Como previsões mais pessimistas para Amazônia já se confirmam

(h) Mato Grosso Firefighters / EPA

Floresta Amazônica já emite mais gás carbônico do que absorve, afirma estudo liderado por pesquisadora do Inpe e publicado na “Nature”. Desmatamento e queimadas estão agravando a falta de chuvas e a savanização.

A chegada dos meses mais secos na Amazônia, de agosto a outubro, traz um roteiro previsível para a química Luciana Gatti, pesquisadora do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). É quando a floresta, depois de desmatada, é queimada e, como consequência, despeja na atmosfera toneladas de gases de efeito estufa.

O que Gatti não esperava é que esse ciclo de destruição, que voltou a crescer desde 2013 mas foi muito acelerado a partir de 2019, já estivesse acabando com uma função importante da maior floresta tropical do mundo: absorver carbono, vital para o equilíbrio do clima do planeta. “O sofrimento da floresta é tão grande que ela não está dando conta”, resume a pesquisadora.

“O desmatamento representa uma fonte de emissão direta de carbono e outra indireta. Foi isso que descobrimos e que não está em modelo algum“, afirma ela à DW, fazendo referência a modelos computacionais usados nas previsões de impactos das mudanças climáticas.

Em regiões onde a floresta já foi mais de 30% devastada, a emissão de carbono chega a ser dez vezes maior do que em áreas onde o desmatamento é inferior a 20%. A conclusão surpreendeu o time da pesquisadora, autora principal do estudo publicado na Nature nesta quinta-feira (15/07).

A maior emissão de carbono ocorre na parte leste, nos estados do Pará e Mato Grosso, e acontece por causa da grande quantidade de queimadas e de menor absorção de CO2 pela própria floresta.

Além disso, em florestas intactas, o aumento das temperaturas e o estresse hídrico podem aumentar a mortalidade das árvores e afetar negativamente a absorção de carbono pela fotossíntese. Ocorre um processo conjunto de vários danos à vegetação, que começa com algumas espécies reduzindo ou até paralisando a fotossíntese, até a mortalidade de espécies mais sensíveis à situação agressiva de menor chuva, mais temperatura por um tempo mais longo. Daí viriam as emissões indiretas citadas por Gatti.

“O que muda na Amazônia se chover menos na estação seca? Tudo. O estresse hídrico aumenta, a temperatura aumenta e a floresta que não foi desmatada vai queimar junto porque está mais vulnerável, mais inflamável”, detalha.

Foram nove anos de estudos e mais de 600 voos realizados para a coleta do ar sobre a Amazônia até que as informações se consolidassem. As medições mostraram que, nos meses de agosto e setembro, a temperatura nas zonas mais desmatadas já aumentou 3,1 graus Celsius nos últimos 40 anos na parte sudeste.

O dado surpreende até as previsões mais pessimistas da ciência para a Amazônia. “É uma condição que se achava que seria atingida daqui a muito tempo. Mas já está acontecendo agora. Já houve pesquisador que mediu 50 graus de temperatura na copa das árvores”, comenta Gatti.

Os estudos mais recentes indicam que a Floresta Amazônia pode estar perto demais do chamado ponto de não retorno, ou tipping point, quando ela perde a capacidade de se recuperar com o seu porte denso – o que os cientistas chamam de processo de savanização.

Previsões que se cumprem

Na década de 1970, uma descoberta do físico brasileiro Enéas Salati também causou alvoroço. Ele mostrou que a Amazônia não era apenas uma floresta, mas também produtora de uma enorme quantidade de vapor d’água que se transformava em chuva em outras regiões do país.

Foi quando uma nova pergunta passou a intrigar os pesquisadores: o quanto a floresta suportaria de desmatamento sem perder essa capacidade de gerar chuva? O brasileiro Carlos Nobre e o americano Thomas Lovejoy, em 1990, foram os primeiros a sugerir que, se esse índice chegasse a 40%, o centro, o sul e o leste da Amazônia teriam menos chuvas e uma estação seca mais longa, o que levaria a uma mudança para a vegetação de savana ao leste.

Anos depois, em 2018, eles revisaram esse número: se apenas 20-25% da floresta tropical for cortada, o temido ponto crítico pode ser atingido. Desde então, Nobre vem repetindo o alerta: “As medições já estão mostrando o aumento da estação seca e suas consequências. Estamos vendo o aumento da mortalidade de árvores típicas da Amazônia e a sobrevivência de árvores menores, mais resistentes, do cerrado [a savana brasileira]”, disse à DW. É o que o estudo de Gatti confirma.

Em toda a Amazônia, o corte já acabou com 15% da vegetação em relação à extensão de 1970. No Brasil, que detém mais da metade da floresta, cerca de 19% já desapareceram.

Gatti vê uma bola de neve se formando. “A cada ano que passa, a floresta mais desmatada tem menos vapor de água indo para a atmosfera. Isso traz um feedback negativo: a intensificação da estação seca prejudica a floresta na sua capacidade de remover carbono”, explica.

“Talvez as regiões do sul do Pará e norte do Mato Grosso já tenham atravessado o tipping point. Temos que continuar pesquisando”, comenta Gatti.

“Amazônia pode estar virando savana por dentro”

Numa região longe do chamado arco do desmatamento, no interior remoto da floresta, no médio Rio Negro, Bernardo Flores fez uma outra constatação surpreendente. Na zona de árvores que passam parte do ano debaixo d’água, manchas de savana de areia branca crescem em meio à floresta preservada.

O motivo da transformação abrupta é o fogo. “Ele é de causa humana. Essas florestas alagáveis viram savana depois do fogo, as árvores sofrem mortalidade altíssima, que chega a 90%”, detalha Flores, pós-doutorando em ecologia na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e autor de um estudo feito em parceria com Milena Holmgren, professora na Universidade de Wageningen, na Holanda.

Flores enxergou o que ainda não havia sido previsto. “A Amazônia pode estar virando savana por dentro. Isso pode se tornar algo contagioso e se espalhar pelo interior do sistema. É um risco que ninguém calculava“, revela.

Além das imagens de satélite, a equipe fez trabalho de campo na área das queimadas e classificou as árvores que surgiram no local. Em quatro décadas, o que era floresta virou literalmente uma vegetação de savana.

O custo para os brasileiros

As evidências apresentadas pela ciência que confirmam previsões feitas há décadas mostram que o saldo para o país é negativo. “O impacto da destruição na Amazônia já está mais causando prejuízo ao Brasil inteiro com redução de chuva do que algum lucro que se possa ter com mineração e gado naquela região”, comenta Gatti, lembrando a crise energética provocada pela falta de chuvas. O prejuízo pode se agravar para o setor agrícola, no custo da eletricidade e do alimento, preveem especialistas.

Paralelamente, um plano de ação minucioso está sendo elaborado por 200 cientistas do Painel Científico para a Amazônia (SPA), parte da Rede de Soluções para o Desenvolvimento Sustentável (SDSN) da ONU. Numa apresentação de resultados prévios nesta quarta-feira, o painel chamou a atenção para as consequências desastrosas da destruição da floresta. Nos próximos meses, o grupo publicará soluções para o desenvolvimento sustentável da Amazônia e recomendações de políticas, com base científica, para os tomadores de decisão.

Para Gatti, parte da solução para as diversas crises está na proibição das queimadas pelo menos de julho a outubro e o desmatamento zero. “Assim, a floresta poderia se recuperar, evaporar mais água, aumentar a chuva e reduzir a temperatura. O clima fica menos agressivo e ela terá condições de se recuperar”, diz Gatti sobre a estratégia sugerida à política ambiental do governo brasileiro.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

“Bolsonaro não está dando os anéis, mas os dedos para tentar salvar o braço”, diz cientista política

O novo ministro super poderoso do governo de Jair Bolsonaro, Ciro Nogueira, nomeado para a Casa Civil, toma posse esta semana. Apesar de todo o fisiologismo, a analista Graziella Testa, da Escola de Políticas …

Não vacinados ameaçam combate à covid nos EUA

Em meio à disseminação de teorias da conspiração e a uma alta das infecções pelo coronavírus entre não vacinados, autoridades de saúde dos EUA lutam para convencer mais pessoas a se imunizarem contra a covid-19. Em …

Helicóptero da NASA estabelece novo recorde durante seu 10º voo em Marte

Neste sábado (24) o pequeno helicóptero da NASA em Marte, Ingenuity, conseguiu ultrapassar a marca de 1,6 km de distância percorrida acumulada após sobrevoar uma região rochosa na cratera Jezero. No sábado, o helicóptero robótico completou …

A curiosa rejeição de parte dos franceses ao passaporte sanitário na pandemia

No país onde o debate é uma espécie de esporte nacional, qualquer imposição verticalizada do governo pode ser considerada um acinte. Desde a Revolução, os franceses alimentam uma espécie de ojeriza ao compulsório que …

Astrônomo amador descobre nova lua na órbita de Júpiter

O corpo celeste recebeu o nome provisório de EJc0061 e mais provável é que seja um novo membro do grupo Carme, que orbita o planeta junto a outras 78 luas. O estudante Kai Ly se tornou …

Microsoft diz que 70% dos brasileiros já foram alvos do golpe de suporte técnico

Imagine estar navegando pela internet e se deparar com uma janela afirmando que há algo de errado com sua instalação do Windows. Ao clicar, você consegue entrar em contato com um técnico, que dá instruções …

Orçamento recorde não salva Jogos Olímpicos de Tóquio do desânimo causado pela Covid-19

Os jornais franceses desta detalharam o desafio dos organizadores dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020, que começaram oficialmente nesta sexta-feira (23) sob a ameaça da Covid-19 e uma impopularidade recorde no Japão. Para a imprensa …

Comunidade LGBTQ da Hungria teme repressão e perseguições

Nos últimos meses, Boldizsár Nagy teve que lidar com situações que nunca imaginara. Por muito tempo, ele foi um jornalista e editor de livros infantis desconhecido, "ninguém especial", em suas próprias palavras. Quando, em 2020, ele …

68 anos! Conheça a história do homem com a maior crise de soluço do mundo

Você provavelmente já teve soluços ao longo da vida, certo? Alguns minutos de soluço são suficientes para deixar qualquer um emburrado. Mas já pensou soluçar por nada menos que 68 anos seguidos? Pois foi isso …

Mesmo após crise gerada por pandemia, Brasil terá 10 milhões de desempregados, dizem economistas

Com a aceleração da vacinação na maior parte do país, os brasileiros já começam a vislumbrar uma luz no fim do túnel da pandemia do coronavírus. Diante da perspectiva de gradual volta à normalidade, espera-se …