Ouvir músicas de Natal repetidamente é prejudicial à saúde

O Natal é, para a maioria das pessoas, uma das épocas festivas mais especiais do ano. No entanto, se por um lado desperta felicidade, por outro também é capaz de causar ódios de estimação – as (repetidas) músicas natalinas são exemplo disso.

A música de Natal é algo que se ama ou se odeia, não há margem para meio termo. Para as pessoas que trabalham em centros comerciais, por exemplo, a trilha sonora natalina pode mesmo se revelar um problema de saúde.

A psicóloga Linda Blair vem agora confirmar isso: ouvir músicas de Natal de forma repetida pode ser mentalmente desgastante, diminuindo os níveis de concentração.

“As pessoas que trabalham em lojas durante o Natal precisam se desligar da música da época. Se não fizerem isso, vai realmente impedi-las de se concentrarem em outra coisa qualquer”, explicou a clínica em declarações à Sky News.

“Basicamente, gastamos toda a nossa energia tentando não ouvir o que estamos realmente ouvindo”, sustentou Linda Blair.

Inicialmente, as músicas de Natal podem desencadear sentimentos de nostalgia, colocando-os mais próximos dessa época especial. No entanto – e depois de ouvir All I Want For Christmas Is You pela 10ª vez –, as pessoas podem desenvolver sentimentos de aborrecimento, tédio e até angústia. Esses sentimentos negativos resultam do “mero efeito de exposição”, disse a psicóloga Victoria Williamson à NBC.

Quando exposto de forma contínua a certo tipo de música, o cérebro começa a ficar saturado, processando essas melodias como desagradáveis. E, frente a isso, outros sentimentos negativos e tensões podem ser potencializadas.

Estratégia para aumentar o consumo

Talvez essa não seja uma grande descoberta para a maioria das pessoas. No entanto, para os vendedores, tocar músicas de Natal é uma clara estratégia para apelar ao consumo. Estudos anteriores já revelaram que um equilíbrio entre cheiros e músicas festivas pode afetar positivamente o ambiente de compra, deixando os clientes felizes.

Um estudo publicado em 2005 demonstrou que quando a simetria perfeita entre a música e os aromas era atingido, esse ambiente encorajava os clientes a passar mais tempo no estabelecimento, impulsionando consequentemente as vendas.

No entanto, ressaltou o professor de marketing Eric Spangenberg, há certos tipos de música que são mais eficazes que outros.

O especialista, que estudou o efeito das músicas de Natal em ambientes de venda ao público, explicou à NBC que os ritmos lentos “atrapalham” os consumidores, fazendo com que fiquem mais tempo no interior das lojas. Em sentido oposto, as músicas de ritmo acelerado, tendem a apressar a saída dos clientes do espaço.

Ciberia // ZAP

COMPARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Assim sendo, músicas de carnaval, São João ou outras de épocas causam o mesmo efeito. Acabemos pois com músicas de época

  2. E quem escuta repetidas vezes outras musicas? Já escutei “all i want for christmas is you” umas 100 vezes esse Natal e não desenvolvi esse tipo de sentimento! Pelo contrário só fico com mais vontade de ouvi-la!

DEIXE UM COMENTÁRIO:

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …

Em último vídeo do mandato, Merkel pede que população se vacine

A chanceler alemã Angela Merkel, que deixará o poder na próxima quarta-feira (8), voltou a defender neste sábado (4) a vacinação contra a Covid-19, no último de uma série de mais de 600 vídeos …

Descobrem na China ferramenta de marfim de 99 mil anos, possivelmente a mais antiga do país

Pesquisadores desenterraram uma pá de marfim datada de há cerca de 99.000 anos em um sítio arqueológico do Paleolítico na província chinesa de Shandong. Acredita-se que o objeto seja uma das primeiras ferramentas de osso utilizadas …