TikTok seria a nova janela do narcotráfico mexicano?

Com vídeos de alguns segundos, narcotraficantes utilizam a plataforma para mostrar seu mundo. A Sputnik entrevistou analistas, explicando o fenômeno do Cartel TikTok.

Uma caminhonete com lâminas nos lados operadas por controle remoto: um carro adaptado para transportar droga. Jovens com maços de notas, bebidas e armas de alto poder, com a música que narra as façanhas dos narcotraficantes mexicanos tocando ao fundo.

Estes são os tipos de vídeos que aparecem na rede social chinesa com a hashtag #CartelTikTok. Trata-se de um novo gênero audiovisual que mostra as atividades de grupos do narcotráfico: reuniões luxuosas, plantações de papoula, carros blindados, muitas armas e dinheiro. Assim, um vídeo que mostra um aldeão plantando sementes no campo de papoula, conseguiu mais de 500 mil curtidas antes de ser deletado.

Para Alejandra León Olvera, dra. em Estudos Culturais no Colégio da Fronteira Norte (Colef), no México, estes vídeos correspondem ao narcomarketing, que consiste em “todas estas estratégias e toda esta estrutura que têm os cartéis mexicanos para fazer publicidade”, comentou a especialista à Sputnik.

Trata-se de “vídeos hedonistas que vão te convidar para consumir”, sendo “uma alusão a querer viver desta maneira, embora seja bem claro que no TikTok se podem usar áudios ou imagens que poderiam definir o verdadeiro narcotráfico e o verdadeiro narcomundo, [e] talvez seja isto que o torna mais atraente”, sublinhou.

Mas, atrás desta vida idealizada por seus luxos, está escondido sangue derramado por todo o México. Assim, segundo o Conselho Cidadão para a Segurança Pública e a Justiça Penal (CCSPJP), “o México é um epicentro da violência mundial”, uma vez que 19 dos 50 cidadãos mais violentos do mundo se encontram neste país.

#CartelTikTok: estratégia de recrutamento?

O narcotráfico se tornou um dos temas mais usados e consumidos na indústria do entretenimento. Ao mesmo tempo, surge uma dúvida de se este tipo da publicidade – intencional ou não – poderia também se converter em uma estratégia de recrutamento para que mais jovens se unam às filas dos cartéis de droga.

Analisando este aspecto, León Olvera comenta que os vídeos difundidos no TikTok e em outras redes sociais não têm este objetivo, “mas, sim, geram uma ideia de como se vive no narco, então este pode ser plausível para pessoas que queiram ingressar”.

Apesar de os cartéis de droga não usarem vídeos do TikTok como um meio de recrutamento, a especialista do Colef menciona que estes poderiam ser considerados uma forma de “estetização da violência”. No entanto, na indústria do entretenimento, não há uma intenção clara de frear conteúdos que envolvam ou promovam as atividades do narcotráfico.

Laura Coronado, acadêmica da Universidade Anáhuac (México) e especialista em regulação global do espaço cibernético, acredita que o que acontece no caso do TikTok é que “se tornou uma plataforma social gigantesca graças à soma dos usuários da China com os do resto do mundo, o posicionando como uma grande janela, porque outras redes sociais não têm acesso ao mercado asiático. Sem dúvidas, foi um dos grandes beneficiários pela pandemia e não quer perder seguidores. Por isso a rede demonstrou pouco interesse em detectar conteúdos prejudiciais como narcopropaganda ou desinformação sobra a COVID-19”.

Por isso mesmo, a acadêmica alerta que “o TikTok está se tornando uma ferramenta perfeita para difundir mensagens sem censura”.

Cultura dos narcos: existe uma regulamentação?

Para León Olvera, o fenômeno dos vídeos no TikTok ou qualquer outro recurso de entretenimento proveniente da indústria do narcotráfico persegue um duplo objetivo. “Posicionar-se […] e de alguma maneira acobertar a outra parte [a violência gerada pelo narcotráfico].”

Apesar de poder medir estatisticamente o impacto da violência gerada pelo narcotráfico, a promoção mundial do crime organizado não é regulamentada tanto a nível de política pública como no espaço virtual.

A especialista aponta que isso acontece porque a velocidade com a qual se usam as redes sociais é tão vertiginosa, tornando “humanamente impossível” detectar cada um dos posts que podem ser violentes ou incitar ao ódio.

No entanto, Coronado destaca que “nem tudo o que acontece nas redes é mau. Existem muitos casos, onde autoridades mexicanas e as de outros países conseguiram detectar, investigar e perseguir membros de cartéis graças à informação que publicam nas plataformas sociais. Também há muitos grupos nos quais os próprios cidadãos denunciam ilícitos ou avisam outros cidadãos sobre lugares tomados pelos narcos”.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Bolsonaro abre novo confronto com governadores

No auge da pandemia no Brasil, presidente reforça críticas a medidas de isolamento social adotadas por estados e municípios e resiste a que governos locais possam comprar vacinas diretamente. O choque entre o presidente Jair Bolsonaro …

O Yellow Submarine da vida real está disponível para aluguel no Airbnb

O Submarino Amarelo nasceu em uma simpática canção de Paul McCartney de 1966, virou um longa de animação estrelado pelos Beatles em 1968, e agora, passadas mais de cinco décadas, se transformou em uma apartamento …

"O Iraque estará sempre comigo", diz papa ao fim de visita histórica ao Oriente Médio

O Papa Francisco concluiu sua histórica visita ao Iraque neste domingo (7) com uma missa diante de milhares de fiéis no norte do país devastado pelos jihadistas, conclamando os cristãos que ainda estão no …

Por que iceberg do tamanho do Rio de Janeiro que se desprendeu da Antártida anima cientistas?

Um iceberg gigante de cerca de 1.270 km² (a cidade do Rio de Janeiro tem 1.255 km²) quebrou e se desprendeu da Antártida, gerando euforia na comunidade científica. Na sexta-feira (26/2), instrumentos na superfície da plataforma …

Coronavírus: Por que vacinação sem lockdown pode tornar Brasil 'fábrica' de variantes superpotentes

O cenário atual no Brasil, que combina início da vacinação com transmissão descontrolada da covid-19, pode tornar o país uma "fábrica" de variantes potencialmente capazes de escapar por completo da eficácia das vacinas. Esta é …

Esquema de venda de vacinas falsas da COVID-19 é descoberto pela Interpol

Na última quarta-feira (3), autoridades da África do Sul apreenderam centenas de vacinas falsas da COVID-19, esquema que já havia sido alertado pela Interpol devido às disputas pelo imunizante no mundo inteiro. No país africano, foram …

Egito descobre cemitério de 2 mil anos com 600 cães e gatos

Pesquisadores poloneses encontraram cerca de 600 restos mortais de animais em um cemitério de dois mil anos, no Egito. De acordo com os cientistas, os corpos encontrados na necrópole são de gatos (cerca de 90% deles), …

Nova superterra encontrada pode dar pistas sobre vida fora do Sistema Solar

Um novo exoplaneta detectado orbitando uma estrela relativamente perto do nosso Sistema Solar, pode potencialmente ajudar a resolver enigmas sobre vida alienígena. Um exoplaneta com uma massa 2,8 maior do que a da Terra designado Gliese …

China anuncia meta de crescimento econômico mais modesta na abertura do Congresso Nacional do Povo

A reunião anual do Congresso Nacional do Povo da China foi aberta nesta sexta-feira (5), em Pequim, com o tradicional discurso do primeiro-ministro do país, Li Keqiang. O líder anunciou um objetivo de crescimento …

Análogo de Buraco negro de laboratório se comporta como Stephen Hawking previu

Pesquisadores do Instituto de Tecnologia Technion-Israel tentaram confirmar duas das previsões mais importantes de Hawking, que a radiação hawking surge do nada e que não muda de intensidade ao longo do tempo, o que significa …