Na ONU, Brasil afirma que ajuste fiscal não suprimirá direitos sociais

(dr) PSDB-MG

A ministra dos Direitos Humanos, Luislinda Valois

A ministra dos Direitos Humanos, Luislinda Valois

A ministra dos Direitos Humanos, Luislinda Valois, assegurou nesta sexta-feira (5) nas Nações Unidas que o ajuste fiscal promovido pelo presidente Michel Temer não suprimirá os direitos e programas sociais, apesar das críticas da oposição, dos sindicatos e movimentos sociais a respeito.

O Brasil se submeteu hoje ao terceiro ciclo da Revisão Periódica Universal perante o Conselho de Direitos Humanos (CDH) da ONU sobre a situação dos direitos humanos no país.

“O Brasil tem que fazer sacrifícios no curto prazo, mas isso nos proporcionará mais crescimento robusto no futuro para embarcarmos em importantes políticas sociais”, declarou a ministra perante os países do CDH.

“Estamos efetuando sérias reformas com o fim de restaurar a credibilidade. Estamos investindo, o que criará empregos e estamos fazendo reformas sociais para que nosso Estado possa ser eficaz e gerar oportunidades a todos”, ressaltou Valois.

Estas reformas, segundo acrescentou, corresponderão às expectativas legítimas dos cidadãos e assegurarão que os direitos humanos sejam “plenamente protegidos”.

A ministra disse ainda que o governo Temer herdou uma crise, motivo pelo qual seu objetivo é recuperar o controle das finanças públicas, “mas ao mesmo tempo salvaguardar os programas sociais”.

Valois explicou que, se o desequilíbrio orçamental continuasse como antes, o país teria sofrido uma maior inflação, um crescimento baixo e um desemprego crônico, e tudo isso teria prejudicado a capacidade do Estado de financiar políticas sociais que beneficiam aos pobres e aos mais vulneráveis.

A ministra se referiu, sem mencioná-la diretamente, à emenda constitucional aprovada no final do ano passado que limita o aumento da despesa pública anual à taxa de inflação registrada no exercício anterior durante um prazo de duas décadas.

Segundo os críticos da medida, esse limite imporá severos cortes da despesa pública durante as próximas duas décadas em áreas nas quais o país requer de uma ingente presença do Estado, como saúde e educação.

“Não suprimiremos os direitos consagrados”, assegurou Valois, destacando que o governo espera construir no longo prazo um sistema de previdência sustentável para salvaguardar os direitos das gerações atuais e futuras, e tornar o mercado trabalhista e os setores produtivos “mais dinâmicos”, ao modernizar a legislação e fomentar assim o investimento e a criação de empregos.

Claramente, devido à greve e aos movimentos contrários às reformas do governo, grande parte da população não concorda com as declarações.

// EFE

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …

Em último vídeo do mandato, Merkel pede que população se vacine

A chanceler alemã Angela Merkel, que deixará o poder na próxima quarta-feira (8), voltou a defender neste sábado (4) a vacinação contra a Covid-19, no último de uma série de mais de 600 vídeos …

Descobrem na China ferramenta de marfim de 99 mil anos, possivelmente a mais antiga do país

Pesquisadores desenterraram uma pá de marfim datada de há cerca de 99.000 anos em um sítio arqueológico do Paleolítico na província chinesa de Shandong. Acredita-se que o objeto seja uma das primeiras ferramentas de osso utilizadas …