O sonho americano de Merkel se o Muro de Berlim não tivesse caído

Felipe Trueba / EPA

Se ainda vivesse na Alemanha Oriental, a líder alemã poderia estar hoje realizando o antigo sonho de viajar pelos EUA ouvindo Bruce Springsteen. Em entrevista, ela diz que ainda é preciso aproximar leste e oeste do país.

Em um universo paralelo, no qual o Muro de Berlim não tivesse caído, Angela Merkel poderia estar atualmente viajando pelos EUA num Trabant, em vez de estar vivenciando o crepúsculo de sua chancelaria, disse a própria chefe de governo da Alemanha em entrevista à revista alemã Der Spiegel nesta terça-feira.

Quando questionada sobre o que teria sido dela se a Alemanha tivesse permanecido dividida, a chanceler federal alemã respondeu com humor: “Certamente não teríamos nos conhecido, isso é certo.”

Questionada sobre o que estaria fazendo hoje em dia, Merkel disse que poderia ter realizado seu sonho: “Eu queria que minha primeira longa viagem fosse para os Estados Unidos. Devido ao seu tamanho, sua diversidade e cultura. Ver as Montanhas Rochosas, dirigir por aí e ouvir Bruce Springsteen – esse era o meu sonho”, contou, referindo-se ao cantor americano conhecido por sucessos como Born in the USA.

Depois de reiterar que ela também gostaria de ter explorado a Alemanha, a chanceler federal alemã, de 65 anos e que cresceu na Alemanha Oriental, apontou que estaria aposentada a esta altura e, portanto, teria permissão para deixar a antiga República Democrática Alemã (RDA).

“Na RDA, as mulheres se aposentavam aos 60 anos, assim eu poderia ter pegado meu passaporte cinco anos atrás e viajado para os EUA. Os aposentados tinham a liberdade de viajar na RDA – qualquer pessoa que não fosse mais necessária como trabalhadora socialista podia sair”, disse Merkel à revista Der Spiegel.

Quando os repórteres questionaram se ela teria pegado um carro americano, ela negou. “Não. Eu simpatizo com carros menores. Mas o que poderia ter sido melhor do que um Trabant?”

A entrevista à revista Der Spiegel foi concedida num momento em que a Alemanha reflete sobre os 30 anos da queda do Muro de Berlim, celebrados em 9 de novembro.

Depois de crescer no empobrecido e menos desenvolvido Leste Alemão, Merkel entrou na política apenas com trinta e poucos anos de idade, quando o comunismo desmoronou.

Descontentamento não justifica o ódio

Na entrevista, a chanceler federal alemã alertou que desilusão e descontentamento com o governo alemão não dão às pessoas um “direito ao ódio” – uma referência indireta a recentes sucessos eleitorais da legenda populista de direita Alternativa para a Alemanha (AfD).

“Eu sei que para alemães orientais de uma certa geração a vida se tornou livre após a revolução pacífica, mas nem sempre mais simples”, afirmou Merkel. “Mesmo assim, 30 anos depois, é preciso deixar claro: mesmo se você não estiver satisfeito com o transporte público, a assistência médica, o modo de agir do Estado em geral ou a sua própria vida, isso não lhe dá o direito ao ódio e ao desprezo pelos outros ou mesmo à violência.”

A AfD recebeu mais de 20% dos votos e terminou como segundo partido mais votado nas recentes eleições estaduais de Saxônia, Brandemburgo e Turíngia, regiões nas quais as pessoas continuam se sentindo em desvantagem mesmo 30 anos após a Reunificação alemã.

A desilusão nos últimos anos com a chanceler federal alemã e seu governo, alimentada principalmente pelo grande afluxo de migrantes em 2015, foi sentida com mais intensidade no Leste Alemão.

Merkel contou à revista Der Spiegel que, como chanceler federal, ela é responsável por todos os alemães. “Portanto, a suposição de que eu deveria cuidar primariamente dos interesses dos alemães orientais é errada, mas, se ela fosse seguida, isso evidentemente levaria a desapontamentos”.

A chanceler federal alemã também enfatizou a necessidade de um melhor “diálogo interno alemão”, entre as antigas Alemanha Oriental e Ocidental.

Os Estados Unidos, o destino sonhado por Merkel, tradicionalmente visto como sinônimo de liberdade e oportunidade, também sofreu uma guinada política para a direita nos últimos anos.

Desde que assumiu o cargo em 2016, o presidente americano Donald Trump defendeu repetidamente a construção de um muro ao longo da fronteira dos EUA com o México, além de impulsionar políticas que visam conter a imigração legal e ilegal.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Criaram um escape room baseado em La Casa de Papel

As empresas Fever Originals, Atresmedia e Enigma Exprés criaram um escape room na Espanha baseado em “La Casa de Papel“. Mais de 80 mil pessoas participaram da primeira temporada do desafio. Vestidos com os uniformes e …

Guaidó desafia proibição de deixar Venezuela e inicia giro internacional em busca de apoio

O opositor venezuelano Juan Guaidó voltou a desafiar a proibição de deixar o país. O autoproclamado presidente interino viajou para a Colômbia, antes de seguir para Bélgica e Suíça. Ele pretende participar do Fórum …

FMI prevê melhora para economia brasileira, apesar da redução do crescimento mundial

O Fundo Monetário Internacional reduziu nesta segunda-feira (20) sua expectativa de crescimento global para este ano. A instituição é mais otimista sobre a situação do Brasil, que deve crescer nos próximos anos. O FMI disse …

Harry diz estar triste por deixar deveres reais

O príncipe Harry falou neste domingo (19/01) de sua tristeza por ser obrigado a desistir de seus deveres reais em um acordo com a família real britânica, dizendo não haver outra opção se ele e …

Ultrassom destrói células cancerosas

Cientistas do Instituto de Tecnologia da Califórnia e do Instituto de Pesquisa Beckman da Cidade da Esperança desenvolveram uma técnica de ultrassom direcionado de baixa intensidade que mata células cancerígenas sem afetar as células saudáveis …

Robôs são maior ameaça à humanidade que mudança climática, segundo especialista

Especialista em inteligência artificial acredita que robôs podem ser hackeados por terroristas, além de outros problemas, tornando-os potencialmente perigosos para o homem. Se por um lado a tecnologia pode ajudar o homem em suas tarefas do …

Sem capacidade para reciclar, Malásia devolve lixo para países desenvolvidos

A Malásia devolveu 150 contêineres de lixo ilegal para seus países de origem. Entre eles estão os Estados Unidos, a França, o Reino Unido e o Canadá, anunciaram as autoridades nesta segunda-feira (20). Segundo …

Defesa de Trump diz que processo de impeachment é ilegal

Em primeira manifestação formal desde o início do julgamento do presidente, defesa acusa oposição democrata de tentar interferir nas eleições de 2020. Os advogados do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disseram neste sábado que o …

Cidade de interior de SP inicia tarifa zero no transporte público

Enquanto diversas capitais ao redor do país aumentam o valor das passagens no transporte público, algumas outras cidades pensam diferente. Se o transporte coletivo gratuito parece um sonho inalcançável e utópico, algumas administrações públicas buscam maneiras …

Quantos anos de vida saudável os ricos ganham em relação aos pobres?

Um novo estudo europeu e americano descobriu que os ricos possuem cerca de nove anos de vida saudável a mais do que os pobres. A pesquisa foi bastante abrangente – os cientistas analisaram dados de mais …