50 jornalistas mortos em 2020, sobretudo em países não em guerra

Segundo a ong Repórteres sem Fronteiras – RSF – 50 jornalistas foram mortos em 2020 no exercício da sua profissão, sobretudo em países considerados em paz e durante manifestações, um número estável em comparação com os 53 casos registados em 2019, mas preocupante, pois 34 jornalistas foram mortos em países oficialmente não em guerra, casos do México (8), Índia (4), Paquistão (4), Filipinas (3) e Honduras (3).

O documento da ong Repórteres sem Fronteiras – RSF – divulgado nesta terça-feira, 29 de dezembro, é a segunda parte do relatório anual desta organização, depois da publicação, a 14 de dezembro, do levantamento de 367 jornalistas detidos desde janeiro, com destaque para o aumento de 35% do número de mulheres jornalistas detidas arbitrariamente, bem como o aumento das violações de liberdade de imprensa, devido às leis de excepção ou medidas de emergência adoptadas devido à pandemia da Covid-19.

Em 2016, 58% dos jornalistas assassinados foram mortos em zonas de conflito, mas em 2020, cerca de dois terços das mortes de profissionais (68%) ocorreram em países “ditos em paz” e a proporção de jornalistas mortos em países em guerra como na Síria e no Iémen, ou assolados por conflitos de baixa ou média intensidade casos do Afeganistão e do Iraque é de 32%, segundo a RSF.

Entre 1 de janeiro e 15 de dezembro de 2020, apesar da redução de reportagens devido às restrições impostas pela pandemia da Covid-19, de todos os jornalistas mortos, 84% foram deliberadamente alvejados e assassinados, contra 63% em 2019.

Parte desses crimes ocorreu em condições particularmente bárbaras e sórdidas, com destaque para o México e a Índia, onde jornalistas foram decapitados, esquartejados ou mortos à facada, sendo que os jornalistas de investigação são particularmente visados, 10 dentre eles foram “deliberadamente eliminados” pelas suas investigações em casos de corrupção e desvio de fundos públicos, 4 por inquéritos sobre máfia e crime organizado e 3 outros por investigação sobre temas ligados a questões de meio-ambiente, pode ler-se no relatório.

Mas a RSF releva um fenómeno novo ocorrido em 2020: sete repórteres foram mortos enquanto cobriam protestos, 4 no Iraque, 2 na Nigéria e 1 na Colômbia.

Países com mais jornalistas mortos em 2020

No México, o jornalista Julio Valdivia Rodríguez, que trabalhava para o diário El Mundo, foi encontrado decapitado no estado de Veracruz e o seu colega Víctor Fernando Álvarez Chávez, redactor-chefe do site de notícias local Punto x Punto Noticias, foi esquartejado em Acapulco.

Na Índia, o repórter Rakesh Singh “Nirbhik”, do diário Rashtriya Swaroop, foi queimado vivo, depois de ser borrifado com uma solução alcoólica altamente inflamável, enquanto Isravel Moses, correspondente de uma estação de televisão do estado de Tamil Nadu (sul), foi esfaqueado e não resistiu aos ferimentos.

No Iraque, que enfrenta há pouco mais de um ano um movimento popular a favor de reformas e contra a corrupção no governo, três jornalistas foram baleados na cabeça por homens armados não identificados, quando faziam a cobertura dos protestos e um quarto profissional morreu no Curdistão enquanto tentava escapar dos confrontos que opunham polícias e manifestantes. Casos semelhantes ocorreram na Nigéria e na Colômbia.

No Irão, segundo a RSF, o “carrasco” dos jornalistas é o próprio Estado.

A 12 de dezembro passado, a execução por enforcamento do jornalista Rouhollah Zam, condenado à morte após um julgamento apontado como injusto, chocou o mundo, pois “apesar de o Irão ainda adoptar a pena de morte, há 30 anos que nenhum jornalista era vítima de um tal castigo arcaico e bárbaro”, cita o documento.

“A violência mundial continua a atingir os jornalistas”, lamenta o secretário-geral da RSF, Christophe Deloire e grande parte do público considera que os jornalistas são vítimas dos riscos da profissão, embora sejam cada vez mais agredidos quando investigam ou fazem reportagens sobre assuntos delicados. “O que está fragilizado é o direito à informação, que é um direito de todos os seres humanos”, declara Deloire.

A Federação Internacional de Jornalismo contabilizou 2.658 jornalistas mortos desde 1990.

Em Moçambique, Ibraimo Abú Mbaruco, jornalista e locutor da rádio comunitária de Palma, em Cabo Delgado, no norte do país, desaparecido desde 7 de abril de 2020 é um dos 4 jornalistas cujo desaparecimento é apontado pela RSF em 2020.

// RFI

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

As vovós que lutam pela democracia na Polônia

Idosas polonesas organizam protestos regulares contra erosão da democracia no país, governado por partido ultraconservador. "Não sou capaz de ficar tranquila em casa, cada violação dos direitos me dói", diz aposentada. Clima de fim de expediente …

Coruja super rara dá o ar da graça depois de 125 anos

A coruja rajá de Bornéu (Otus brookii brookii) é uma espécie tão pequena que apenas seu tamanho já tornaria sua identificação mais complexa. Nativa do Sudeste da Ásia e com peso médio de apenas 100 gramas, …

Nintendo bate todos os recordes de lucros com videogames durante a pandemia

A Nintendo apresentou resultados recordes para o ano fiscal de 2020/21 encerrado em 31 de março, impulsionada pela mania global dos videogames em tempos de pandemia, mas o grupo japonês não espera repetir essa …

Doença cerebral misteriosa intriga médicos no Canadá

Médicos no Canadá têm deparado com pacientes que apresentam sintomas semelhantes aos da doença de Creutzfeldt-Jakob, um mal raro e fatal que ataca o cérebro. Mas quando resolveram investigar o mal em mais detalhe, o …

Governador do Rio diz que operação que terminou com 25 mortos foi ação de 'inteligência'

O governador do Rio de Janeiro, Cláudio Castro, afirmou que a operação da Polícia Civil realizada no Jacarezinho foi "ação pautada e orientada por longo e detalhado trabalho de inteligência e investigação".  A operação terminou com …

Butantan diz que ataques de Bolsonaro à China afetam vacinas

Presidente insinuou que chineses, principais fornecedores de matéria-prima para imunizantes ao Brasil, criaram vírus como parte de "guerra química". "Essas declarações têm impacto", diz diretor do Instituto Butantan. A direção do Instituto Butantan e o governador …

Fotos da última sessão de Kurt Cobain são vendidas como NFT

As imagens da última sessão de fotos da vida do compositor e cantor Kurt Cobain irão a leilão em formato de token não-fungível, os célebres NFTs. O anúncio foi feito por Jesse Frohman, fotógrafo por trás …

EUA, França e Rússia apoiam quebra de patentes contra a Covid-19, mas laboratórios resistem

A ideia de suspender as patentes da fabricação de vacinas contra a Covid-19 continuou a ganhar apoio em todo o mundo nesta quinta-feira, após o impulso inicial dado Estados Unidos. Porém, os laboratórios resistem, …

Descoberta a evidência mais antiga de atividade humana

Uma das atividades mais antigas de humanos foi identificada em uma caverna na África do Sul. Uma equipe de geólogos e arqueólogos encontrou evidências de que nossos ancestrais estavam fazendo fogo e ferramentas na Caverna …

Jeff Bezos: os planos do homem mais rico do mundo para voo espacial turístico

O fundador da Amazon, Jeff Bezos, afirma que está pronto para levar pessoas ao espaço. A empresa Blue Origin, do empresário americano detentor de uma fortuna estimada em R$ 1 trilhão, diz que lançará uma tripulação …