Alemanha quer eliminar extremismo de direita de tropa de elite

Com reforma, Ministério da Defesa alemão pretende “apertar o botão de reset” no KSK, unidade de elite das Forças Armadas abalada por escândalos sobre envolvimento de seus membros com extremismo de direita.

A ministra alemã da Defesa, Annegret Kramp-Karrenbauer, apresentou nesta quarta-feira, planos de reforma que devem significar uma profunda transformação no Comando de Forças Especiais (KSK), unidade de elite da Bundeswehr (Forças Armadas) que ocupou manchetes devido a frequentes escândalos sobre envolvimento de seus membros com extremismo de direita.

“Somos obrigados a constatar que, ao menos em partes do KSK, desenvolveu-se uma liderança tóxica, a partir de um conceito equivocado de liderança”, declarou Kramp-Karrenbauer ao apresentar a reforma, em Berlim. Por isso, o KSK não pode continuar como está e precisa ser modificado a partir de dentro, disse a ministra. “Queremos encorajar os corajosos.”

Na prática, isso significa que a tropa de elite do Exército alemão será reduzida e terá menos atribuições. O ponto determinante para a reforma foi a descoberta de um arsenal de armas, munição e explosivos escondido na residência de um soldado do KSK, em maio.

A reforma mira principalmente a segunda companhia de comando, que deverá ser extinta. Em 2017, a companhia organizou uma festa de despedida para um comandante, na qual soldados do KSK arremessaram cabeças de porcos, ouviram rock de extrema direita e fizeram a saudação nazista.

Desde então, o KSK ganhou manchetes na Alemanha várias vezes por causa de incidentes extremistas. Em janeiro de 2020, o presidente do serviço secreto militar alemão (MAD), Christof Gramm, alertou para cerca de 20 casos de suspeita de extremismo de direita no KSK. Proporcionalmente, isso é cinco vezes mais do que em toda a Bundeswehr.

Chance de recomeço

A reforma planejada pelo Ministério da Defesa almeja acabar com o extremismo de direita no KSK. Além da extinção da segunda companhia de comando, membros do KSK em missões ou exercícios no exterior deverão retornar à Alemanha. Cooperações internacionais serão suspensas. Para Kramp-Karrenbauer, essas medidas permitirão ao KSK “apertar o botão de reset” e se reconstituir.

Além disso, a reforma prevê um sistema de rotação. Sobretudo soldados que desejam assumir cargos de comando deverão ter, primeiramente, servido em outras unidades da Bundeswehr. O KSK também não poderá mais formar seus próprios soldados. Essa atribuição caberá ao Exército.

O processo de reforma deverá ser acompanhado por um conselho especial, sob a direção do inspetor-geral da Bundeswehr. O inspetor-geral é o mais alto cargo militar da Bundeswehr e assessora o governo em assuntos militares.

Kramp-Karrenbauer ressaltou que a reforma não é uma punição para o KSK, mas uma oportunidade. “Uma chance sobretudo para as forças do KSK que têm senso crítico de colaborarem pessoalmente para que este KSK, que celebra seu jubileu no próximo ano, seja um KSK melhor.”

A ministra visitou a unidade de elite nesta segunda-feira e deixou claro aos soldados que eles deverão decidir se querem ser parte da solução ou se querem continuar sendo parte do problema.

Unidade de operações sigilosas

O KSK foi criado em 1996, depois de a Alemanha se ver obrigada a apelar para a tropa de elite da Bélgica para resgatar cidadãos alemães durante o genocídio em Ruanda. A unidade emprega hoje cerca de 1.700 pessoas, incluindo militares e funcionários civis.

Idealmente, essa tropa de elite executa suas tarefas de forma eficiente e extremamente sigilosa. Às vezes, porém, algumas missões acabam chegando à imprensa. Foi assim em 2012, quando o KSK prendeu um líder do Talibã no Afeganistão.

Mesmo o porta-voz para assuntos militares do Partido Verde, um partido de raízes pacifistas, elogiou o sucesso da missão. Mas ele também pediu mais transparência na comunicação com o Bundestag (Parlamento).

A Bundeswehr é, afinal, comandada pelos parlamentares. São eles que têm a última palavra sobre missões no exterior. E os relatos que chegam à imprensa sobre o que acontece no KSK devem deixar os deputados alemães preocupados.

Em maio se tornou conhecido o caso de um sargento que foi suspenso do trabalho devido à sua proximidade com o Movimento Identitário, um grupo de extrema direita.

O próprio chefe do KSK, o general de brigada Markus Kreitmayr, afirmou em maio, depois da descoberta do arsenal escondido, que a unidade tem um problema com o extremismo de direita.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Biden anuncia pacote de estímulo de quase US$ 2 trilhões

Para revitalizar a maior economia do mundo em meio à pandemia, "Plano de resgate americano" apresentado pelo presidente eleito inclui auxílio a desempregados e escolas e investimento na vacinação. O presidente eleito dos Estados Unidos, Joe …

Coronavírus: Reino Unido proíbe entrada de viajantes vindos da América do Sul e de Portugal por variante encontrada no Brasil

Chegadas ao Reino Unido da América do Sul e Portugal serão proibidas a partir de sexta-feira (15/01) devido a preocupações com a variante brasileira do coronavírus. O secretário de transportes, Grant Shapps, disse que a mudança …

Vacinação nacional contra a COVID-19 começa no dia 20, às 10h

Ao que tudo indica o Brasil já tem uma data oficial para o início da vacinação, em massa, contra o novo coronavírus (SARS-CoV-2). Nesta quinta-feira (14), o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, informou que a …

"Futuro assustador de extinção em massa" nos espera, elite dos cientistas alerta

O planeta enfrenta um “futuro assustador de extinção em massa, declínio da saúde e distúrbios climáticos” que ameaçam a sobrevivência humana por causa da ignorância e da inação, de acordo com um grupo internacional de …

Oferta de perfuração do Ártico tem fracasso histórico por falta de interessados

O recente leilão que oferecia arrendamentos de perfuração de petróleo no Ártico foi um fracasso. Esperava-se que a chamada atraísse muitos interessados em explorar a área no Alasca, mas a realidade foi outra. A notícia é …

Palácio mais antigo da China de 5.300 anos é descoberto perto de antiga capital

Palácio descoberto no sítio arqueológico de Shuanghuaishu, nos arredores da cidade de Zhengzhou, uma das oito capitais antigas, foi construído por volta de 3300 a.C., ou seja, tem cerca de 5.300 anos, sendo possivelmente a …

Variante da Covid-19 no Brasil faz Reino Unido banir viajantes da América Latina e Portugal

O governo britânico proibiu, nesta quinta-feira, as chegadas de todos os países da América do Sul e do Panamá, além de Portugal, em resposta à nova variante da Covid-19, descoberta no Brasil. A decisão …

CEO do Twitter defende banimento de Trump da rede social

Jack Dorsey diz que medida resulta do “fracasso” da plataforma em mediar diálogo saudável e admite que pode abrir “precedente perigoso”. Proibição veio após presidente dos EUA insuflar apoiadores que invadiram Capitólio. O CEO da rede …

O zumbido de fundo do universo pode ter sido ouvido pela primeira vez

Baseado no que sabemos sobre ondas gravitacionais, o Universo deve estar cheio delas. Cada par de buracos negros ou estrelas de nêutrons e colisão, cada supernova com núcleo em colapso — até mesmo o próprio …

Monocultura da soja destruiu mais de 30% do cerrado brasileiro entre 2004 e 2017, alerta WWF

Os 24 principais focos de desmatamento no mundo provocaram a perda de uma superfície equivalente ao tamanho do Paraguai em menos de uma década, aponta um relatório do Fundo Mundial para a Natureza (WWF, na …