A arriscada aposta da Argentina na vacina russa contra covid-19

maicopupsa / Flickr

Alberto Fernández

País sul-americano apoia campanha de vacinação quase que exclusivamente no imunizante Sputnik V. Estratégia, porém, gera críticas e apreensões que vão além de questões saúde.

O Airbus 330 von Aerolineas Argentinas que no Natal aterrissou no Aeroporto Ezeiza, de Buenos Aires, não era um voo como outro qualquer. Dezenas de equipes de televisão transmitiam ao vivo. Aeromoças estavam em prantos de tanta emoção.

Todos os 20 pilotos, copilotos e técnicos da tripulação portavam, orgulhosos, máscaras protetoras azul-escuro com o nome do projeto que desperta esperança em muitos argentinos e desconfiança em alguns: “Operação Moscou, dezembro 2020”.

A bordo encontravam-se 300 mil doses da vacina russa Sputnik V, outras 300 mil chegaram duas semanas mais tarde, e nesta quinta-feira (28/01) aterrissou o terceiro avião com 220 mil doses. Depois da própria Rússia, a Argentina é segundo maior país a apostar, até o fim de março, todas as suas cartas no imunizante russo.

Trata-se da vacina que, apesar de numerosos cientistas terem lhe atestado alto grau de eficácia, não passou pela importante e final terceira fase de testes clínicos. Mas, o que restava ao país?

Xepa do supermercado das vacinas?

A situação argentina é análoga à da maioria das nações do Sul global: no supermercado internacional das vacinas, os países ricos, como Estados Unidos, Israel ou os europeus, esvaziaram as prateleiras do alto onde estavam os produtos da BioNtech-Pfizer e Moderna.

A Argentina só podia ficar olhando de mãos abanando os fura-filas endinheirados, e agora tem que se contentar com a prateleira de baixo, onde, com intenções não totalmente altruístas, a Rússia e a China colocaram seus presumíveis artigos classe B.

A Sputnik V é uma vacina com efeitos colaterais que não constam da bula”, afirma Josefina Edelstein, jornalista e uma das principais peritas em saúde do país sul-americano. “E não estou me referindo aos efeitos colaterais clínicos, mas aos políticos, também geopolíticos, e às controvérsias sociais que essa vacina desencadeia.”

Uma semana atrás, o presidente argentino Alberto Fernández foi o primeiro chefe de Estado latino-americano a se vacinar contra o vírus Sars-Cov-2. Depois da injeção, ele brincou que estava com vontade de tomar uma vodca e perguntou à enfermeira se era um efeito colateral.

Polindo a imagem internacional de Moscou

A oposição, que já há meses critica o líder esquerdista por sua gestão da crise sanitária, no entanto, teme um outro efeito: a Argentina ficar dependente de um autocrata como Vladimir Putin.

De fato, para a Rússia, a Sputnik V é mais do que uma vacina. Afinal, apesar do estranho fato de que até agora ele próprio não se submeteu à vacinação, Putin trata a publicidade do imunizante como assunto de chefia.

Com o nome “Sputnik”, o país associa verbalmente a droga às últimas grandes conquistas da ciência da União Soviética, no século 20. Com esse novo produto medicinal, Moscou quer polir sua imagem arranhada pelos episódios envolvendo a Síria, Ucrânia, ou o oposicionista Alexei Navalny. E retomar o lugar no mundo que o país considera ser o seu.

As ambições globais do Kremlin são razão de irritação na Argentina. “O governo municipal de Buenos Aires critica severamente a Sputnik V e se manifesta contra as vacinações”, observa Edelstein. E isso significa confrontar a estratégia de vacinação do próprio presidente.

Para a Argentina – mesmo antes do coronavírus, um dos países mais nervosos do mundo, devido a décadas de crises econômicas – a vacina não oferece nenhuma proteção contra os violentos choques políticos entre o governo e a oposição.

Não era melhor ter um plano B?

“A Argentina não tinha de nenhuma estratégia eficiente para se abastecer com diferentes imunizantes; as doses da AstraZeneca só vêm em março“, explica o cientista político e consultor de empresas Sergio Berensztein.

As negociações com a Pfizer teriam fracassado por o país se recusar aceitar as cláusulas referentes às responsabilidades contratuais. “E no entanto estávamos entre os países da terceira fase de testes da Pfizer. Muitos cidadãos participaram e todos pensavam que o contrato agora fosse só uma questão de formalidade. Mas a Argentina não recebeu uma única dose de vacina.”

Mesmo que o governo argentino tenha pouca culpa pelo fracasso das negociações com a gigante farmacêutica americana, Berensztein critica duramente o presidente Fernández. “A comunicação do governo sobre a vacinação foi simplesmente deficiente.”

Promessas não cumpridas

O governo federal argentino cometeu o mesmo erro que outros Estados: fazer promessas impossíveis de cumprir posteriormente. Sobretudo no tocante às datas de vacinação, Fernández e seu ministro da Saúde, Ginés González García, tiveram que retroceder várias vezes.

Atualmente, Berensztein não crê mais que ainda vá haver vacinações no ano corrente. “A verdade é que seria muito esquisito e difícil de explicar se um governo argentino fizesse um bom trabalho justamente na crise do coronavírus”, opina o cientista político. “Todos os governos daqui se destacam por sempre fracassar, mesmo nas coisas mais simples, como, por exemplo, finalmente reduzir a inflação. Por que ele deveria fazer boa política justo num tema tão complexo?”

Aliás, em vez de 220 mil doses, a aeronave de Moscou que pousou nesta quinta-feira em Buenos Aires deveria ter transportado 600 mil. E as autoridades russas antecipam que, devido à grande demanda e aos gargalos de fornecimento, haverá atrasos de até três semanas nos próximos lotes de vacinas para a América Latina.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Calheiros anuncia nome das 14 pessoas que passaram de testemunhas a investigados na CPI da Covid

Segundo senador, é preciso mudar o "patamar" da investigação pois já há provas e indícios concretos contra as pessoas inseridas na lista, que agora será encaminhada ao presidente da CPI, Omar Aziz (PSD-AM). Nesta sexta-feira (18), …

Turistas “madrugam” para visitar Disneyland Paris, que reabre após oito meses por causa da pandemia

Depois de oito meses de portas fechadas, o parque Disneyland Paris reabriu para o público nesta quinta-feira (17). A atração, um dos principais destinos turísticos da Europa, volta a funcionar, mas mantém medidas sanitárias …

Cientistas desvendam mistério de 'apagamento' de estrela gigante Betelgeuse

Astrônomos dizem que solucionaram o mistério sobre por que uma das mais conhecidas estrelas que iluminava o céu à noite começou a perder o brilho há cerca de um ano. Betelgeuse, uma supergigante vermelha da …

Portugal isola Lisboa para conter disseminação de variante

Em meio a alta de casos e difusão da variante delta do coronavírus, detectada inicialmente na Índia, governo português restringe circulação para dentro e para fora da região metropolitana da capital no fim de semana. Em …

Astrônomos descobrem as maiores estruturas giratórias conhecidas no universo

Tentáculos de galáxias com centenas de milhões de anos-luz de comprimento podem ser os maiores objetos giratórios do universo, um novo estudo descobriu. Corpos celestes muitas vezes giram, planetas, estrelas e galáxias. No entanto, aglomerados gigantes …

Facebook implementa software de IA capaz de detectar fotos e vídeos falsos

Os deepfakes são arquivos de mídia, incluindo fotos, vídeos e áudio, editados através de inteligência artificial (IA), que fornecem alto realismo e muitas vezes causam confusão após serem compartilhados nas redes sociais. Na quarta-feira (16), os …

China envia três astronautas para sua estação espacial

Grupo deverá ficar três meses no espaço e colocar em funcionamento o módulo central da estação espacial Tiangong. China não participa da ISS por decisão dos EUA. A primeira missão tripulada enviada pela China para a …

Putin “não quer Guerra Fria com EUA”, diz Biden após encontro com presidente russo

Os presidentes dos Estados Unidos, Joe Biden, e da Rússia, Vladimir Putin, participaram nesta quarta-feira (16) de uma esperada reunião bilateral. O encontro realizado em Genebra acontece em um contexto de forte tensão entre …

Variante lambda do coronavírus: o que se sabe sobre mutação que se espalha pela América do Sul e preocupa OMS

Os vírus usam técnicas diferentes para continuar infectando as pessoas. E o caso da covid-19 não é exceção. As versões atuais da doença estão se espalhando muito mais facilmente do que a original, que surgiu na …

Embaixadores da Rússia e dos EUA "regressam ao trabalho", diz Putin após cúpula com Biden

A Rússia e os EUA acordaram o regresso de seus embaixadores, informou Vladimir Putin. Vladimir Putin, presidente da Rússia, disse, após conversas com seu homólogo americano Joe Biden, que os embaixadores russo e norte-americano voltam …