Professor da Universidade de Nova York diz que Tesla será comprada em até um ano

tedconference/ Flickr

Elon Musk, CEO da Tesla e SpaceX

O professor da Universidade de Nova York, Scott Galloway, fez uma previsão audaciosa no evento South by Southwest (SXSW) em março deste ano: ele antecipa que a Tesla, fabricante de automóveis elétricos de luxo liderada por Elon Musk, será adquirida por alguma outra empresa dentro de um ano.

A princípio, o parágrafo acima parece aleatório, porém Scott Galloway tem crédito em suas previsões: quando a Amazon anunciou a sua aquisição da rede de mercados populares norte-americana Whole Foods, ele antecipou a compra meses antes de ela ocorrer.

Nesse final de maio, estamos vendo sinais de que Galloway pode ter acertado mais uma: atualmente, a Tesla vem passando por graves problemas de desvalorização acionária, com seus papéis na Bolsa sendo comercializados a menos de US$ 200 — uma queda de 35% nos meses mais recentes, desde que o ano começou.

Analistas indicam que a demanda pelos automóveis fabricados pela empresa segue em queda, o que fariam dela uma excelente candidata a ser comprada por uma empresa grande de tecnologia, a preços populares.

Em um passado distante, Elon Musk teve encontros com a Apple para tratar justamente deste assunto. Na época, porém, a Tesla tinha mais valor do que tem hoje.

Agora, Galloway reforça sua previsão com mais detalhes: falando durante a apresentação do podcast Recode with Sara Swisher, da Vox Media, nessa última sexta (24), o professor universitário disse que “os investidores estão finalmente se cansando dessa situação. Minha previsão é a de que, dentro de 12 meses, a Tesla terá valor abaixo de US$ 100 por ação e provavelmente será adquirida porque há valor real nela”.

Por “valor real”, Galloway provavelmente se refere aos avanços da montadora americana na área de dirigibilidade autônoma e pesquisas de inovação: goste ou não da Tesla, o seu sistema de piloto automático é, hoje, um dos únicos disponíveis ao público e também um dos mais populares. A empresa também investe em novas funções para seus veículos e consegue implementá-las via atualização de software, algo que outras montadoras ainda têm dificuldade em fazer.

Mas quem tem essa grana?

A Tesla, hoje, tem um valor de mercado que rodeia a casa dos US$ 35 bilhões. Com a desvalorização prevista por Galloway, é possível que esse valor caia para algo entre US$ 20 bilhões a US$ 25 bilhões.

Mesmo com uma queda tão brusca, são poucas as montadoras que poderiam dispor de tanto dinheiro para adquirir a empresa de Elon Musk: “Mesmo se cair de US$ 35 bilhões para US$ 17 bilhões… temos talvez umas duas empresas que poderiam comprá-la: talvez a Toyota, talvez a Daimler Benz, mas isso é uma aposta meio fraca”, ele disse.

Ao invés disso, Galloway aponta para o mercado tecnológico. Rumores de uma aquisição da Tesla pela Apple vêm flutuando o noticiário especulativo há anos, vide o link que postamos mais acima.

“Os que poderiam comprá-la, que realmente têm balanço financeiro, são as empresas de tecnologia, mas elas não querem entrar nos negócios de baixa margem”, argumenta Galloway. “Será que a Google começaria a ver ‘carros’ como mais uma plataforma para anúncios, talvez?”

Vale citar, por exemplo, que a Amazon registrou um balanço comercial de US$ 17 bilhões recentemente. E a empresa vem investindo muito em áreas inovativas do mercado de automóveis: recentemente, a empresa anunciou um investimento na Rivian, uma montadora de SUVs elétricos.

De qualquer forma, Galloway está seguro de que, se de fato alguém comprar a Tesla, não será nenhuma montadora automotiva: “A Tesla é uma grande marca, com um grande produto. Mas as montadoras não vão comprá-la”.

A Tesla não quis comentar as especulações.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Apple quer proibir lançamento de livro que revela segredos comerciais da empresa

O livro alemão App Store Confidential, de Tom Sadowski, é uma publicação temida pela Apple. Isso porque o autor foi o líder de desenvolvimento da loja de aplicativos da Gigante de Cupertino na Alemanha, Áustria …

Chineses acusam governo de usar epidemia de coronavírus para prender dissidentes

No momento em que a China enfrenta a epidemia do COVID-19 que já causou 2 mil mortes e infectou 74 mil pessoas no país, o mundo se pergunta se a crise reforça ou, pelo …

Suíça quer devolver dinheiro ganho com tráfico de escravizados para as Américas

O horror do tráfico de pessoas escravizadas entre os séculos XVI e XIX para os EUA, Caribe, América Latina e principalmente o Brasil teve mais responsáveis do que nos dita a história. E a Suíça …

Reino Unido pós-Brexit fecha portas para imigrantes pouco qualificados

No Reino Unido pós-Brexit, os estrangeiros que quiserem obter um visto de trabalho no país vão ter que provar muitas habilidades. Os candidatos receberão pontos de acordo com seu nível de inglês, diploma e profissão …

Síria realiza primeiro voo comercial entre Damasco e Aleppo desde 2013

Diretores de aeroportos da Síria mencionam o trabalho realizado no aeroporto de Aleppo para permitir o feito, realizado graças à vitória do Exército sírio e esforço dos operários. A Síria realizou seu primeiro voo comercial em …

Mudanças climáticas ameaçam futuro das crianças do mundo, diz ONU

Estudo de Nações Unidas, Unicef e revista 'The Lancet' aponta ações de sustentabilidade insuficientes. Países ricos fracassam em prover meio ambiente favorável, apesar de melhor ponto de partida. Países de todo o mundo estão fracassando em …

Bug no sistema do McDonald's forneceu lanches de graça sem limite de quantidade

Imagine você poder realizar quantos pedidos quiser no McDonald's e não ter que arcar com um só centavo para isso. Bem, essa mamata virtual era o que vinha acontecendo no sistema da multinacional de fast-food …

Governo chinês está até "queimando" dinheiro para combater o coronavírus

A briga do governo chinês contra o Covid-19 (também conhecido como "novo coronavírus") tem colocado diversos órgãos governamentais em alerta, e o governo da China parece não poupar esforços para conter a proliferação da doença …

Maior organização de escoteiros dos EUA declara falência após processos de abuso sexual

O grupo Boys Scouts of America, principal movimento de escoteiros dos Estados Unidos, apresentou um pedido de falência nesta terça-feira (18), em um esforço para salvaguardar as indenizações às vítimas de abuso sexual, afirma um …

Ações humanas alteram dispersão de sementes na Amazônia, aponta estudo

Análise de mais de 26 mil árvores demonstra que atividades como queimadas e desmatamento abalam o equilíbrio entre fauna e flora. Com degradação, restam animais pequenos na floresta, que espalham sementes menores. Quando se fala em …