Médica indígena vence batalhas para oferecer atendimento ao próprio povo

(dv) Fábrica Fest / Facebook

A médica indígena Eliniete de Jesus

A indígena Eliniete de Jesus, de 40 anos, enfrentou muitas batalhas para realizar o sonho de ser médica e oferecer um atendimento melhor para o seu povo, as etnias Baré e Baniwa, nas margens do Rio Negro, no estado do Amazonas.

Ainda criança, quando tinha 9 anos, os pais dela se mudaram para o município de Santa Isabel do Rio Negro. “Meu nome indígena é Hywyxy, dado pelo meu avô baniwa. Faço parte de duas etnias, baré e baniwa, originárias do Rio Negro, no estado do Amazonas” disse.

“Sem condições financeiras para buscar o tão sonhado curso de Medicina, fiquei na cidade ajudando a minha mãe na roça. Em 1999, passei a ser agente indígena de saúde, e em 2008 conclui meu nível técnico em enfermagem”, afirma ela, em postagem compartilhada pela página Fábrica Fest, no Facebook.

Ela começou a trabalhar, mas sem desistir do sonho de fazer Medicina. Incentivada pelo marido, em 2012, Eliniete fez sua inscrição no Enem e no vestibular da Universidade Estadual do Amazonas. “Comecei a trabalhar, mas sempre sonhando com a Medicina, poder oferecer um atendimento melhor para meu povo.”

Uma fatalidade, no entanto, impediu que ela realizasse as provas. Eliniete sofreu um acidente no caminho para a roça da mãe dela e fraturou a perna direita.

Ela se recuperaria logo e, no início de 2013, Eliniete lutou mais uma batalha para realizar seu grande sonho, e venceu, novamente: foi aprovada no processo seletivo da Universidade Federal do Pará (UFPA). “Mesmo com muita dificuldade de adaptação e sem conhecer nada em Belém, comecei minha trajetória”, lembra.

Mas a luta não parou por aí. A maior batalha durante o curso foi superar a saudade que sentia dos filhos, já que a família continuou morando no Amazonas, enquanto ela estudava no Pará.

Eliniete encontrou apoio nos amigos da faculdade, fundamentais para ela não cair em depressão – também por ser indígena e mais velha do que o restante da turma –, jogar tudo para cima, e voltar para casa sem o seu diploma de médica.

Após uma batalha atrás da outra – a fratura na perna, a saudade dos filhos e a discriminação na faculdade –, Hywyxy (seu nome indígena) formou-se médica, e agora vai cuidar do povo de quem recebeu uma energia ancestral para ter êxito nas batalhas que venceu com um sorriso largo no rosto.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Reino Unido anuncia novas restrições após fim do lockdown para tentar conter segunda onda de covid-19

O Reino Unido sai na próxima semana de um novo lockdown, mas, diante do aumento de casos de covid-19 no país, não entra em um período de flexibilização das medidas de distanciamento social. Nesta quinta-feira (26/11), …

Neandertais podem ter usado as mãos de maneira diferente à dos humanos modernos

Os neandertais podem ter feito um uso diferente das mãos em comparação à forma como os humanos modernos as usam, para eles seria difícil repetir muitos gestos normais para nós hoje em dia. Os dedos do …

Catarro? Som da tosse? Conheça métodos alternativos para detectar a covid-19

Desde o início da pandemia, a realização de testes para detectar a covid-19 fez-se extremamente necessária. No entanto, com o passar dos meses, instituições e empresas privadas ao redor do mundo deram início ao desenvolvimento …

Ativistas preparam protesto global contra a Amazon

Um grupo internacional de ativistas climáticos, aliados a trabalhadores de armazéns da Amazon, lançou uma campanha online global, cujo objetivo é pressionar a gigante do e-commerce a oferecer melhores condições de trabalho para seus funcionários …

Pesquisadores descobrem em cometa elemento essencial para vida na Terra

A descoberta indica que os elementos imprescindíveis para o surgimento da vida podem ter chegado à Terra por meio de cometas. Pesquisadores identificaram fósforo e flúor em partículas de poeira sólida coletadas no interior do cometa …

Consumo de plásticos explode na pandemia e Brasil recicla menos de 2% do material

Com o avanço do delivery de alimentos e do comércio eletrônico, além do maior uso de material hospitalar descartável como máscaras e luvas, o consumo de plásticos explodiu durante a pandemia do coronavírus. O aumento do …

Cientistas explicam por que não se consegue parar a pandemia

Cientistas turcos descobriram que a quantidade de vírus SARS-CoV-2 no organismo de pacientes assintomáticos é mais alta do que nos que apresentam sintomas, o que diferencia radicalmente o novo coronavírus de outros patógenos e explica …

Al-Ahly venceu Liga dos Campeões da CAF

A equipa egípcia do Al-Ahly arrecadou o troféu da Liga dos Campeões da Confederação Africana de futebol pela nona vez ao derrotar o outro clube egípcio, o Zamalek, por 1-2. A final 100% egípcia decorreu no …

Monolito misterioso achado no deserto dos EUA desaparece

O misterioso monolito de metal que causou grande especulação após sua descoberta em um deserto no estado americano de Utah, nos EUA, aparentemente desapareceu, segundo funcionários locais. O escritório de administração fundiária do estado de Utah …

Parlamento iraniano assina texto que impede inspeção de centrais nucleares

A proposta é uma represália ao assassinato do cientista Mohsen Fakhrizadeh, chefe do Departamento de Pesquisa e Inovação do Ministério da Defesa, nesta sexta-feira (27). O governo iraniano responsabilizou Israel pelo crime, dizendo que …