Astrônomos encontram evidência de efeito quântico previsto há 80 anos por Heisenberg

Um grupo de astrônomos acredita que se deparou, observando a luz emitida por uma estrela de nêutrons a 400 anos-luz da Terra, com a primeira prova empírica que demonstra um estranho efeito quântico teorizado há 80 anos.

O Observatório Europeu do Sul, ESO, explicou nesta quarta-feira em comunicado que a polarização da luz emitida pela estrela RZ J1856.5-3754 “sugere que o espaço vazio ao redor” deste “corpo celeste de nêutrons está sujeito ao efeito quântico conhecido como birrefringência do vácuo”.

Este fenômeno, que foi teorizado nos anos 1930 pelo cientista Werner Heisenberg, supõe que os campos magnéticos das estrelas de nêutrons são tão fortes que afetam inclusive o vácuo interestelar que as rodeia e que, apesar de seu nome, se sabe que conta com “partículas virtuais”.

Esses campos magnéticos “modificam” o entorno da estrela, o que “afeta a polarização da luz que o atravessa”, acrescentou o ESO no comunicado, que remete à teoria da eletrodinâmica quântica.

Roberto Taverna (University of Padua, Italy) / Denis Gonzalez Caniulef (UCL/MSSL, UK

-

Os campos magnéticos das estrelas de nêutrons são tão fortes que afetam inclusive o vácuo interestelar que as rodeia

Um vácuo altamente magnetizado atua “como um prisma para a propagação da luz, um efeito conhecido como birrefringência do vácuo”, afirmou o responsável pela pesquisa, Roberto Mignani, do Instituto de Astrofísica Espacial e Física Cósmica (INAF) de Milão, na Itália.

A polarização linear detectada pelos astrônomos situa-se em torno de 16%, o que “possivelmente se deve ao efeito amplificador” deste fenômeno, comentou Mignani. “É difícil de explicar a alta polarização linear que medimos com nossos modelos, a menos que incluamos os efeitos da birrefringência do vácuo”, acrescentou o cientista.

Este estranho efeito quântico só pode ser comprovado em estrelas de nêutrons por suas características peculiares e a RZ J1856.5-3754, apesar de sua distância, é uma das mais próximas de nosso planeta.

Estes objetos estelares, acrescentou a ESO, são o núcleo sobrevivente de estrelas massivas que explodiram como supernovas e que se caracterizam por serem extremamente densos e por terem campos magnéticos trilhões de vezes mais fortes que o do Sol.

“Este efeito só pode ser detectado na presença de campos magnéticos extremamente potentes, como os que rodeiam as estrelas de nêutrons. Isto demonstra, de novo, que as estrelas de nêutrons são laboratórios de um valor incalculável para o estudo das leis fundamentais da natureza”, afirmou Roberto Turolla, da Universidade de Pádua, na Itália.

As observações do grupo de cientistas foram possíveis graças ao telescópio VLT da ESO situado no deserto de Paranal, no Chile.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

‘Grande ameaça à saúde pública’: cientistas descobrem mutação resistente a remédio contra a malária

Pesquisadores em Ruanda identificaram uma cepa do parasita causador da malária que é resistente a medicamentos. O estudo, publicado na revista Nature, revelou que os parasitas eram capazes de resistir ao tratamento com a artemisinina, um …

Brasil, um ano no foco da crítica ambiental mundial

Em agosto de 2019, país virou pária ambiental devido a incêndios e aumento do desmatamento. Bolsonaro reagiu com agressividade e insultos. Agora, aumenta a pressão de investidores estrangeiros por uma mudança de rumo. Foi uma catástrofe …

Com medo da Covid-19, Venezuela discrimina venezuelanos que voltam ao país

Várias medidas vêm sendo aplicadas na Venezuela para conter a Covid-19. Um estádio foi transformado em hospital de campanha, blocos de concreto foram colocados nas vias, festas estão proibidas e há um canal de …

Centro Gamalei, desenvolvedor de vacina russa, explica como funciona e se há riscos para o paciente

O diretor do Centro Nacional de Pesquisa de Epidemiologia e Microbiologia Gamalei falou sobre os testes da vacina, que será registrada oficialmente na quarta-feira (12). As partículas do coronavírus na vacina da COVID-19 não podem prejudicar …

Mistura inusitada de amônia e água cria raios superficiais e granizos em Júpiter

Júpiter, o maior gigante gasoso do Sistema Solar, é um lugar coberto por tempestades estranhas. O que os cientistas ainda não sabiam é que no meio dessas tormentas, existem raios de natureza bem diferente dos …

Emocionante avanço da teoria para a realidade: bizarro efeito quântico é observado

No núcleo toda estrela anã branca — o denso resto de uma estrela que queimou todo seu combustível — existe um fenômeno quântico enigmático: enquanto ganha massa ela reduz de tamanho chegando a um ponto …

Estudo prevê 300 mil mortes por covid até fim do ano nos EUA

Pesquisadores da Universidade de Washington pintam cenário sombrio caso restrições não sejam respeitadas. Enquanto primeiros epicentros registram queda, outros estados americanos divulgam taxas de infecções recordes. A epidemia de covid-19 deve matar aproximadamente 300 mil americanos …

Coronavírus: Exportações devem cair mais de 20% na América Latina, diz ONU

As exportações da América Latina e do Caribe podem cair mais de 20% em 2020 devido às consequências da pandemia do coronavírus, que também terá um impacto negativo nas importações, disse uma agência da …

O que é nitrato de amônio, que pode provocar explosões como a de Beirute?

A recente tragédia no país árabe trouxe de novo à tona preocupações sobre o armazenamento do perigoso material, tornando necessário saber como esses incidentes ocorrem para os prevenir. A explosão de nitrato de amônio em Beirute, …

Astrônomos descobrem nuvens gigantes "escondidas" em Vênus há 35 anos

Uma equipe de astrônomos encontrou nuvens venenosas, com gotas de ácido sulfúrico em sua formação, em meio à densa atmosfera de Vênus. Curiosamente, essas nuvens já estavam presente na atmosfera venusiana há pelo menos 35 anos, …