França reivindica morte de comandante jihadista ligado à Al-Qaeda no Mali

A França anunciou nesta sexta-feira (13) a morte de um comandante jihadista de primeiro escalão, vinculado à Al-Qaeda, no Mali. Bah Ag Moussa estava associado a vários ataques na região africana do Sahel nos últimos anos.

A ministra francesa da Defesa, Florence Parly, indicou, em um comunicado, uma operação com “importantes meios de inteligência e um dispositivo de interceptação integrado por helicópteros e tropas em terra” para chegar até Bah Ag Moussa. Ele é descrito como “comandante militar” do Grupo de Apoio ao Islã e aos Muçulmanos (GSIM), ligado à Al-Qaeda.

Segundo o comunicado, Bah Ag Moussa é considerado como o “responsável por vários ataques contra as forças do Mali e forças internacionais”, assim como dos “principais líderes militares jihadistas do Mali, encarregado sobretudo pela formação dos novos recrutas”.

De acordo com o porta-voz do Estado-Maior francês, o coronel Frédéric Barbry, os militares tentaram interceptar a caminhonete do jihadista, que estava acompanhado por outras quatro pessoas não identificadas, a 100 quilômetros de Menaka, no leste do Mali.

“Os ocupantes, que estavam fortemente armados, abriram fogo”, disse. O confronto durou 15 minutos e os cinco homens foram mortos, de acordo com o coronel.

Avanço para a segurança do Sahel

Em junho, o exército francês matou o líder histórico da Al-Qaeda no Magreb Islâmico (Aqmi), Abdelmalek Droukdal. Mas a morte deste homem, que permanecia afastado do campo de batalha, não mudou a situação de segurança na região do Sahel. A morte de Ag Moussa, conhecido como “Bamoussa”, um ex-oficial do exército do Mali, mas também membro fundador do grupo jihadista Ansar Dine, pode ser mais significativa.

De origem tuaregue, considerado um “terrorista” pela ONU e o governo dos Estados Unidos, Ag Moussa foi um dos protagonistas das rebeliões desta etnia dos anos 1990 e 2000. Ele seria responsável por importantes ataques contra as forças do Mali, incluindo atentados em julho de 2016 e março de 2019, que deixaram 20 mortos cada.

Segundo o think-tank Counter Extremist Project, desde 2017 Ag Moussa era o “dirigente operacional” do Grupo de Apoio ao Islã e aos Muçulmanos liderado pelo chefe tuaregue Iyad Ag Ghaly. O grupo se tornou uma das principais forças jihadistas no Sahel junto ao rival Grupo Estado Islâmico do Grande Sahara.

Em guerra aberta um contra o outro, ambos são o alvo prioritário da operação militar francesa Barkhane, realizada desde 2014 e que conta com mais de 5.000 soldados.

Líder da etnia tuaregue

Embora seja considerado como o responsável por violentos ataques contra as forças do Mali, Ag Moussa era popular entre os membros da comunidade tuaregue. “Ele era menos visto como um jihadista e considerado como um líder histórico da contestação tuaregue”, explica Ferdaous Bouhlel, pesquisadora associada à universidade de Tours, no centro oeste da França.

No início de 2020, o presidente do Mali, Ibrahim Boubakar Keita, disse que estava disposto ao diálogo com grupos jihadistas e enviar emissários para negociar com o chefe tuaregue Iyad Ag Ghaly e o pregador Amadou Koufa. No entanto, Keita foi deposto por uma junta militar em agosto.

Em uma visita em outubro à Bamako do chefe da diplomacia francesa, Jean-Yves Le Drian, o primeiro-ministro interino do Mali, Moctar Ouane, defendeu “a necessidade de um diálogo com os grupos armados. No entanto, o governo francês descarta a possibilidade.

Não podemos negociar com grupos jihadistas que não renunciaram ao combate terrorista”, afirmou recentemente a ministra francesa da Defesa, Florence Parly.

A morte de Ag Moussa confirma que a opção militar continua sendo privilegiada pela França, que recentemente anunciou operações contra o Grupo de Apoio ao Islã e aos Muçulmanos e o Grupo Estado Islâmico do Grande Sahara. Para especialistas nesta questão, ao insistir neste objetivo, o governo francês corre o risco de atrasar negociações de paz na região.

// RFI

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …

Em último vídeo do mandato, Merkel pede que população se vacine

A chanceler alemã Angela Merkel, que deixará o poder na próxima quarta-feira (8), voltou a defender neste sábado (4) a vacinação contra a Covid-19, no último de uma série de mais de 600 vídeos …

Descobrem na China ferramenta de marfim de 99 mil anos, possivelmente a mais antiga do país

Pesquisadores desenterraram uma pá de marfim datada de há cerca de 99.000 anos em um sítio arqueológico do Paleolítico na província chinesa de Shandong. Acredita-se que o objeto seja uma das primeiras ferramentas de osso utilizadas …