Trump volta atrás e suspende importação de “troféus de caça”

Presidente dos EUA fez anúncio menos de 48 horas depois de seu próprio governo ter concedido autorização para a importação de marfim e cabeças de elefantes por caçadores americanos

Donald Trump mudou de ideia. Diante de uma enxurrada de críticas, o presidente dos EUA resolveu suspender na sexta-feira à noite (17) a autorização para que “troféus de caça” de elefantes abatidos na África pudessem ser importados por caçadores americanos.

O anúncio foi feito pelo próprio presidente em sua conta no Twitter, e ocorreu menos de 48 horas depois de seu próprio governo ter concedido a autorização, que revertia uma política do ex-presidente Barack Obama adotada em 2014 para conter o tráfico de marfim.

Na manhã de sexta-feira, o Serviço de Vida Selvagem dos Estados Unidos tinha anunciado, em comunicado, que iria voltar a permitir que os elefantes africanos do Zimbábue e Zâmbia sejam trazidos como troféus, e que, com isso, iria conseguir recolher fundos para programas de conservação de espécies.

“A caça esportiva legal e bem regulamentada, como parte de um programa de gestão, pode beneficiar determinadas espécies, proporcionando incentivos às comunidades locais para conservar essas espécies e colocando receitas tão necessárias de volta à conservação”, lê-se no comunicado.

A informação relativa à decisão dos EUA foi divulgada na página de um conhecido fórum sul-africano de caça, o Club International Foundation, que, juntamente com a National Rifle Association, batalhou para conseguir que a lei de Obama fosse anulada.

Trump agora afirma que pretende suspender a autorização para a importação até analisar o assunto. “Coloquei a caça em espera enquanto reviso todos os aspectos de conservação”, disse o presidente.

O fim da proibição da importação permitiria que cabeças de elefantes, presas de marfim e outras partes dos animais chegassem legalmente aos EUA. O anúncio original que concedia a autorização foi divulgado na quinta-feira (16/11) e partiu da US Fish and Wildlife Service (USFWS), uma das agências do governo americano.

Um comunicado da agência disse que “a caça esportiva legalizada e regulada como parte de uma administração consistente pode beneficiar a conservação de certas espécies ao prover incentivos às comunidades locais”.

Mas a medida imediatamente provocou repúdio entre ambientalistas e ONGs, já que a população de elefantes vem caindo na África nos últimos anos e os animais constam em listas de espécies ameaçadas de extinção. Entre 2007 e 2014, o número de elefantes no continente registrou queda de 30%.

Membros da base republicana de Trump também criticaram a medida. O deputado Ed Royce, um membro do Comitê de Assuntos Exteriores da Câmara dos Representantes, disse que a autorização era “uma decisão errada num momento errado”.

“Os elefantes e outros grandes animais da África são uma ‘moeda de sangue’ para as organizações terroristas e estão sendo mortos num ritmo alarmante”, afirmou Royce, em nota.

Ciberia // Deutsche Welle

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

'Síndrome de Havana': lesão cerebral atinge ao menos 130 diplomatas e oficiais americanos, dizem EUA

Diplomatas, agentes da CIA e oficiais de defesa dos EUA relataram sintomas graves da perturbação conhecida como "síndrome de Havana" nas últimas semanas. O elevado número de casos causa espanto. Nas últimas semanas, foram relatados mais …

RJ comunica 1º caso de raiva em cachorro em quase três décadas

Pela primeira vez desde 1995, o Laboratório Municipal de Saúde Pública (Lasp) do Rio de Janeiro diagnosticou um caso de raiva animal. A descoberta parte do resultado de perícia no corpo de um cão morto …

O que dizem cientistas sobre isenção de máscaras para vacinados nos EUA

Os Estados Unidos anunciaram nesta quinta-feira (13/05) o fim da obrigatoriedade do uso de máscaras de proteção na maioria das situações para pessoas que já foram completamente vacinadas contra a covid-19. Segundo a nova orientação do …

Putin: Rússia reagirá de maneira devida às ameaças perto de suas fronteiras

Durante reunião com membros do Conselho de Segurança da Rússia nesta sexta-feira (14), o presidente da Rússia pediu que lhe fosse reportado sobre o agravamento do conflito israelo-palestino, que toca diretamente os interesses de segurança …

Covid: 16 mil pessoas foram imunizadas com doses de vacina trocadas no Brasil

Um levantamento de dados da Folha de São Paulo com informações do DataSUS, base de dados do Ministério da Saúde, mostrou que pelo menos 16 mil pessoas receberam doses de vacinas diferentes em seu processo …

Covid-19: diretor do Butantan prevê vacinação lenta até setembro no Brasil

Como diretor do Instituto Butantan desde 2017, Dimas Covas sempre precisou aliar o conhecimento técnico e científico com as particularidades do mundo político que, na visão dele, não parecem seguir uma lógica. E essa necessidade se …

Escalada de violência entre israelitas e palestinianos já fez mais de 100 mortos

O conflito entre israelitas e palestinianos subiu de tom na madrugada de hoje, com o Exército israelita a bombardear a faixa de Gaza. Desde segunda-feira já morreram 119 palestinianos nestes ataques, entre eles 31 …

Maduro diz estar disposto a negociar com oposição

Declaração é feita após líder oposicionista Juan Guaidó propor diálogo mediado por comunidade internacional. Noruega já estaria em contato com regime e oposição. O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, afirmou nesta quarta-feira (12/05) que está disposto …

CPI da Covid ouve Pfizer para entender como Brasil foi para o 'fim da fila' das vacinas

O depoimento do comando da farmacêutica Pfizer na sessão desta quinta-feira (13/5) da CPI da Covid tem o objetivo de esclarecer as circunstâncias da recusa do governo Bolsonaro à compra de vacinas da empresa, ainda …

Google é multado pela Itália em mais de € 100 milhões

A Autoridade Garantidora da Concorrência e do Mercado da Itália multou a Google por abuso de posição dominante no mercado, acusando-a de restrições do aplicativo Enel X no sistema Android Auto. A Autoridade Garantidora da Concorrência …