Misterioso cemitério subaquático com crânios e esqueleto de bebê intriga arqueólogos

Fredrik Hallgren / Antiquity

Crânio com uma estaca de madeira espetada encontrado num cemitério subaquático na Suécia

Arqueólogos suecos encontraram um surpreendente e macabro cemitério subaquático, constituído basicamente por crânios de adultos e pelo esqueleto de um bebê, datados de há 8 mil anos, e que deixa muitos mistérios no ar.

Esse túmulo único foi encontrado no sul da Suécia, perto de um local arqueológico conhecido como Kanaljorden, onde decorrem escavações desde 2009. Só em 2011, foram encontrados os primeiros restos humanos na zona e até agora, já foram detectados os vestígios de 10 adultos e de um bebê.

Os restos humanos encontrados são quase todos crânios, exceto um, que é o esqueleto completo de um bebê que teria entre 36 e 40 semanas, o que indicia que teria morrido no nascimento ou pouco depois de nascer, referem os arqueólogos no artigo científico publicado neste mês na revista Antiquity.

Quase todos os crânios evidenciavam a falta de ossos das mandíbulas, mas não foram encontrados sinais de remoção violenta dos mesmos. E dois tinham sinais de terem sido espetados com um bastão ou uma vara, em um método que era comumente utilizado para assustar inimigos, com a exibição dos crânios como troféus.

A datação por radiocarbono coloca os vestígios no período Mesolítico, ou seja, entre 5500 e 6000 antes de Cristo. Todavia, os caçadores-coletores dessa época não eram conhecidos por levarem a cabo rituais fúnebres deste gênero, nota o Science Alert.

Pessoas “especiais” especificamente escolhidas

A conjuntura que envolve toda a descoberta surpreende os arqueólogos envolvidos, a começar pelo local do enterro. Esse cemitério subaquático teria estado localizado no fundo de um lago pouco profundo, coberto com pedras, nas quais teriam sido colocados os restos humanos, possivelmente em rituais fúnebres.

As dúvidas são, neste momento, mais do que as explicações, uma vez que estamos perante um tipo de vestígios que nunca foram encontrados antes na Escandinávia.

Por que e como foram mortas estas pessoas do Mesolítico Europeu é um grande mistério, mas surge a ideia de que podem ter sido de algum modo “especiais”, o que justificaria que tenham sido alvo de tais rituais.

Quase todos os crânios apresentavam sinais de violência, com vários golpes – os homens golpeados na parte superior da cabeça, e as mulheres na parte de trás. Mas não estamos falando de golpes letais, já que apresentavam sinais de terem sido curados.

“O fato de a maioria dos indivíduos mostrar ferimentos curados parece ser mais do que uma coincidência e implica que eles foram especificamente escolhidos” para colocação no local ritual, salientam os pesquisadores no artigo científico.

Sara Gummesson / Fredrik Hallgren / Antiquity

Crânio com traumatismos curados que não foram a causa de morte dos indivíduos encontrados no cemitério subaquático na Suécia

Neste momento, foram realizadas análises de DNA para tentar perceber se havia relação entre os vestígios humanos encontrados, mas já é certo que há dois familiares entre eles.

“Não são, provavelmente, irmãos, mas podem ser primos ou familiares mais distantes”, explica em declarações a National Geographic, o arqueólogo que lidera as escavações, Fredrik Hallgren,

“Não há sinais de decapitação”

Os cientistas encontraram indícios de que os corpos teriam sido enterrados antes de os crânios terem sido desenterrados e colocados no lago.

“Não temos nenhuma evidência direta de decapitação”, explica a coautora do estudo, Sara Gummesson, da Universidade de Estocolmo, em nota enviada à National Geographic. “É mais provável que os crânios tenham sido separados dos corpos durante a decomposição”, acrescenta.

Sobre os sinais de violência encontrados nos crânios, os arqueólogos acreditam que podem ser consequência de “violência intergrupal”, motivada por “guerras e invasão”. Essa teoria pode ajudar a explicar as “diferentes lesões nos homens e nas mulheres”, uma vez que “desempenhavam papéis diferentes no combate”.

A par dos vestígios humanos, e organizados em torno deles, foram também encontrados ossos de sete espécies diferentes de animais, incluindo ursos, javalis e texugos. Os corpos dos animais teriam sido cortados após as mortes, mas não há sinais de que tenham sido comidos, uma vez que não há indícios de fogo nos ossos, explica o Science Alert.

Foram também descobertas mais de 400 estacas de madeira, intactas ou partidas, que podem ter sido usadas em uma vedação ou muro, ou ainda como suporte para segurar crânios, humanos e de animais.

Ciberia // ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Pessoas feias superestimam drasticamente suas aparências

Pessoas pouco atraentes parecem menos capazes de julgar com precisão sua própria atratividade, e tendem a superestimar sua aparência. Não faltam disparidades entre pessoas atraentes e pouco atraentes. Estudos mostram que os mais belos entre nós …

Noruega acusa Pequim de ciberataque contra serviços do governo

Pela primeira vez na história, o Serviço de Segurança Policial da Noruega (PST, na sigla em inglês) identificou a China como sendo responsável por um ataque hacker contra as autoridades do país nórdico. A agência de …

China supera marca de 1 bilhão de vacinas contra a covid-19 aplicadas

Quantia representa mais de um terço das doses aplicadas no mundo. Após início lento da imunização, autoridades chinesas querem vacinar completamente 40% da população até o final de junho. O número de doses de vacinas contra …

Brasileiros protestam no exterior contra Bolsonaro e gestão da epidemia

Dezenas de milhares de pessoas tomaram as ruas de várias capitais brasileiras neste sábado para protestar contra o presidente Jair Bolsonaro e sua gestão da pandemia, que já deixou mais de meio milhão de …

Relíquia do Jurássico: descoberto animal marinho cuja espécie vive há 180 milhões de anos

Um grupo de pesquisadores descreveu uma nova espécie de ofíuros – um animal marinho parecido com as estrelas-do-mar, que recebeu o nome de Ophiojura, informou nesta quinta-feira (17) Tim O’Hara, curador dos Museus Victoria (Austrália) …

Projeto de estrada cortando parque das cataratas de Iguaçu ameaça outras áreas de proteção pelo Brasil

Uma das paisagens naturais mais impressionantes do Brasil e reconhecida pela Unesco, o Parque Nacional do Iguaçu, que abriga as cataratas, no Paraná, pode ser cortado ao meio por uma rodovia asfaltada – em …

Por que a imunidade de rebanho está longe de ser realidade

Embora costume ser apresentada como simples cálculo matemático, alcançar a imunidade de rebanho não é tarefa fácil. Ela não só depende da infecciosidade das variantes, como da adoção de medidas sanitárias pela população. Apesar das campanhas …

Uso de maconha na adolescência pode atrapalhar o desenvolvimento do cérebro

O consumo de maconha pode ser prejudicial ao cérebro humano durante a adolescência, de acordo com estudo publicado na última quarta-feira (16). Segundo a pesquisa, realizada em regiões da Europa, o uso recreativo da planta pode …

EUA terão feriado para comemorar fim da escravidão

Data já celebrada na maioria dos estados vai se tornar feriado federal. O "Juneteenth" lembra dia em que os últimos escravos negros foram libertados no país, em 1865. Após aprovação pelo Congresso dos Estados Unidos na …

5 perguntas sobre os denisovanos, 'parentes' extintos dos humanos modernos que viveram na Terra há 50 mil anos

Desde que os primeiros vestígios dos denisovanos foram descobertos em 2008, os cientistas não descansaram tentando obter mais informações sobre eles. A tarefa, no entanto, não tem sido fácil, porque até agora só foram encontrados pequenos …