As águas do Antártico podem absorver menos CO2 do que antecipávamos

A vastidão das águas geladas que separa o continente da Antártida dos restantes continentes é um poço de mistério para a maioria das pessoas. Contudo, este remoto, tempestuoso oceano trás grandes benefícios para a humanidade.

Segundo estimativas dos cientistas, a cada ano, o oceano Antártico absorve cerca de 40% das emissões de dióxido de carbono emitidos pelas populações humanas aquando da queima dos combustíveis fosseis.

Isto ajuda imenso a abrandar o passo cada vez mais rápido do aumento dos gases de estufa na atmosfera e a conter em parte as alterações climáticas. Contudo, alguns pontos do oceano poderão estar a trabalhar no sentido oposto.

Os cientistas têm procurado de forma ambiciosa medir quando dióxido de carbono o oceano consegue absorver, usando sondas de alta profundidade que navegam pelos vários cantos do oceano.

O que os cientistas descobriram foi, contudo, surpreendente. Durante os meses do frio, escuro e rigoroso inverno Antártico, partes do oceano libertam dióxido de carbono em vez de o absorver.

Os dados recolhidos pelos cientistas leva-os a ponderar o quão mais complexo é o senário, e o quanto dióxido de carbono pode o oceano austral pode afinal absorver. Questionam-se também para onde escapa o dióxido de carbono, se para um outro oceano, para a atmosfera ou para a vegetação.

Os investigadores têm assim então de reavaliar as suas ideias sobre o fluxo de carbono na Terra.

Ao contrário das águas de outros oceanos, onde os continentes que os bordam moldam as correntes e restringem os seus movimentos, no oceano Antártico as águas fluem sem impedimento em redor do continente Antártico.

Isto cria um fenómeno de circulação de água em que as partes profundas do oceano são circuladas para a superfície, e vice-versa. Esta circulação de água da superfície para a profundidade, pensa-se, é uma das responsáveis pela capacidade do oceano para captar dióxido de carbono.

As águas á superfície absorvem o carbono que é depois movido para baixo na coluna de água. Em contrário, a água das profundezas sobre com um teor menos de carbono (ainda tem algum derivado dos seres vivos que morrem e vão dar ao fundo o oceano).

É importante compreender o papel deste oceano a nível da captação de dióxido de carbono e a sua contribuição para a retardação das alterações climáticas.

Das estimadas 375 giga toneladas (uma giga tonelada são 1 milhão de toneladas) de dióxido de carbono libertadas entre 1750 (início da era industrial) até 2011, estima-se que o oceano austral tenha absorvido cerca de 42 giga toneladas. Mais de 10% do total.

Importa perceber se este dióxido de carbono é definitivamente sequestrado, ou se há alguma dinâmica de sequestro e libertação, ou mesmo uma capacidade máxima, sem efeito para a sua acumulação.

Compreender o sistema de funcionamento e as dinâmicas do dióxido de carbono em relação ao oceano Antártico poderão ajudar a refinar os modelos de previsão das alterações climatéricas. Isso ajudar-nos-ia a perceber melhor onde estaríamos, daqui a 20 ou mesmo 50 anos, e a perceber melhor que medidas tomar para reverter as alterações climatéricas.

Ciberia //

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Caso de peste bubônica é confirmado na China

Enquanto o mundo vem buscando tratamentos para a pandemia do novo coronavírus (SARS-CoV-2), antigas doenças e ameças podem ressurgir, como um sinal de alerta para a sociedade. É esse o caso relatado pelas autoridades da saúde …

Petição que substituir estátua de Cristóvão Colombo por uma do músico Prince

O histórico processo de revisão das estátuas, nomes de rua e outras homenagens a personagens ligados ao racismo ou outros massacres étnicos prevê a retirada de tais homenagens, mas não somente: figuras efetivamente merecedoras dos …

EUA podem proibir aplicativos chineses, incluindo TikTok, diz secretário de Estado

Mike Pompeo já acolheu uma medida semelhante da Índia, que emitiu uma ordem provisória bloqueando o TikTok e outros 58 aplicativos ligados à China em meio ao primeiro choque fronteiriço mortal em décadas. O secretário de …

Brasil tem mais de 65 mil mortes por covid-19

O Brasil superou a marca de 65 mil mortos por covid-19 nesta segunda-feira (06/07), segundo dados do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) e do Ministério da Saúde. Foram 620 óbitos registrados nas últimas …

Homem cria uma "cadeira de rodas" off-road para que sua esposa possa ir a lugares que ela nunca imaginou

Quem precisa de uma cadeira de rodas para se locomover sabe que não é nada fácil percorrer certos terrenos. Viagens a lugares nevados, trilhas tropicais, montanhas… Tudo isso parece impossível. Mas não deveria ser. Aliás, …

Samsung pode ser beneficiada por tensão entre China e Índia

Enquanto os exércitos da China e da Índia se estranham na fronteira entre os dois países, quem pode sair ganhando com a rivalidade é uma empresa sul-coreana. A Samsung deve ser a principal beneficiada com o …

Com epidemia de Covid-19 controlada, Cuba inicia retomada do turismo internacional

Enquanto o coronavírus segue se propagando pelo continente americano, Cuba garante que a epidemia está controlada no país e reabre algumas praias ao turismo internacional. No total, país registrou pouco mais de 2.300 contaminações …

Pesquisadores encontram novos dados sobre época de Genghis Khan

Grande parte da vida de Genghis Khan permanece ainda um mistério, mas um novo estudo de pesquisadores da Austrália e Mongólia fornece novos dados sobre sua época. Genghis Khan, que teria vivido entre 1162 e 1227, …

Índia vê casos explodirem e vira um dos epicentros da pandemia

Com quase 700 mil casos de covid-19, a Índia ultrapassou a Rússia e se tornou nesta segunda-feira (07/07) o terceiro país mais atingido pela pandemia de covid-19 em todo o mundo. O Ministério da Saúde indiano …

Filho interrompe ao vivo de repórter para pedir biscoitos

Em mais uma das patacoadas do home-office, a jornalista Deborah Haynes da Sky News acabou sendo interrompida por seu filho, que fez um pedido bastante singelo para a mãe: ele queria alguns biscoitos. O vídeo foi …