50 jornalistas mortos em 2020, sobretudo em países não em guerra

Segundo a ong Repórteres sem Fronteiras – RSF – 50 jornalistas foram mortos em 2020 no exercício da sua profissão, sobretudo em países considerados em paz e durante manifestações, um número estável em comparação com os 53 casos registados em 2019, mas preocupante, pois 34 jornalistas foram mortos em países oficialmente não em guerra, casos do México (8), Índia (4), Paquistão (4), Filipinas (3) e Honduras (3).

O documento da ong Repórteres sem Fronteiras – RSF – divulgado nesta terça-feira, 29 de dezembro, é a segunda parte do relatório anual desta organização, depois da publicação, a 14 de dezembro, do levantamento de 367 jornalistas detidos desde janeiro, com destaque para o aumento de 35% do número de mulheres jornalistas detidas arbitrariamente, bem como o aumento das violações de liberdade de imprensa, devido às leis de excepção ou medidas de emergência adoptadas devido à pandemia da Covid-19.

Em 2016, 58% dos jornalistas assassinados foram mortos em zonas de conflito, mas em 2020, cerca de dois terços das mortes de profissionais (68%) ocorreram em países “ditos em paz” e a proporção de jornalistas mortos em países em guerra como na Síria e no Iémen, ou assolados por conflitos de baixa ou média intensidade casos do Afeganistão e do Iraque é de 32%, segundo a RSF.

Entre 1 de janeiro e 15 de dezembro de 2020, apesar da redução de reportagens devido às restrições impostas pela pandemia da Covid-19, de todos os jornalistas mortos, 84% foram deliberadamente alvejados e assassinados, contra 63% em 2019.

Parte desses crimes ocorreu em condições particularmente bárbaras e sórdidas, com destaque para o México e a Índia, onde jornalistas foram decapitados, esquartejados ou mortos à facada, sendo que os jornalistas de investigação são particularmente visados, 10 dentre eles foram “deliberadamente eliminados” pelas suas investigações em casos de corrupção e desvio de fundos públicos, 4 por inquéritos sobre máfia e crime organizado e 3 outros por investigação sobre temas ligados a questões de meio-ambiente, pode ler-se no relatório.

Mas a RSF releva um fenómeno novo ocorrido em 2020: sete repórteres foram mortos enquanto cobriam protestos, 4 no Iraque, 2 na Nigéria e 1 na Colômbia.

Países com mais jornalistas mortos em 2020

No México, o jornalista Julio Valdivia Rodríguez, que trabalhava para o diário El Mundo, foi encontrado decapitado no estado de Veracruz e o seu colega Víctor Fernando Álvarez Chávez, redactor-chefe do site de notícias local Punto x Punto Noticias, foi esquartejado em Acapulco.

Na Índia, o repórter Rakesh Singh “Nirbhik”, do diário Rashtriya Swaroop, foi queimado vivo, depois de ser borrifado com uma solução alcoólica altamente inflamável, enquanto Isravel Moses, correspondente de uma estação de televisão do estado de Tamil Nadu (sul), foi esfaqueado e não resistiu aos ferimentos.

No Iraque, que enfrenta há pouco mais de um ano um movimento popular a favor de reformas e contra a corrupção no governo, três jornalistas foram baleados na cabeça por homens armados não identificados, quando faziam a cobertura dos protestos e um quarto profissional morreu no Curdistão enquanto tentava escapar dos confrontos que opunham polícias e manifestantes. Casos semelhantes ocorreram na Nigéria e na Colômbia.

No Irão, segundo a RSF, o “carrasco” dos jornalistas é o próprio Estado.

A 12 de dezembro passado, a execução por enforcamento do jornalista Rouhollah Zam, condenado à morte após um julgamento apontado como injusto, chocou o mundo, pois “apesar de o Irão ainda adoptar a pena de morte, há 30 anos que nenhum jornalista era vítima de um tal castigo arcaico e bárbaro”, cita o documento.

“A violência mundial continua a atingir os jornalistas”, lamenta o secretário-geral da RSF, Christophe Deloire e grande parte do público considera que os jornalistas são vítimas dos riscos da profissão, embora sejam cada vez mais agredidos quando investigam ou fazem reportagens sobre assuntos delicados. “O que está fragilizado é o direito à informação, que é um direito de todos os seres humanos”, declara Deloire.

A Federação Internacional de Jornalismo contabilizou 2.658 jornalistas mortos desde 1990.

Em Moçambique, Ibraimo Abú Mbaruco, jornalista e locutor da rádio comunitária de Palma, em Cabo Delgado, no norte do país, desaparecido desde 7 de abril de 2020 é um dos 4 jornalistas cujo desaparecimento é apontado pela RSF em 2020.

// RFI

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Mulher de 'El Chapo' Guzmán é presa nos EUA acusada por narcotráfico

Foi presa nesta segunda-feira (22/02) nos Estados Unidos Emma Coronel Aispuro, 31, mulher de Joaquín "El Chapo" Guzmán, ex-líder do cartel de drogas mexicano Sinaloa. Aispuro, que tem cidadania mexicana e americana, foi presa no aeroporto …

Gana é o primeiro país do mundo a receber vacinas do programa Covax, da OMS

Gana recebeu nesta quarta-feira o primeiro lote mundial de vacinas financiadas pelo programa Covax, que proporciona aos países de renda baixa e média as primeiras doses de fármacos antiCovid. Os imunizantes foram enviados de …

Variante da Califórnia parece ser mais contagiosa e resistente a vacinas, aponta estudo

Um novo estudo confirma que a mutação do SARS-CoV-2 na Califórnia, EUA, é mais contagiosa e mais resistente a vacinas, embora a escala de sua ameaça ainda não esteja clara. Uma variante descoberta pela primeira vez …

Cheirinho de carro novo? Estudo alerta para risco de câncer em odor favorito de muitos

Um estudo publicado por pesquisadores da Universidade da California Riverside mostrou que o cheiro de carro novo, tão amado por todo mundo que acaba de comprar o seu veículo, pode ser um risco para saúde. Mas …

STJ anula quebra do sigilo de Flávio Bolsonaro no caso das "rachadinhas"

Ministros apontaram falta de fundamentação do juiz de 1ª instância. Decisões da próxima semana determinarão chance de o processo contra o senador ir adiante ou voltar ao início. A Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça …

Troca de comando na Petrobras: Bolsonaro repete interferência de Dilma na estatal?

As ações da Petrobras derreteram depois que o presidente Jair Bolsonaro decidiu mudar o comando da empresa. Na noite de sexta-feira (19/02), Bolsonaro anunciou o general da reserva Joaquim Silva e Luna para substituir o …

Uruguai, último país da América do Sul a receber vacinas, começa imunização em março

O presidente do Uruguai, Luis Lacalle Pou, informou nesta segunda-feira (22) que as primeiras vacinas contra a Covid-19 chegarão nesta quinta-feira ao país, o único na América do Sul que ainda não possui doses …

Cada ponto brilhante neste novo mapa cósmico é um buraco negro supermassivo

A equipe internacional sinterizou um conjunto tão impressionante quanto inédito de sinais de rádio emitidos por buracos negros supermassivos. Se tivéssemos um telescópio capaz de mostrar quaisquer objetos do universo, independentemente de quão distantes eles estão, …

Desvendado enigma de inscrição na obra "O Grito" de Edvard Munch

Uma frase escrita sobre uma das obras de arte mais conhecidas do mundo foi, durante um século, motivo de conjeturas e controvérsias entre os especialistas de arte em todo o mundo. Uma análise com escâner infravermelho, …

Reino Unido anuncia relaxamento gradual do lockdown

Com avanço da vacinação e queda nas internações por covid-19 em meio às restrições rígidas, país se prepara para abandonar o confinamento. Plano prevê reabertura em quatro etapas e fim do lockdown em 21 de …