TikTok seria a nova janela do narcotráfico mexicano?

Com vídeos de alguns segundos, narcotraficantes utilizam a plataforma para mostrar seu mundo. A Sputnik entrevistou analistas, explicando o fenômeno do Cartel TikTok.

Uma caminhonete com lâminas nos lados operadas por controle remoto: um carro adaptado para transportar droga. Jovens com maços de notas, bebidas e armas de alto poder, com a música que narra as façanhas dos narcotraficantes mexicanos tocando ao fundo.

Estes são os tipos de vídeos que aparecem na rede social chinesa com a hashtag #CartelTikTok. Trata-se de um novo gênero audiovisual que mostra as atividades de grupos do narcotráfico: reuniões luxuosas, plantações de papoula, carros blindados, muitas armas e dinheiro. Assim, um vídeo que mostra um aldeão plantando sementes no campo de papoula, conseguiu mais de 500 mil curtidas antes de ser deletado.

Para Alejandra León Olvera, dra. em Estudos Culturais no Colégio da Fronteira Norte (Colef), no México, estes vídeos correspondem ao narcomarketing, que consiste em “todas estas estratégias e toda esta estrutura que têm os cartéis mexicanos para fazer publicidade”, comentou a especialista à Sputnik.

Trata-se de “vídeos hedonistas que vão te convidar para consumir”, sendo “uma alusão a querer viver desta maneira, embora seja bem claro que no TikTok se podem usar áudios ou imagens que poderiam definir o verdadeiro narcotráfico e o verdadeiro narcomundo, [e] talvez seja isto que o torna mais atraente”, sublinhou.

Mas, atrás desta vida idealizada por seus luxos, está escondido sangue derramado por todo o México. Assim, segundo o Conselho Cidadão para a Segurança Pública e a Justiça Penal (CCSPJP), “o México é um epicentro da violência mundial”, uma vez que 19 dos 50 cidadãos mais violentos do mundo se encontram neste país.

#CartelTikTok: estratégia de recrutamento?

O narcotráfico se tornou um dos temas mais usados e consumidos na indústria do entretenimento. Ao mesmo tempo, surge uma dúvida de se este tipo da publicidade – intencional ou não – poderia também se converter em uma estratégia de recrutamento para que mais jovens se unam às filas dos cartéis de droga.

Analisando este aspecto, León Olvera comenta que os vídeos difundidos no TikTok e em outras redes sociais não têm este objetivo, “mas, sim, geram uma ideia de como se vive no narco, então este pode ser plausível para pessoas que queiram ingressar”.

Apesar de os cartéis de droga não usarem vídeos do TikTok como um meio de recrutamento, a especialista do Colef menciona que estes poderiam ser considerados uma forma de “estetização da violência”. No entanto, na indústria do entretenimento, não há uma intenção clara de frear conteúdos que envolvam ou promovam as atividades do narcotráfico.

Laura Coronado, acadêmica da Universidade Anáhuac (México) e especialista em regulação global do espaço cibernético, acredita que o que acontece no caso do TikTok é que “se tornou uma plataforma social gigantesca graças à soma dos usuários da China com os do resto do mundo, o posicionando como uma grande janela, porque outras redes sociais não têm acesso ao mercado asiático. Sem dúvidas, foi um dos grandes beneficiários pela pandemia e não quer perder seguidores. Por isso a rede demonstrou pouco interesse em detectar conteúdos prejudiciais como narcopropaganda ou desinformação sobra a COVID-19”.

Por isso mesmo, a acadêmica alerta que “o TikTok está se tornando uma ferramenta perfeita para difundir mensagens sem censura”.

Cultura dos narcos: existe uma regulamentação?

Para León Olvera, o fenômeno dos vídeos no TikTok ou qualquer outro recurso de entretenimento proveniente da indústria do narcotráfico persegue um duplo objetivo. “Posicionar-se […] e de alguma maneira acobertar a outra parte [a violência gerada pelo narcotráfico].”

Apesar de poder medir estatisticamente o impacto da violência gerada pelo narcotráfico, a promoção mundial do crime organizado não é regulamentada tanto a nível de política pública como no espaço virtual.

A especialista aponta que isso acontece porque a velocidade com a qual se usam as redes sociais é tão vertiginosa, tornando “humanamente impossível” detectar cada um dos posts que podem ser violentes ou incitar ao ódio.

No entanto, Coronado destaca que “nem tudo o que acontece nas redes é mau. Existem muitos casos, onde autoridades mexicanas e as de outros países conseguiram detectar, investigar e perseguir membros de cartéis graças à informação que publicam nas plataformas sociais. Também há muitos grupos nos quais os próprios cidadãos denunciam ilícitos ou avisam outros cidadãos sobre lugares tomados pelos narcos”.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

George W. Bush: o suposto plano para matar ex-presidente dos EUA desbaratado pelo FBI

Um simpatizante do Estado Islâmico planejava assassinar o ex-presidente dos EUA George W. Bush, mas o plano foi descoberto pelo FBI (polícia federal americana), segundo autoridades dos Estados Unidos. O suspeito, um residente de Ohio, supostamente …

O que se sabe sobre misterioso surto de varíola dos macacos

Casos recentes da doença na América do Norte e Europa acenderam o alerta entre especialistas. Endêmico na África, vírus é transmitido por animais contaminados e por contato próximo prolongado entre pessoas. Autoridades de saúde na América …

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …