24 horas depois, Israel anula acordo com a ONU sobre imigrantes

Kremlin.ru / Wikimedia

Benjamin Netanyahu, primeiro-ministro de Israel

Apenas algumas horas depois de ter anunciado o acordo, o chefe de governo israelense já tinha suspendido a aplicação da medida.

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, anunciou nesta terça-feira (3) a anulação do acordo com a ONU que regularizaria milhares de imigrantes africanos em Israel e a reinstalação de um número semelhante em países ocidentais.

“Após ouvir numerosas críticas ao acordo, analisei as vantagens e os inconvenientes e decidi anular o acordo“, afirmou Netanyahu, em comunicado.

O acordo com o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados previa a instalação em países ocidentais, como o Canadá, a Alemanha e a Itália, de mais de 16 mil emigrantes africanos que se encontram em Israel. Em contrapartida, Israel daria o estatuto de residente temporário a um número semelhante.

Seria assim resolvida a situação de mais de 30 mil emigrantes africanos em Israel – em particular eritreus e sudaneses – que não têm em curso um processo de pedido de asilo e que deveriam ser expulsos do país de acordo com um controverso plano governamental, agora cancelado.

Quando anunciou na segunda-feira (2), no Facebook, que tinha decidido suspender o acordo, Netanyahu afirmou ter prestado atenção às críticas de habitantes de Tel Aviv, onde vive a maioria dos imigrantes.

Mas o anúncio do acordo também provocou reações fortes junto à direita israelense. A ministra da Justiça, Miri Regev, aliada de Netanyahu, e o ministro da Educação, Naftali Bennett, se pronunciaram contra o acolhimento de “clandestinos” em Israel.

A oposição, de esquerda, que tinha saudado o acordo, criticou o primeiro-ministro quando o suspendeu. “Apesar das restrições jurídicas e de crescentes dificuldades, vamos continuar trabalhando com determinação para tirar os clandestinos do país“, informou Netanyahu, de acordo com o comunicado.

Segundo as autoridades israelenses, vivem atualmente em Israel 42 mil emigrantes africanos. As mulheres e as crianças não estavam ameaçadas de expulsão pelo plano governamental inicial.

Os migrantes chegaram a Israel, na maioria, depois de 2007, infiltrando-se no país através do Sinai egípcio, e se instalaram sobretudo nos bairros pobres de Tel Aviv.

De acordo com a revista portuguesa Visão, existem no mundo 65 milhões de pessoas em condições de fuga forçada, tanto pela guerra como por perseguição política, étnica ou religiosa: esse é um número recorde desde a fundação das Nações Unidas, em 1945.

Ciberia // ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

George W. Bush: o suposto plano para matar ex-presidente dos EUA desbaratado pelo FBI

Um simpatizante do Estado Islâmico planejava assassinar o ex-presidente dos EUA George W. Bush, mas o plano foi descoberto pelo FBI (polícia federal americana), segundo autoridades dos Estados Unidos. O suspeito, um residente de Ohio, supostamente …

O que se sabe sobre misterioso surto de varíola dos macacos

Casos recentes da doença na América do Norte e Europa acenderam o alerta entre especialistas. Endêmico na África, vírus é transmitido por animais contaminados e por contato próximo prolongado entre pessoas. Autoridades de saúde na América …

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …