Nem vírus chinês, nem variante brasileira: OMS renomeia mutações do Sars-Cov-2 com alfabeto grego

As variantes do coronavírus serão agora identificadas com letras do alfabeto grego, no lugar de siglas, números complicados ou de gentílicos que muitas vezes suscitaram preconceitos e discriminações. O anúncio foi feito pela Organização Mundial da Saúde (OMS) na segunda-feira (31).

É o fim da variante brasileira, indiana, sul-africana, britânica e outras que surgirem… ao menos no papel. Também não serão mais utilizadas identificações mesclando letras e números, do tipo B.1.351, 501Y.V2 e 20H/501Y.V2. Pode parecer irônico, mas para facilitar a identificação das mutações o alfabeto grego será utilizado.

Assim, a partir de agora, as quatro principais variantes do coronavírus – britânica, sul-africana, brasileira e indiana – serão rebatizadas como Alfa, Beta, Gama e Delta. A letra grega é atribuída conforme a ordem de descoberta.

“Ainda que tenham vantagens, esses nomes científicos podem ser difíceis de pronunciar e memorizar, podendo resultar em erros“, explicou a OMS.

Segundo a organização, a decisão foi tomada depois de uma enxurrada de críticas sobre a confusão em relação aos nomes das variantes. Desde o surgimento dessas mudanças na estrutura do vírus, uma solução de facilidade vem sendo adotada, que é associar a transformação do agente patogênico ao local onde foi descoberta. Foi desta forma, por exemplo que a P1 começou a ser chama de “a variante de Manaus” no Brasil e “a variante brasileira”, fora do país.

Evitar estigmatizações

Para a OMS, esse recurso, em especial, suscitou a estigmatização das populações. Muitos representantes chegaram até mesmo a politizar essa denominação relacionada à origem do patógeno. Foi o caso do ex-presidente americano Donald Trump, que se referia ao Sars-Cov-2 como “o vírus chinês“. Não por acaso a comunidade asiática dos Estados Unidos foi frequentemente alvo de ataques racistas nesses mais de um ano de pandemia.

A comunidade brasileira no exterior também esteve no centro de polêmicas discriminatórias desde que a variante P1 foi descoberta em Manaus. Na França, cidadãos brasileiros chegaram a relatar terem sido vítimas de xenofobia.

Meses de debates

A decisão sobre a mudança nos nomes das variantes não foi simples. Foram meses de debates até que uma solução fosse encontrada.

Um das personalidade envolvidas nesta discussão é o professor Mark Pallen, especialista em genômica e metagenômica de bactérias. Segundo ele, além do alfabeto grego, outras possibilidades para identificar as variantes foram consideradas, como nomes de deuses gregos ou neologismos. No entanto, muitas destas identificações já estavam sendo utilizadas por marcas e empresas.

// RFI

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Brasil ultrapassa Índia e volta a ser líder mundial em mortes diárias por coronavírus

Em meio ao avanço da terceira onda da pandemia, o Brasil ultrapassou a Índia e voltou à liderança do número de mortes diárias por covid-19 registradas, em média. São mais de 2.000 óbitos registrados por …

Rajadas rápidas de rádio ajudarão a mapear distribuição de matéria no universo

O novo levantamento dos dados coletados pelo radiotelescópio CHIME (Canadian Hydrogen Intensity Mapping Experiment) resultou em mais de 500 rajadas rápidas de rádio devidamente catalogadas, todas feitas durante o primeiro ano de atuação do telescópio. Agora, …

Lider da UE chama lei húngara anti-LGBT de vergonha

Ursula von der Leyen, presidente da Comissão Europeia, afirma que vai usar poderes de que dispõe para garantir direitos de todos os cidadãos do bloco. Países pediram à UE que agisse. A presidente da Comissão Europeia, …

Apesar de ter vacinado mais da metade da população, Israel teme 2ª onda de Covid

O primeiro-ministro israelense, Naftali Bennett, alertou nesta terça-feira que o país pode enfrentar uma nova onda de coronavírus. Segundo ele, o aumento do número de doentes, causado pela chegada da variante Delta, “importada” por …

Cientistas resolvem enigma de esculturas de pedra de 3.200 anos da Turquia

Um recente estudo permitiu descobrir finalmente o significado e a função dos relevos em pedra criados há 3.200 anos no santuário de Yazilikaya, na Turquia, após 200 anos de conjeturas. No século XIII a.C., a alguns …

EUA não devem esperar retomada do diálogo com Pyongyang, diz irmã de Kim Jong-un

As expectativas de retomada do diálogo entre os EUA e a Coreia do Norte são erradas, podendo levar a uma "decepção ainda maior", declarou a irmã do líder norte-coreano. Na terça-feira (22), Kim Yo Jong, alta …

Ministro da Saúde diz que não há mudança de estratégia para a Coronavac

No início desta segunda-feira (21), o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, revelou que não haverá qualquer mudança de estratégia para a aplicação da CoronaVac. A declaração do ministro foi feita em audiência ao Senado Federal, revelando …

Há 80 anos, Hitler invadia a URSS – e começava a perder a guerra

Adolf Hitler e seus generais vinham planejando há meses para este momento. No domingo, 22 de junho de 1941, havia chegado a hora: às 3h15 da manhã, a Wehrmacht, forças armadas nazistas, atacou a União …

Com apenas 2% da população imunizada, África quer fabricar suas próprias vacinas anticovid

A África do Sul anunciou nesta segunda-feira a primeira etapa para capacitar seu continente na produção de vacinas anticovid. A conclusão do projeto ainda não tem data prevista, mas a iniciativa já é vista …

Pessoas feias superestimam drasticamente suas aparências

Pessoas pouco atraentes parecem menos capazes de julgar com precisão sua própria atratividade, e tendem a superestimar sua aparência. Não faltam disparidades entre pessoas atraentes e pouco atraentes. Estudos mostram que os mais belos entre nós …