México se tornou o país mais perigoso para jornalistas em 2019, segundo a Ong RSF

A quantidade de jornalistas mortos em 2019 registrou uma queda “histórica” em 2019. Segundo o relatório anual da Ong Repórteres Sem Fronteiras (RSF), divulgado nesta terça-feira (17), 49 profissionais da imprensa foram assassinados neste ano, contra 80 em 2018.

Nenhum deles é brasileiro, mas a América Latina se tornou a segunda região mais perigosa para a profissão, com o México liderando o número de vítimas.

Para a RSF, a América Latina é atualmente o segundo local mais perigoso para jornalistas exercerem sua profissão: na região, foram registrados 14 assassinatos. O México lidera o ranking do países onde mais profissionais de mídia foram mortos no mundo: 10 desde janeiro deste ano. O relatório aponta que o dado é preocupante, pois esse número não baixou no país em relação a 2018.

Além dos mexicanos, outros quatro jornalistas latino-americanos foram assassinados em 2019: dois em Honduras, um no Haiti e um na Colômbia. A RSF observa que nem em zonas de guerra – como a Síria, o Iraque ou o Iêmen – esse número foi registrado.

O Oriente Médio continua liderando o ranking. Síria, Iêmen e Afeganistão registraram juntos a morte de 17 jornalistas no ano passado.

Profissão continua sendo perigosa

Para a RSF, apesar da forte diminuição das mortes de jornalistas em 2019, a profissão continua sendo perigosa. No total, 46 jornalistas homens e três mulheres foram assassinados exercendo suas funções neste ano. Entre as vítimas, 36 eram profissionais, 10 eram amadores e três colaboravam com mídias.

Mais da metade dos jornalistas assassinados neste ano, 29, morreram em áreas onde não há guerra e mais de 60% deles foram propositalmente visados. Nenhum deles perdeu a vida trabalhando em um país estrangeiro. “A fronteira entre os países em guerra e em paz está desaparecendo“, afirma o secretário geral da RSF, Christophe Deloire.

389 jornalistas presos

O relatório anual da Ong também contabiliza o número de jornalistas presos em todo mundo: 389 em 2019, com um aumento de 12% em relação a 2018. Para a RSF, o dado é preocupante considerando que ele diz respeito “a profissionais presos durante horas, dias ou várias semanas”.

Segundo o documento, “esse tipo de detenção se multiplicou neste ano, em razão das manifestações e movimentos de contestação em todo o mundo”, especialmente na Argélia, Hong Kong, Chile e Bolívia, onde as agressões aos jornalistas se multiplicaram.

A metade dos profissionais de mídia presos (186 e 389) vêm de três países: a China, o Egito e a Arábia Saudita. O governo chinês, aliás, detém um terço dos jornalistas detidos no mundo.

Além disso, a RSF registra ao menos 57 jornalistas detidos como reféns no mundo, um número quase idêntico ao de 2018. Eles estão principalmente em quatro países: Síria, Iêmen, Iraque e Ucrânia. Por outro lado, nenhum profissional de mídia foi dado como desaparecido em 2019, contra três em 2018.

// RFI

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Rede 5G pode transmitir energia elétrica e aposentar as baterias no futuro

O mundo já conhece os benefícios da tecnologia 5G como a alta velocidade na transmissão de dados e baixa latência. Agora, os cientistas do Instituto de Tecnologia da Geórgia, nos EUA, descobriram que essas redes …

Covid: como evitar a trágica marca de 5 mil mortes por dia no Brasil?

No dia 19 de maio de 2020, o Brasil atingiu pela primeira vez a marca das mil mortes diárias por covid-19. Esse número permaneceu relativamente estável, em um patamar considerado alto, durante todo o segundo semestre …

Físicos afirmam que o universo é um computador de aprendizado de máquina

Físicos teóricos que trabalham com a Microsoft lançaram um artigo na sexta-feira afirmando que o universo é essencialmente um computador de aprendizagem de máquina (machine learning, em inglês). Os pesquisadores, vários afiliados à Microsoft, pré-publicaram um …

Mundo ainda tem países sem uma única dose de vacina

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), mais de 600 milhões de doses de vacina contra a covid-19 já foram aplicadas em todo o mundo. Mas a discrepância entre países é alta: enquanto, …

Covid: site calcula quando você será vacinado. Resultados não animam

Um grupo de voluntários chamado CoronavirusBra desenvolveu uma plataforma para calcular quando você será vacinado contra a covid-19. O ‘Quando vou ser vacinado?’ utiliza dados públicos como a média de imunizados com o número de pessoas …

Rússia inicia desenvolvimento de mais uma vacina contra COVID-19

Sendo o primeiro país a registrar uma vacina contra a COVID-19, a Rússia anunciou o início do desenvolvimento de mais uma vacina contra o coronavírus. A criação do novo medicamento estará a cargo do Instituto Smorodintsev …

Especialista chinês: ascensão da China faz EUA entrarem em pânico e ficarem nervosos

O desenvolvimento econômico e a ascensão do país asiático fazem os EUA ficarem nervosos e entrarem em pânico, mas este medo se origina em seus preconceitos, disse em entrevista à Sputnik um especialista chinês. Li Junru, …

Interação de múons, a nova força da natureza que cientistas acreditam ter descoberto

Desde colar um ímã na porta de uma geladeira até jogar uma bola em uma cesta de basquete, as forças da física funcionam em todos os momentos de nossas vidas. Todas as forças que experimentamos todos …

Receita afirma que "só rico lê" e reforça preconceito de classe brasileiro

A Receita Federal deseja manter o projeto que cobra impostos sobre livros. Através da mesclagem entre PIS e Cofins, a nova CBS (Contribuição sobre bens e serviços), uma espécie de imposto sobre valor agregado, o …

Tribunal europeu dá aval a vacinação obrigatória

Corte de direitos humanos diz que medida pode ser necessária em sociedades democráticas e abre precedente no combate à covid-19. Tribunal julgava ação de famílias tchecas que se recusaram a vacinar os filhos. O Tribunal Europeu …