Última africana escravizada nos EUA a morrer é identificada

O último sobrevivente conhecido dos navios negreiros transatlânticos, levado para os Estados Unidos em 1860, foi identificado por uma pesquisadora da Universidade de Newcastle, no Reino Unido.

Sally Smith, como foi chamada, foi sequestrada na África Ocidental por comerciantes de escravos e viveu até 1937 no Alabama, na fazenda onde havia sido escravizada. A pesquisadora Hannah Durkin fez a descoberta enquanto estudava em primeira mão registros contábeis, de recenseamento e outros arquivos.

Anteriormente, o último sobrevivente conhecido era um africano escravizado que morreu em 1935. Durkin diz parecer “impressionante” que a história esteja tão perto da memória viva.

A mulher, que foi identificada como Sally Smith nos Estados Unidos, mas que originalmente se chamava Redoshi, foi sequestrada por comerciantes de escravos em 1860 de uma aldeia no país hoje conhecido como Benin (antigo Daomé).

Durkin acredita que a menina tinha 12 anos quando foi embarcada em um dos últimos navios negreiros a irem aos EUA, junto com mais de 100 outras pessoas, entre homens, mulheres e crianças. Ela foi comprada por um banqueiro e dono de plantação no Alabama e recebeu o sobrenome de Smith.

Embora a escravidão tenha sido abolida cinco anos depois de sua chegada aos EUA, Redoshi continuou trabalhando na mesma propriedade com o marido, também sequestrado na África Ocidental, e a filha.

Os pesquisadores dizem que ela permaneceu na mesma plantação por mais de 70 anos após o fim da escravidão — e foi a última pessoa conhecida da geração que fez a travessia forçada da África.

Vozes perdidas

Durkin diz que alguns detalhes da história de Redoshi foram registrados no século 20, quando historiadores e ativistas dos direitos civis começaram a documentar as experiências de pessoas levadas da África escravizadas.

Juntando as peças da história e comparando ela com o censo e registros públicos, a pesquisadora descobriu que Redoshi viveu em Selma, Alabama, até a morte, com aproximadamente 89 ou 90 anos.

Há registros de escravos que viveram posteriormente, como os que nasceram na escravidão quando crianças, mas nenhum dos sequestrados da África é conhecido, até agora, por ter sobrevivido em um período depois de Redoshi.

As histórias de Redoshi registraram que ele teve uma vida pacata antes de ser capturada por membros de outra tribo local e levada para comerciantes de escravos.

Ela enfrentou um regime escravista baseado em “espancamentos”, “chicotadas” e “assassinatos”, mas, segundo a pesquisa de Durkin, há indícios de sua resistência, mostrando que ela transmitiu sua primeira língua à filha e manteve a cultura e identidade africanas.

“É apenas uma voz, mas isso nos dá um retrato de voz para aqueles que de outro modo estavam perdidos”, diz Durkin.

// BBC

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Os estados quânticos mais extremos são descobertos por cientistas

Pela primeira vez, físicos descobriram uma maneira de definir matematicamente o grau de quanticidade que qualquer coisa — seja partícula, átomo, molécula ou mesmo um planeta — exibe A partícula de luz é uma bola zunindo …

Itália supera a marca de 50 mil mortos por COVID-19

Primeiro país ocidental a registrar casos da doença torna-se o sexto do mundo a alcançar esta marca. País é o que mais teve mortes no continente nos últimos dias. O governo italiano informou nesta segunda-feira (23) …

Covid-19: EUA pretendem lançar campanha de vacinação em dezembro

O país, o mais atingido pela epidemia no mundo, espera vacinar sua população 24 horas após a concessão da autorização de emergência pelo FDA, a agência americana reguladora de medicamentos. A reunião pública de …

França quer punir delito de "ecocídio"

Membros do governo francês anunciaram neste domingo (22/11) que pretendem promover uma projeto de lei para punir o "delito de ecocídio" com o objetivo de combater danos graves e intencionais ao meio ambiente, com previsão …

Barco em formato de ziper “abre” os mares enquanto navega

Se na fábula bíblica Moisés abriu o Mar Vermelho, o designer japonês Yasuhiro Suziki decidiu tornar a metáfora quase literal, ao criar um barco no formato de um imenso zíper. O resultado é ao mesmo tempo …

Soldado medieval encontrado com espada e facas no fundo de um lago da Lituânia

Mais de 500 anos atrás, o corpo de um soldado medieval assentou no fundo de um lago da Lituânia e por séculos ficou escondido sob a lama. Agora, esses restos submersos finalmente foram encontrados. O esqueleto …

Como cientistas querem fazer 'viagem no tempo' por meio do olfato

Pinturas como a Mona Lisa atraem milhões de visitantes todos os anos a museus em todo o mundo. Imagine se, junto ao impacto visual da obra-prima de Leonardo da Vinci, eles também pudessem sentir o …

Companhias aéreas que voam para o Brasil em meio à pandemia

Maioria das empresas aéreas cortou rotas internacionais para o Brasil devido ao coronavírus e fechamento de fronteiras. Porém, algumas ainda têm voos programados. Veja a lista. Várias companhias aéreas cortaram voos internacionais para o Brasil devido …

Mais de 500 pescadores contraem doença de pele misteriosa no Senegal

Mais de 500 pescadores foram infectados por um doença de pele misteriosa no Senegal após retornarem do mar, informou um oficial sênior de Saúde do governo nesta quinta-feira (19). Os homens, que vêm de diversas cidade …

Animais domésticos ou silvestres não transmitem Covid-19 na França, diz agência sanitária

Após a análise de novos dados científicos, a agência nacional de segurança sanitária da França (ANSES) atualizou nesta quinta-feira (19) o relatório publicado em abril de 2020 sobre o potencial de transmissão da Covid-19 por …