“Raios” azuis misteriosos podem ser mais comuns do que os cientistas pensavam

Entre os vários fenômenos climáticos que existem, os raios continuam enigmáticos para nós: embora tempestades não sejam tão raras, ainda não entendemos completamente as descargas elétricas geradas no céu — muito menos aquelas apelidadas de “emissões azuis”, que não duram mais que poucos milissegundos e ocorrem em direção à estratosfera.

Assim, em um novo estudo, pesquisadores liderados pelo físico Torsten Neubert, da Universidade Técnica da Dinamarca, apresentaram dados obtidos destes fenômenos com observações feitas na Estação Espacial Internacional (ISS).

Estes raios intrigantes foram registrados pela primeira vez na década de 1990, que foi quando pesquisadores notaram os rastros deles em um vídeo de um ônibus espacial feito um ano antes. Além disso, observá-los é difícil justamente por causa da camada de nuvens que bloqueia a nossa visão — um problema que não ocorre na ISS, que orbita nosso planeta a 400 km de altitude e, assim, os instrumentos lá podem aproveitar a visão privilegiada para acompanhar essas emissões.

Hoje, é considerado que as emissões azuis podem ocorrer quando a parte superior de uma nuvem carregada com cargas positivas encontra uma camada de energia negativa bem no limite entre a nuvem e a camada de ar acima dela. A descarga elétrica causada pelo encontro é chamada de “líder”, e forma um canal condutor de ar ionizado pelo qual o raio se desloca.

O problema é que ainda não entendemos bem como ocorrem os líderes dessas emissões azuis, e é aí que o estudo de Neubert e seus colegas entra: em 2019, o observatório Atmosphere-Space Interactions Monitor (ASIM), na ISS, registrou cinco emissões azuis no topo de uma nuvem de tempestade.

Uma delas produziu uma emissão azul que chegou a cerca de 50 km de altitude e, assim, alcançou a estratopausa, que é o limite existente entra a estratosfera e a ionosfera.

Ainda, o observatório registrou também a ocorrência de ELVES, fenômenos atmosféricos que aumentam anéis de emissões ópticas e ultravioleta na ionosfera acima de nuvens de tempestade, e que possivelmente são gerados por pulsos eletromagnéticos na ionosfera causados por descargas de raios.

Por outro lado, a emissão do líder de espectro vermelho foi fraca e limitada, talvez por ser curto demais em comparação àqueles que ocorrem a partir dos raios entre o solo e as nuvens.

Então, os cientistas acreditam que isso pode significar que o brilho e o jato de luz azul são tipos de fluxos de descarga elétrica: “propomos que os pulsos ultravioleta são ELVES gerados por correntes de luz ao invés das correntes dos raios”, colocam.

Assim, os flashes azulados no topo das nuvens são provavelmente a versão óptica de eventos nos quais as descargas de alta energia acontecem nas nuvens durante tempestades e, se considerarmos como os eventos bipolares são comuns, as emissões azuis podem também ser mais comuns do que se pensava — e entender o que há por trás delas é uma forma de compreendermos melhor os raios e outras interações, bem como suas complexidades.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Em pior momento da pandemia, Bolsonaro critica 'mimimi' e diz que brasileiro tem que enfrentar vírus

Um dia após o registro de novo recorde diário de mortes pela covid-19 no país, o presidente Jair Bolsonaro deu uma série de declarações dando a entender que o choro pelas vítimas é "frescura" e …

89% dos norte-americanos veem a China como inimiga ou concorrente

A maioria dos norte-americanos não vê a China como parceira e expressa preocupações crescentes sobre o histórico de direitos humanos e as práticas econômicas de Pequim, revelou uma nova pesquisa do Pew Research Center nesta …

Governadores pedem a Bolsonaro maior esforço por vacinas

Em meio ao pior momento da epidemia de covid-19 no Brasil, os governadores de 14 estados brasileiros enviaram nesta quinta-feira (04/03) uma carta ao presidente Jair Bolsonaro pedindo um maior esforço para a compra de …

Nova Zelândia lança alerta de tsunami e ordena retirada de habitantes da costa nordeste

Um alerta de tsunami foi emitido após um forte terremoto de magnitude 7,8 nas remotas ilhas Kermadec, na Nova Zelândia, no oceano Pacífico. As autoridades determinaram a retirada de todos os habitantes do litoral …

União Europeia começa exame contínuo da vacina russa Sputnik V

A Agência Europeia de Medicamentos (EMA, na sigla em inglês) deu início ao exame contínuo do dossiê de registo da vacina Sputnik V para verificar sua conformidade com as normas europeias de eficácia, segurança e …

Afrouxar uso de máscaras é "pensamento neandertal", diz Biden

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, criticou nesta quarta-feira (03/03) a decisão dos estados do Texas e do Mississippi de suspender a obrigatoriedade do uso máscaras para conter a propagação do coronavírus. O democrata …

Argentina só vai habilitar motoristas que fizerem curso sobre igualdade de gênero

A partir de março e 2021 quem quiser tirar carteira de habilitação na Argentina terá de estudar mais do que somente as leis de trânsito, o funcionamento do automóvel e a própria condução de um …

ONGs denunciam grupo Casino na Justiça francesa por desmatamento na Amazônia

Organizações de defesa do meio ambiente e dos povos indígenas denunciaram nessa quarta-feira (3) o grupo Casino na Justiça francesa. A empresa é acusada de responsabilidade no desmatamento da Amazônia através da venda de …

Físico cria algoritmo de IA que pode provar que a realidade é uma simulação

Um cientista criou um algoritmo de computador que pode levar a descobertas transformadoras em energia e cuja própria existência levanta a probabilidade de que nossa realidade possa realmente ser uma simulação. O algoritmo foi criado pelo …

The Crown "é baseada na verdade", diz Harry que dá ideia de convívio com família real

Principe Harry defendeu a série “The Crown” da Netflix, dizendo que – embora não fosse “estritamente preciso” – retratava as pressões da vida dentro da família real. Em uma entrevista com James Corden, do programa americano …