Milhares de mulheres em protesto na América Latina contra a violência de gênero

Bárbara Leiva / Notas.org.ar

Protesto em Buenos Aires, na Argentina, contra a violência machista

Protesto em Buenos Aires, na Argentina, contra a violência machista

Milhares de mulheres se manifestaram na quarta-feira (19) por toda a América Latina contra a violência de gênero, num protesto desencadeado pelo recente caso de Lucía Pérez, uma adolescente que foi estuprada e assassinada na Argentina.

Os protestos se registraram nas principais cidades da Argentina, Chile, Bolívia e México, além do Brasil.

Dezenas de milhares de mulheres marcharam na principal avenida da capital do Chile, a maioria das quais vestidas de preto, exibindo centenas de cartazes com mensagens como “pena de morte para assassinos e estupradores” ou “mulheres sobreviventes, sempre resistentes”, numa mobilização em que também participaram homens.

Segundo o Movimento pelos Direitos Sexuais e Reprodutivos (Miles), a marcha na capital chilena terá contado com 80 mil participantes.

Idênticos protestos se realizaram em outros países da América Latina, mas com uma dimensão mais reduzida, como na Bolívia, onde aproximadamente 500 pessoas também percorreram as ruas da capital, La Paz, repudiando a violência machista e pedindo justiça para as vítimas de assassínios.

A Bolívia é o país latino-americano com índices de violência machista mais elevados e o segundo, depois do Haiti, em violência sexual, segundo dados do programa ONU Mulheres.

O Brasil também foi palco de manifestações similares.

Em São Paulo, a maior cidade da América do Sul, cerca de 80 mulheres saíram para as ruas para se manifestar contra a violência de gênero e para demonstrar a sua solidariedade após o caso de uma jovem de 16 anos que foi drogada, estuprada e assassinada na Argentina, no passado dia 8, o qual foi, aliás, o gatilho dos protestos que atravessaram a América Latina.

“Esse ato acontece em solidariedade às mulheres que estão em luta na Argentina denunciando o aumento da violência e do feminicídio. Ele surge após o assassinato de uma jovem de 16 anos que foi drogada, estuprada e empalada e morreu por conta dessa violência. Estamos nas ruas, no Brasil, porque a gente sabe que a nossa realidade não é diferente. Também somos assassinadas, estupradas e violentadas todos os dias“, disse Marcela Azevedo, do movimento Mulheres em Luta.

Bárbara Leiva / Notas.org.ar

Protesto em Buenos Aires, na Argentina, contra a violência machista

Protesto em Buenos Aires, na Argentina, contra a violência machista

1.678 feminicídios em 2014

Segundo o Observatório da Igualdade de Gênero da América Latina e do Caribe da Comissão Econômica da América Latina e Caribe (Cepal), pelo menos 1.678 foram assassinadas por razões de gênero na região em 2014.

Vinte países da América Latina e do Caribe contam atualmente com leis sobre violência contra as mulheres, mas apenas oito consignam recursos específicos em seu orçamento nacional.

Para as participantes do protesto em São Paulo, um dos passos para o fim da violência contra a mulher é a educação e a adoção de políticas públicas de combate a esse crime.

A ativista de direitos humanos argentina Josefina Cicconetti, que vive no Brasil há quatro anos, considera importante dar nomes às vítimas para que os casos não sejam tratados apenas como estatísticas.

“Como são vários casos de violência contra a mulher, esse caso seria mais um caso, mas ela tem um nome, é Lucía. Esse caso é atroz, inacreditável. Foi muita maldade, muita crueldade”, lamenta.

Segundo a ativista, a violência contra a mulher no Brasil e na Argentina são muito semelhantes: “São países que estão muito próximos um do outro e vivem uma situação em comum, que é o machismo. O machismo existe na América do Sul inteira e no mundo inteiro“.

Para Josefina, a educação é a grande política contra a violência contra a mulher. “A educação é primordial. E os exemplos que nós damos. Se partirmos de uma piada ou de uma cantada na rua, não se pode dizer ‘tudo bem’ e fazer de conta que não é nada. É com as microações e a micropolítica que fazemos a revolução“.

AF, ZAP / ABr

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

O país sul-americano que deve crescer 14 vezes mais que a China neste ano

A Guiana ganhou na loteria e está prestes a resgatar o prêmio. Seus vizinhos, especialmente a Venezuela, aguardam intrigados para saber em que ela vai gastar. De acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI), a economia …

Portugal supera marca histórica de 500 mil imigrantes residindo no país; brasileiros são a maioria

Portugal atingiu um número recorde de imigrantes vivendo no país. O anúncio foi feito pelo governo nesta quarta-feira (15), durante debate no Parlamento sobre o Orçamento de Estado para 2020. "Os dados preliminares levam a dizer …

Papa Francisco nomeia primeira mulher para cargo de alto escalão no Vaticano

Pela primeira vez, uma mulher ocupará um cargo de alto nível no Vaticano. O Papa Francisco nomeou Francesca Di Giovanni para a função de vice-ministra da Secretaria de Estado da Santa Sé, órgão equivalente ao …

Khamenei chama Trump de "palhaço" e exalta ataque a bases dos EUA

Em primeiro sermão desde 2012, líder supremo do Irã afirma que Trump finge apoio ao povo iraniano e pede união após dizer que queda de avião foi "acidente trágico". EUA admitem que militares ficaram feridos. O …

Uma desconhecida explosão de ondas gravitacionais foi detectada na Terra

Os detectores de ondas gravitacionais da Terra, os observatórios LIGO e Virgo, identificaram uma misteriosa “explosão” de ondas gravitacionais não prevista na última terça-feira, 14 de janeiro. As ondas gravitacionais detectadas até hoje foram resultado de …

Twitter pede desculpas por permitir anúncios direcionados a neonazistas

O Twitter emitiu hoje (16), um pedido de desculpas público, logo após a BBC fazer uma denúncia de que a plataforma de anúncios da empresa estava permitindo o direcionamento de conteúdo para neonazistas e outros …

SP quer lei para incentivar uso de veículos híbridos e elétricos

Um novo projeto de lei apresentado em São Paulo pretende combater os problemas ambientais provocados pelos carros à combustão, que utilizam os tão poluentes combustíveis fósseis, através do incentivo ao uso de veículos elétricos ou …

Ataques iranianos teriam deixado 11 militares dos EUA feridos

Ao menos 11 militares norte-americanos foram retirados do Iraque para receberem tratamento médico em decorrência dos ataques iranianos contra as bases dos EUA. "Quando ficarem aptos para o serviço, estes militares regressarão ao Iraque", declarou à …

Evo recua e diz que não pretende mais criar milícias

Em carta pública divulgada nesta quinta-feira (16/01), o ex-presidente da Bolívia Evo Morales, que está refugiado na Argentina há mais de um mês, recuou da ideia de promover a formação de milícias no país. "Há alguns …

Dinossauros foram extintos por impacto de asteroide, defende pesquisa científica

O mistério que levou ao fim da era dos dinossauros motiva pesquisadores do mundo inteiro a debater o que teria provocado essa extinção. Um novo estudo busca descartar a teoria de que a atividade vulcânica …