México foi país sem guerra onde mais se mataram jornalistas em 2016

Dos 57 jornalistas mortos no mundo inteiro por causa de sua profissão, nove estavam em solo mexicano

O relatório anual da Repórteres Sem Fronteiras, sobre mortalidade na profissão de jornalista, divulgado nessa segunda-feira (19), revela que o México foi o país em paz onde mais de matou jornalistas em 2016. Neste ano, dos 57 mortos no mundo inteiro por causa de sua profissão, nove estavam em solo mexicano.

A organização aponta como motivo para as mortes dos jornalistas no México as ações dos cartéis criminosos, sobretudo o “Los Zetas”, que impõem “um reino de terror nos estados do nordeste do Golfo do México”.

O objetivo dos grupos criminosos é, segundo a RSF, “dissuadir os jornalistas de se intrometerem em seus assuntos” e para isso “multiplicam os sequestros e os atos de barbárie”.

Apesar dessa perseguição, “as autoridades policiais e judiciais, muito corrompidas, fecham os olhos”, quando não contribuem no trabalho de repressão aos jornalistas, já que o relatório revela que os principais responsáveis das agressões a repórteres são agentes policiais.

Mundo

O número total de jornalistas mortos ao redor do mundo é menor do que em 2015, quando 67 morreram.

A RSF considera que a queda registrada no número de jornalistas assassinados responde ao fato de que muitos deles abandonaram as zonas de conflito, como Síria, Iraque, Líbia e Iêmen, que se transformaram em “buracos negros de notícias, nos quais reina a impunidade”.

A isso se soma, segundo o relatório, o fato de a brutalidade exercida por governos ditatoriais contra jornalistas ter levado os profissionais a se autocensurarem por medo de serem assassinados.

Três quartos dos assassinados tinham sido ameaçados anteriormente por suas atividades jornalísticas, o que prova para a RSF “o fracasso das iniciativas internacionais destinadas à proteção dos jornalistas”.

Zonas de conflito

As zonas de conflito continuam sendo o principal cenário de assassinatos de jornalistas, com a Síria à frente, com 19 mortes, seguido de Afeganistão com dez, Iraque com sete, e Iêmen com cinco.

No total, 65% dos assassinatos aconteceram nessas regiões, uma tendência diferente da registrada em 2015, quando vários jornalistas foram assassinados em países em paz, como os da revista satírica francesa Charlie Hebdo.

Em nível internacional, a RSF afirmou que apenas quatro dos jornalistas mortos foram assassinados fora de seu país de origem.

Nos últimos dez anos, 780 jornalistas morreram no exercício de suas funções, com picos importantes em 2007 e 2012 (87).

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Rede 5G pode transmitir energia elétrica e aposentar as baterias no futuro

O mundo já conhece os benefícios da tecnologia 5G como a alta velocidade na transmissão de dados e baixa latência. Agora, os cientistas do Instituto de Tecnologia da Geórgia, nos EUA, descobriram que essas redes …

Covid: como evitar a trágica marca de 5 mil mortes por dia no Brasil?

No dia 19 de maio de 2020, o Brasil atingiu pela primeira vez a marca das mil mortes diárias por covid-19. Esse número permaneceu relativamente estável, em um patamar considerado alto, durante todo o segundo semestre …

Físicos afirmam que o universo é um computador de aprendizado de máquina

Físicos teóricos que trabalham com a Microsoft lançaram um artigo na sexta-feira afirmando que o universo é essencialmente um computador de aprendizagem de máquina (machine learning, em inglês). Os pesquisadores, vários afiliados à Microsoft, pré-publicaram um …

Mundo ainda tem países sem uma única dose de vacina

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), mais de 600 milhões de doses de vacina contra a covid-19 já foram aplicadas em todo o mundo. Mas a discrepância entre países é alta: enquanto, …

Covid: site calcula quando você será vacinado. Resultados não animam

Um grupo de voluntários chamado CoronavirusBra desenvolveu uma plataforma para calcular quando você será vacinado contra a covid-19. O ‘Quando vou ser vacinado?’ utiliza dados públicos como a média de imunizados com o número de pessoas …

Rússia inicia desenvolvimento de mais uma vacina contra COVID-19

Sendo o primeiro país a registrar uma vacina contra a COVID-19, a Rússia anunciou o início do desenvolvimento de mais uma vacina contra o coronavírus. A criação do novo medicamento estará a cargo do Instituto Smorodintsev …

Especialista chinês: ascensão da China faz EUA entrarem em pânico e ficarem nervosos

O desenvolvimento econômico e a ascensão do país asiático fazem os EUA ficarem nervosos e entrarem em pânico, mas este medo se origina em seus preconceitos, disse em entrevista à Sputnik um especialista chinês. Li Junru, …

Interação de múons, a nova força da natureza que cientistas acreditam ter descoberto

Desde colar um ímã na porta de uma geladeira até jogar uma bola em uma cesta de basquete, as forças da física funcionam em todos os momentos de nossas vidas. Todas as forças que experimentamos todos …

Receita afirma que "só rico lê" e reforça preconceito de classe brasileiro

A Receita Federal deseja manter o projeto que cobra impostos sobre livros. Através da mesclagem entre PIS e Cofins, a nova CBS (Contribuição sobre bens e serviços), uma espécie de imposto sobre valor agregado, o …

Tribunal europeu dá aval a vacinação obrigatória

Corte de direitos humanos diz que medida pode ser necessária em sociedades democráticas e abre precedente no combate à covid-19. Tribunal julgava ação de famílias tchecas que se recusaram a vacinar os filhos. O Tribunal Europeu …