Astrônomos observam anel gelado ao redor de sistema planetário jovem

ALMA (ESO/NAOJ/NRAO), M. MacGregor; NASA/ESA Hubble

Composição do sistema estelar Fomalhaut

Composição do sistema estelar Fomalhaut

Uma equipe internacional de astrônomos, usando o ALMA (Atacama Large Millimeter Array), captou a primeira imagem completa, em comprimentos de onda milimétricos, do anel de detritos empoeirados que cercam a jovem estrela Fomalhaut.

Este círculo notavelmente bem definido de entulho e gás é provavelmente o resultado de exocometas que colidem uns com os outros perto das orlas externas de um sistema planetário a 25 anos-luz da Terra. As observações sugerem uma semelhança química com os cometas do nosso próprio Sistema Solar.

“O ALMA nos deu esta imagem incrivelmente clara de um disco de detritos totalmente formado,” afirma Meredith MacGregor, astrônoma do Centro Harvard-Smithsonian para Astrofísica em Cambridge, no estado norte-americano do Massachusetts e autora principal de dois estudos que serão publicados no Astrophysical Journal.

“Podemos finalmente ver a forma bem definida do disco, o que pode nos dizer muito sobre o sistema planetário subjacente responsável pela sua aparência altamente distintiva”, disse.

Fomalhaut é um sistema estelar relativamente próximo e todo o sistema tem aproximadamente 440 milhões de anos, cerca de um décimo da idade do nosso Sistema Solar.

Conforme revelado na nova imagem ALMA, há uma área brilhante de poeira gelada com cerca de 2 bilhões de quilômetros de espessura e a aproximadamente 20 bilhões de quilômetros da estrela.

Os discos de detritos são características comuns em torno de estrelas jovens e representam um período muito dinâmico e caótico na história de um sistema solar. Os astrônomos pensam que são formados pelas colisões em curso de cometas e outros planetesimais nas fronteiras exteriores de um sistema planetário recém-formado.

Os detritos remanescentes dessas colisões absorvem luz da sua estrela central e irradiam essa energia como um leve brilho no comprimento de onda milimétrico que pode ser estudado com o ALMA.

Através de novos dados ALMA e detalhados modelos de computador, os pesquisadores puderam calcular a localização precisa, largura e geometria do disco. De acordo com MacGregor, esses parâmetros confirmam que o anel estreito é provavelmente produzido pela influência gravitacional de planetas no sistema.

As novas observações do ALMA são também as primeiras a mostrar, definitivamente, o “brilho do apocentro“, um fenômeno previsto num artigo de 2016 da autora principal Margaret Pan, cientista do MIT e coautora dos novos artigos.

Tal como todos os objetos com órbitas alongadas, o material empoeirado no disco de Fomalhaut viaja mais devagar quando está mais distante da estrela. À medida que a poeira diminui a velocidade, se acumula, formando concentrações mais densas nas porções mais distantes do disco. Estas regiões densas podem ser observadas pelo ALMA como uma emissão mais brilhante nos comprimentos de onda milimétricos.

Usando o mesmo conjunto de dados ALMA, mas focando-se em sinais distintos em comprimentos de onda milimétricos naturalmente emitidos por moléculas no espaço, os pesquisadores detectaram ainda vastas reservas de monóxido de carbono no mesmo local que o disco de detritos.

“Estes dados nos permitem determinar que a abundância relativa do monóxido de carbono, juntamente com o dióxido de carbono em redor de Fomalhaut, é aproximadamente a mesma encontrada em cometas no nosso próprio Sistema Solar,” comenta Luca Matrà da Universidade de Cambridge, Reino Unido.

“Este parentesco químico poderá indicar uma semelhança nas condições de formação dos cometas entre as regiões exteriores deste sistema planetário e o nosso”, explica.

Matrà e seus colegas pensam que o gás pode ser libertado por colisões contínuas entre cometas ou resultar de um impacto único e gigante entre supercometas centenas de vezes mais massivos que o Cometa Hale-Bopp.

A presença deste disco de detritos bem definido em torno de Fomalhaut, juntamente com a sua composição química curiosamente familiar, poderia indicar que o sistema passa pela sua própria versão do Último Grande Bombardeamento, um período há aproximadamente 4 bilhões de anos em que a Terra e os outros planetas eram rotineiramente atingidos por asteroides e cometas deixados para trás pela formação do Sistema Solar.

“Há vinte anos, os melhores telescópios de comprimentos de onda milimétricos nos deram os primeiros mapas difusos dos grãos de poeira em órbita de Fomalhaut. Agora, com as capacidades do ALMA, conseguimos fotografar todo o anel de material de Fomalhaut. E esperamos conseguir, um dia, detectar os planetas que influenciam as órbitas destes grãos,” conclui Paul Kalas, astrônomo da Universidade da Califórnia em Berkeley.

// ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Preso pai de família que vivia isolada na Holanda

Ex-membro de culto de 67 anos viveu quase uma década recluso, com os seis filhos, numa zona rural. Polícia suspeita privação de liberdade. Antes fora detido um austríaco, presumível locatário do sítio. Está detido o pai …

"É muito provável que haja verdadeiros análogos da Terra", afirma novo estudo

Um novo método de análise geoquímica de planetas distantes sugere que os muitos exoplanetas semelhantes à Terra podem existir fora do Sistema Solar, de acordo com pesquisa. Há um traço comum entre rochas de asteroides, ou …

Equipe 100% feminina vai para o espaço pela primeira vez na história da NASA

As astronautas norte-americanas Christina Koch e Jessica Meir deixaram juntas nesta sexta-feira (18) a Estação Espacial Internacional (ISS) para fazer um reparo de controladores de energia, marcando a primeira vez em seis décadas da história …

Tratamento para tuberculose é recorde, mas 3 milhões não têm acesso

Em 2018, o número de pessoas que receberam tratamento para a tuberculose bateu um recorde histórico em grande parte devido a uma melhor detecção e diagnóstico da doença. Em todo o mundo, sete milhões de pessoas …

"Blob": o que é a misteriosa criatura com 720 sexos e sem cérebro

Ele não tem boca, estômago, olhos, tampouco pode detectar ou digerir alimentos. Também não tem braços ou pernas, mas consegue se locomover — e, em um único dia, dobrar de tamanho. É capaz de aprender e …

Planalto suspende indicação de Eduardo Bolsonaro para embaixada nos EUA

Desgaste político e crise entre clã Bolsonaro e PSL minam nomeação do filho do presidente, que dificilmente seria aprovada pelo Senado. Caso ocorre após batalha pela liderança da legenda na Câmara. O Palácio do Planalto decidiu …

EUA aplicam tarifas punitivas sobre produtos da UE

Após aval da OMC, entram em vigor aumentos tarifários de 10% e 25%, afetando 7,5 bilhões de dólares em produtos do bloco europeu. Bruxelas poderá retaliar com sanções. As autoridades de comércio dos Estados Unidos confirmaram …

Polícia libera filho do chefe do narcotráfico El Chapo depois de emboscada

Alvos de uma violenta represália dos narcotraficantes, os policiais mexicanos foram obrigados a soltar Ovidio Guzmán López, um dos filhos do célebre El Chapo, do cartel de Sinaloa, pouco depois de prendê-lo, nesta quinta-feira (17) …

Pesquisa identifica quais as preferências musicais em cada região do Brasil

Ainda que a cultura brasileira tenha o hábito de importar, no bom e no mal sentido, tudo que pode de países estrangeiros – em especial dos EUA e alguns países da Europa – na hora …

Estudo descobre que humanos têm capacidade de regeneração como a salamandra

Infelizmente, seres humanos não podem se dar ao luxo de perder nenhum pedacinho do corpo, porque todos são insubstituíveis. Ou talvez não. Um estudo da Universidade Duke (EUA) descobriu que somos muito melhores em regenerar cartilagem …