Putin aprova estratégia para rebater influência ocidental na Rússia

Konstantin Zavrajin / Kremlin / Sputnik / EPA

O presidente da Rússia, Vladimir Putin

Documento aprovado pelo chefe de Estado acusa Ocidente de usar problemas socio-econômicos russos para abalar valores tradicionais. Embora valorizando diplomacia, não exclui “medidas simétricas e assimétricas”.

O presidente russo, Vladimir Putin, aprovou uma revisão da estratégia de segurança nacional, prevendo medidas para reagir à “influência estrangeira” no país. Segundo o documento de 44 páginas, divulgado neste sábado (03/07), a pressão crescente dos países ocidentais representaria grave ameaça para a sociedade russa, pois “a ‘ocidentalização’ da cultura aumenta o perigo de que a Federação perca sua soberania cultural”.

Consta, ainda, que os “tradicionais valores espiritual-morais e cultural-históricos” da Rússia estariam “sob ataque ativo dos Estados Unidos e seus aliados”, inclusive de instituições transnacionais. Nesse sentido, o Ocidente procuraria se aproveitar dos problemas sociais e econômicos para desestabilizar a sociedade e radicalizar protestos nacionais.

Nos últimos anos, potências ocidentais vêm acirrado suas críticas ao Kremlin em diversas questões, incluindo a anexação da península da Crimeia, pertencente à Ucrânia, em 2014; interferência ilícita nas políticas nacionais; supostos ciberataques; e o encarceramento de líderes oposicionistas como Alexei Navalny.

A nova tomada de posição do Kremlin chega em meio a tensões crescentes entre a Rússia e o Ocidente, agravadas nas últimas semanas pela realização de treinamentos dos Estados Unidos e seus aliados no Mar Negro.

Ainda a Crimeia

Embora reafirmando o comprometimento da potência eurasiática com a diplomacia como meio de resolução de conflitos, o documento aprovado por Putin enfatiza que Moscou “considera legítimo adotar medidas simétricas e assimétricas” a fim de prevenir “ações não amigáveis” de Estados estrangeiros.

Poucos dias antes da divulgação da estratégia, o chefe do Kremlin classificara como “provocação” o incidente de 23 de junho, no Mar Negro, quando a Rússia alega ter efetuado disparos de advertência contra o HMS Defender, da Marinha britânica que navegava em seu território.

O Reino Unido, que não reconhece a anexação da península da Crimeia pela Rússia, afirma que não houve disparos contra seu navio, e que ele se encontraria de águas ucranianas.

“Foi nitidamente uma provocação complexa, envolvendo não só os britânicos, mas também os americanos”, declarou Putin na quarta-feira, acrescentando que uma aeronave de vigilância dos EUA estaria operando em coordenação com a embarcação britânica, a fim de monitorar a reação russa.

Ciberia // DW

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

George W. Bush: o suposto plano para matar ex-presidente dos EUA desbaratado pelo FBI

Um simpatizante do Estado Islâmico planejava assassinar o ex-presidente dos EUA George W. Bush, mas o plano foi descoberto pelo FBI (polícia federal americana), segundo autoridades dos Estados Unidos. O suspeito, um residente de Ohio, supostamente …

O que se sabe sobre misterioso surto de varíola dos macacos

Casos recentes da doença na América do Norte e Europa acenderam o alerta entre especialistas. Endêmico na África, vírus é transmitido por animais contaminados e por contato próximo prolongado entre pessoas. Autoridades de saúde na América …

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …