses em frente à residência oficial do primeiro-ministro, localizada na rua Balfour, em Jerusalém. Aos sábados à noite, milhares de israelenses insatisfeitos com os escândalos de corrupção envolvendo Netanyahu se reúnem para denunciar a gestão econômica do governo e área da saúde, em meio à pandemia.

Para Yaniv Segal, um jovem membro da “Frente Rosa”, um grupo ativista pelos “mais fracos” em uma sociedade “cada vez mais cruel”, o confinamento “não é a solução certa para tratar o coronavírus”. “A restrição é política! É para impedir as manifestações em Balfour”, disse ele.

// RFI

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Processo contra o Google nos EUA pode afetar o modo como você usa seu celular

Na última terça-feira (23), o Departamento de Justiça dos EUA entregou um "presente de Halloween" pouco agradável ao Google: um gigantesco processo antitruste, acusando a empresa de práticas que eliminam a competição nos mercados de …

Chilenos decidem a favor de nova Constituição por ampla maioria

Em plebiscito, quase 80% dos eleitores votam a favor de uma nova Carta Magna, em substituição à herdada da era Pinochet, e de que ela seja escrita por uma Assembleia Constituinte com igualdade entre mulheres …

'Vai comprar lá na Venezuela', rebate presidente a apoiador que reclamou de preço do arroz

O presidente Jair Bolsonaro rebateu neste domingo (25), durante passeio de moto por Brasília, crítica de apoiador sobre a alta do preço do arroz. No momento em que saia da Feira Permanente do Cruzeiro, região administrativa …

Espanha, Itália e França ampliam restrições em fim de semana com recorde de casos da Covid-19

Os líderes europeus intensificam as medidas de combate à pandemia do coronavírus, depois da alta de 42% de novos casos da Covid-19 em uma semana. A Itália reforçou neste domingo as medidas de restrição …

Pistachio, o cãozinho filhote que nasceu com pelo verde na Itália

O fazendeiro italiano Cristian Mallocci esperava uma ninhada normal de cachorros de sua cadelinha labradora. Entretanto, ao ver os filhotinhos que nasceram, ele percebeu que um era um pouquinho diferente. ‘Pistachio’, como foi nomeado posteriormente, …

Fóssil de pterossauro nunca antes visto de 100 milhões de anos é descoberto na China

Um novo gênero e uma nova espécie de pterossauro dsungaripterídeo, que viveu durante o Cretáceo Inferior, foram catalogados na China após análise de uma mandíbula inferior incompleta. Pterossauros eram répteis voadores que viveram simultaneamente com os …

A consciência é um campo energético: afirma estudo

Uma nova ideia incomum em neurociência sugere que nossa consciência é derivada de um campo de ondas eletromagnéticas emitidas pelos neurônios quando disparam suas cargas elétricas. A ideia é que essas ondas de atividade elétrica sejam …

Pais gays viram alvo de investigações na Rússia

Alguns anos atrás, o advogado Vladimir (nome modificado), morador de uma grande cidade russa, decidiu ter um filho com o auxílio de uma mãe de aluguel. Sua família inteira ficou contente quando uma menina nasceu. …

Líbano: Saad Hariri volta ao posto de primeiro-ministro para formar novo governo

Saad Hariri foi nomeado novamente primeiro-ministro do Líbano, com o desafio de chegar a um acordo com as várias forças políticas do país e formar um governo capaz de realizar as reformas necessárias para …

Alunos incentivam câmeras ligadas para que professores não ‘falem’ com telas em branco

Para amenizar a sensação de solidão de professores em aulas online, alunos norte-americanos começaram a usar o TikTok para incentivar mais estudantes a abrirem as câmeras durante encontros educacionais à distância. A usuária da rede social …