O plano japonês de jogar ao mar água radioativa de Fukushima

Ministério da Administração Interna e Transportes do Japão / Wikimedia

Vista aérea da central nuclear de Fukushima

Nesta semana, o ministro do Meio Ambiente do Japão, Yoshiaki Harada, declarou que despejar no Oceano Pacífico mais de 1 milhão de toneladas de água contaminada pelo desastre nuclear de Fukushima seria a “única opção” da Tokyo Electric Power Co. (Tepco), operadora da usina.

Falando em Tóquio na terça-feira (10/09), Harada declarou: “A única opção será drená-la para o mar e diluí-la. Todo o governo discutirá isso, mas eu gostaria de oferecer minha simples opinião.”

A água contaminada com elementos radioativos tem sido armazenada na usina de Fukushima desde que o complexo foi destruído por um terremoto de magnitude 9 seguido de uma série de tsunamis, em março de 2011. As ondas gigantes inundaram o equipamento de refrigeração de três dos seis reatores do local, fazendo com que eles derretessem.

Água tem sido bombeada para os reatores para controlar suas temperaturas, resultando em mais de 1 milhão de toneladas de líquido radioativo. Águas subterrâneas também estão se infiltrando nos níveis abaixo do solo da usina, aumentando a quantidade de água contaminada, que precisa ser armazenada em vastos tanques de aço na terra em torno da estrutura.

O governo japonês afirma que armazenar a água em tanques não é uma solução viável para o problema a longo prazo e que a tecnologia para erradicar completamente todos os sinais de radioatividade da água ainda está para ser desenvolvida.

Uma nova equipe foi encarregada de elaborar soluções alternativas, que até agora incluíram enterrar a água no subsolo em vastas fossas revestidas de concreto, injetando-as em estratos geológicos muito abaixo da superfície. No entanto, a opção preferida e menos dispendiosa seria liberar gradualmente a água no oceano.

A Coreia do Sul reagiu com consternação à proposta, convocando o embaixador japonês em Seul em agosto para expressar suas preocupações. Na semana passada, o governo sul-coreano enviou uma carta oficial à Agência Internacional de Energia Atômica (Aiea), solicitando assistência em seus esforços para garantir que a água radioativa não fosse liberada da usina de Fukushima. Seul também disse que pretende abordar a questão na conferência geral da Aiea em Viena ainda neste mês.

A hostilidade de Seul em relação ao plano japonês é compartilhada pela Coreia do Norte, onde a mídia estatal descreveu a proposta de Tóquio como um “ato criminoso” que poderia causar uma “calamidade nuclear” na região.

Nunca toleraremos a contaminação do nosso mar azul por lixo nuclear“, afirmou um editorial do jornal Rodong Sinmun em 4 de setembro. “O Japão deve escutar a grave advertência da comunidade internacional, parar de tomar medidas imprudentes e abandonar seu plano de descartar água contaminada.”

Muitos sul-coreanos podem até discordar de várias políticas do atual governo, mas analistas dizem que os cidadãos apoiam firmemente o presidente Moon Jae-in nessa questão. “Estamos admirados de como o Japão poderia fazer algo tão perigoso“, disse à DW Ahn Yinhay, professora de relações internacionais da Universidade da Coreia, em Seul.

“As pessoas estão realmente preocupadas, e vi estimativas que mostram que as correntes levarão a água descartada de Fukushima para a Península Coreana em cerca de um ano. Isso significa que a radiação entrará em nossas pescas domésticas de peixes e frutos do mar”, explicou a professora.

Segundo ela, a maioria dos coreanos acredita pouco nas promessas do governo japonês de que todos os alimentos das regiões afetadas pelo desastre nuclear foram exaustivamente testados e considerados seguros para consumo humano.

Grupos ambientalistas também estão irritados com as propostas de Tóquio, afirmando que estas ignoram o fato de que são necessários esforços para remover radionuclídeos perigosos da água.

A Tepco havia alegado anteriormente que processos avançados de limpeza na água reduziram agentes contaminantes causadores de câncer – como estrôncio, iodo e rutênio – a níveis de “não detecção”. Portanto, seria seguro liberá-la no oceano. No entanto, documentos governamentais vazados mostraram mais tarde que tais alegações seriam imprecisas e que a água ainda continha radioatividade em concentrações bem acima dos níveis permitidos por lei.

Um estudo do jornal regional Kahoko Shinpo confirmou que os níveis de iodo 129 e rutênio 106 excederam os níveis aceitáveis em 45 das 84 amostras relativas a 2017. O iodo 129 tem uma meia-vida de 15,7 milhões de anos e pode causar câncer de tireoide. O rutênio 106 é produzido por fissão nuclear e pode ser tóxico em altas doses, além de ser cancerígeno quando ingerido.

Posteriormente, a Tepco admitiu que os níveis de estrôncio 90 estavam 90 vezes acima da quantidade permitida por lei em 65 mil toneladas de água que já haviam sido tratadas no local.

O Greenpeace condenou os comentários do ministro japonês em favor da liberação da água no Pacífico. A declaração é “totalmente imprecisa – tanto científica quanto politicamente”, disse à DW Shaun Burnie, especialista nuclear sênior da organização ambientalista na Alemanha.

“Tóquio recebeu opções técnicas, inclusive de empresas nucleares dos Estados Unidos, para remover o trítio radioativo da água contaminada. Até agora, por razões financeiras e políticas, optou por ignorá-las”, acrescentou. “O governo japonês deve se comprometer com a única opção ambientalmente aceitável para gerenciar essa crise da água, que é o armazenamento e processamento a longo prazo para remover a radioatividade”, afirmou Burnie.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Nada de ETs: escurecimento da estrela mais estranha da galáxia poderia ter outra explicação

Astrofísicos teriam desvendado misterioso escurecimento da estrela de Tabby após levantarem hipótese de ação alienígena e de cometas. Trata-se da estrela mais estranha da Via Láctea. Desde o fim do século XIX, a estrela de Tabby …

Ex-ditador da Tunísia Ben Ali morre aos 83 anos na Arábia Saudita

O ex-presidente da Tunísia Zine Ben Ali, 83 anos, morreu nesta quinta-feira. Ben Ali sofria de câncer e estava hospitalizado há uma semana, informou seu advogado Mounir Ben Salha. O ex-ditador tunisiano vivia exilado em Jeddah …

A luta pela vida de bebê com doença rara que recebeu doações de quase 1 em cada 10 belgas

Quase um em cada dez belgas colaborou com a campanha de um casal para arrecadar 1,9 milhão de euros (cerca de R$ 8,6 milhões) e salvar a vida de seu bebê. Pia, de nove meses, tem …

Fukushima: absolvidos três ex-dirigentes da empresa Tepco

Três ex-dirigentes da empresa Tepco foram absolvidos nesta quinta-feira (19), por um tribunal de Tóquio, que determinou que não podem ser considerados culpados pelas consequências da catástrofe nuclear ocorrida em Fukushima em 2011, após um …

Israel vive impasse político após eleição sem vencedor claro

Resultado oficial confirma que nenhum partido conseguiu obter maioria e indica cenário complicado para a formação de coalizões estáveis. Proposta de governo de unidade nacional levanta dúvidas sobre futuro de Netanyahu. Um dia após as eleições …

Rússia e China criarão frota de satélites que darão Internet rápida à Terra

Em projeto conjunto, Rússia e China irão desenvolver uma frota de satélites que deverá fornecer Internet rápida ao nosso planeta. A notícia foi dada pelo vice-premiê russo, Maksim Akimov, durante fala a jornalistas. De acordo com …

Vídeos de OVNIs são reais, afirma Marinha dos EUA

Os três vídeos feitos pelos militares dos EUA, que mostram imagens de “fenômeno aéreo não identificado”, são verdadeiros, de acordo com declarações da Marinha do país obtidas pelo The Black Vault, um site dedicado a …

DNA preservado em museu ajuda a identificar maior anfíbio do mundo

Um anfíbio recém-identificado é possivelmente o maior do planeta. Pesquisadores chegaram a essa conclusão com o auxílio do DNA coletado em um espécime que está preservado em um museu. Atingindo quase dois metros de comprimento, a …

Primeira relação sexual de uma a cada 16 americanas é sem consentimento

Um estudo publicado pela Associação Americana de Medicina mostrou que uma a cada 16 jovens do país teve a primeira relação sexual sem consentimento. A pesquisa também mostra os efeitos negativos a longo prazo deste …

Dodge denuncia cinco por fraude no caso Marielle

Conselheiro do Tribunal de Contas que comanda clã político do Rio é acusado de atrapalhar investigações. Procuradora-geral também pede federalização do caso e abertura de inquérito para apurar se ele encomendou o crime. Em seu último …