24 horas depois, Israel anula acordo com a ONU sobre imigrantes

Kremlin.ru / Wikimedia

Benjamin Netanyahu, primeiro-ministro de Israel

Apenas algumas horas depois de ter anunciado o acordo, o chefe de governo israelense já tinha suspendido a aplicação da medida.

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, anunciou nesta terça-feira (3) a anulação do acordo com a ONU que regularizaria milhares de imigrantes africanos em Israel e a reinstalação de um número semelhante em países ocidentais.

“Após ouvir numerosas críticas ao acordo, analisei as vantagens e os inconvenientes e decidi anular o acordo“, afirmou Netanyahu, em comunicado.

O acordo com o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados previa a instalação em países ocidentais, como o Canadá, a Alemanha e a Itália, de mais de 16 mil emigrantes africanos que se encontram em Israel. Em contrapartida, Israel daria o estatuto de residente temporário a um número semelhante.

Seria assim resolvida a situação de mais de 30 mil emigrantes africanos em Israel – em particular eritreus e sudaneses – que não têm em curso um processo de pedido de asilo e que deveriam ser expulsos do país de acordo com um controverso plano governamental, agora cancelado.

Quando anunciou na segunda-feira (2), no Facebook, que tinha decidido suspender o acordo, Netanyahu afirmou ter prestado atenção às críticas de habitantes de Tel Aviv, onde vive a maioria dos imigrantes.

Mas o anúncio do acordo também provocou reações fortes junto à direita israelense. A ministra da Justiça, Miri Regev, aliada de Netanyahu, e o ministro da Educação, Naftali Bennett, se pronunciaram contra o acolhimento de “clandestinos” em Israel.

A oposição, de esquerda, que tinha saudado o acordo, criticou o primeiro-ministro quando o suspendeu. “Apesar das restrições jurídicas e de crescentes dificuldades, vamos continuar trabalhando com determinação para tirar os clandestinos do país“, informou Netanyahu, de acordo com o comunicado.

Segundo as autoridades israelenses, vivem atualmente em Israel 42 mil emigrantes africanos. As mulheres e as crianças não estavam ameaçadas de expulsão pelo plano governamental inicial.

Os migrantes chegaram a Israel, na maioria, depois de 2007, infiltrando-se no país através do Sinai egípcio, e se instalaram sobretudo nos bairros pobres de Tel Aviv.

De acordo com a revista portuguesa Visão, existem no mundo 65 milhões de pessoas em condições de fuga forçada, tanto pela guerra como por perseguição política, étnica ou religiosa: esse é um número recorde desde a fundação das Nações Unidas, em 1945.

Ciberia // ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Rede 5G pode transmitir energia elétrica e aposentar as baterias no futuro

O mundo já conhece os benefícios da tecnologia 5G como a alta velocidade na transmissão de dados e baixa latência. Agora, os cientistas do Instituto de Tecnologia da Geórgia, nos EUA, descobriram que essas redes …

Covid: como evitar a trágica marca de 5 mil mortes por dia no Brasil?

No dia 19 de maio de 2020, o Brasil atingiu pela primeira vez a marca das mil mortes diárias por covid-19. Esse número permaneceu relativamente estável, em um patamar considerado alto, durante todo o segundo semestre …

Físicos afirmam que o universo é um computador de aprendizado de máquina

Físicos teóricos que trabalham com a Microsoft lançaram um artigo na sexta-feira afirmando que o universo é essencialmente um computador de aprendizagem de máquina (machine learning, em inglês). Os pesquisadores, vários afiliados à Microsoft, pré-publicaram um …

Mundo ainda tem países sem uma única dose de vacina

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), mais de 600 milhões de doses de vacina contra a covid-19 já foram aplicadas em todo o mundo. Mas a discrepância entre países é alta: enquanto, …

Covid: site calcula quando você será vacinado. Resultados não animam

Um grupo de voluntários chamado CoronavirusBra desenvolveu uma plataforma para calcular quando você será vacinado contra a covid-19. O ‘Quando vou ser vacinado?’ utiliza dados públicos como a média de imunizados com o número de pessoas …

Rússia inicia desenvolvimento de mais uma vacina contra COVID-19

Sendo o primeiro país a registrar uma vacina contra a COVID-19, a Rússia anunciou o início do desenvolvimento de mais uma vacina contra o coronavírus. A criação do novo medicamento estará a cargo do Instituto Smorodintsev …

Especialista chinês: ascensão da China faz EUA entrarem em pânico e ficarem nervosos

O desenvolvimento econômico e a ascensão do país asiático fazem os EUA ficarem nervosos e entrarem em pânico, mas este medo se origina em seus preconceitos, disse em entrevista à Sputnik um especialista chinês. Li Junru, …

Interação de múons, a nova força da natureza que cientistas acreditam ter descoberto

Desde colar um ímã na porta de uma geladeira até jogar uma bola em uma cesta de basquete, as forças da física funcionam em todos os momentos de nossas vidas. Todas as forças que experimentamos todos …

Receita afirma que "só rico lê" e reforça preconceito de classe brasileiro

A Receita Federal deseja manter o projeto que cobra impostos sobre livros. Através da mesclagem entre PIS e Cofins, a nova CBS (Contribuição sobre bens e serviços), uma espécie de imposto sobre valor agregado, o …

Tribunal europeu dá aval a vacinação obrigatória

Corte de direitos humanos diz que medida pode ser necessária em sociedades democráticas e abre precedente no combate à covid-19. Tribunal julgava ação de famílias tchecas que se recusaram a vacinar os filhos. O Tribunal Europeu …