Astrônomos observam anel gelado ao redor de sistema planetário jovem

ALMA (ESO/NAOJ/NRAO), M. MacGregor; NASA/ESA Hubble

Composição do sistema estelar Fomalhaut

Composição do sistema estelar Fomalhaut

Uma equipe internacional de astrônomos, usando o ALMA (Atacama Large Millimeter Array), captou a primeira imagem completa, em comprimentos de onda milimétricos, do anel de detritos empoeirados que cercam a jovem estrela Fomalhaut.

Este círculo notavelmente bem definido de entulho e gás é provavelmente o resultado de exocometas que colidem uns com os outros perto das orlas externas de um sistema planetário a 25 anos-luz da Terra. As observações sugerem uma semelhança química com os cometas do nosso próprio Sistema Solar.

“O ALMA nos deu esta imagem incrivelmente clara de um disco de detritos totalmente formado,” afirma Meredith MacGregor, astrônoma do Centro Harvard-Smithsonian para Astrofísica em Cambridge, no estado norte-americano do Massachusetts e autora principal de dois estudos que serão publicados no Astrophysical Journal.

“Podemos finalmente ver a forma bem definida do disco, o que pode nos dizer muito sobre o sistema planetário subjacente responsável pela sua aparência altamente distintiva”, disse.

Fomalhaut é um sistema estelar relativamente próximo e todo o sistema tem aproximadamente 440 milhões de anos, cerca de um décimo da idade do nosso Sistema Solar.

Conforme revelado na nova imagem ALMA, há uma área brilhante de poeira gelada com cerca de 2 bilhões de quilômetros de espessura e a aproximadamente 20 bilhões de quilômetros da estrela.

Os discos de detritos são características comuns em torno de estrelas jovens e representam um período muito dinâmico e caótico na história de um sistema solar. Os astrônomos pensam que são formados pelas colisões em curso de cometas e outros planetesimais nas fronteiras exteriores de um sistema planetário recém-formado.

Os detritos remanescentes dessas colisões absorvem luz da sua estrela central e irradiam essa energia como um leve brilho no comprimento de onda milimétrico que pode ser estudado com o ALMA.

Através de novos dados ALMA e detalhados modelos de computador, os pesquisadores puderam calcular a localização precisa, largura e geometria do disco. De acordo com MacGregor, esses parâmetros confirmam que o anel estreito é provavelmente produzido pela influência gravitacional de planetas no sistema.

As novas observações do ALMA são também as primeiras a mostrar, definitivamente, o “brilho do apocentro“, um fenômeno previsto num artigo de 2016 da autora principal Margaret Pan, cientista do MIT e coautora dos novos artigos.

Tal como todos os objetos com órbitas alongadas, o material empoeirado no disco de Fomalhaut viaja mais devagar quando está mais distante da estrela. À medida que a poeira diminui a velocidade, se acumula, formando concentrações mais densas nas porções mais distantes do disco. Estas regiões densas podem ser observadas pelo ALMA como uma emissão mais brilhante nos comprimentos de onda milimétricos.

Usando o mesmo conjunto de dados ALMA, mas focando-se em sinais distintos em comprimentos de onda milimétricos naturalmente emitidos por moléculas no espaço, os pesquisadores detectaram ainda vastas reservas de monóxido de carbono no mesmo local que o disco de detritos.

“Estes dados nos permitem determinar que a abundância relativa do monóxido de carbono, juntamente com o dióxido de carbono em redor de Fomalhaut, é aproximadamente a mesma encontrada em cometas no nosso próprio Sistema Solar,” comenta Luca Matrà da Universidade de Cambridge, Reino Unido.

“Este parentesco químico poderá indicar uma semelhança nas condições de formação dos cometas entre as regiões exteriores deste sistema planetário e o nosso”, explica.

Matrà e seus colegas pensam que o gás pode ser libertado por colisões contínuas entre cometas ou resultar de um impacto único e gigante entre supercometas centenas de vezes mais massivos que o Cometa Hale-Bopp.

A presença deste disco de detritos bem definido em torno de Fomalhaut, juntamente com a sua composição química curiosamente familiar, poderia indicar que o sistema passa pela sua própria versão do Último Grande Bombardeamento, um período há aproximadamente 4 bilhões de anos em que a Terra e os outros planetas eram rotineiramente atingidos por asteroides e cometas deixados para trás pela formação do Sistema Solar.

“Há vinte anos, os melhores telescópios de comprimentos de onda milimétricos nos deram os primeiros mapas difusos dos grãos de poeira em órbita de Fomalhaut. Agora, com as capacidades do ALMA, conseguimos fotografar todo o anel de material de Fomalhaut. E esperamos conseguir, um dia, detectar os planetas que influenciam as órbitas destes grãos,” conclui Paul Kalas, astrônomo da Universidade da Califórnia em Berkeley.

// ZAP

DEIXE UMA RESPOSTA:

-

Hospital brasileiro adquire seu segundo robô cirurgião

O Hospital 9 de julho, de São Paulo, adquiriu segunda unidade de robô que realiza cirurgias complexas. O robô chamado “Da Vinci” auxilia os profissionais de saúde durante as cirurgias videolaparoscópicas robô-assistida. Entretanto, todo controle do …

-

Cientistas descobrem novo mecanismo para crescimento de cabelos

Pesquisadores da Universidade da Califórnia em San Francisco, nos EUA, descobriram que células T regulatórias, um tipo de célula imunológica geralmente associada ao controle da inflamação, desencadeia diretamente células-tronco na pele para promover o crescimento …

O terrorista suicida de Manchester, Salman Abedi

Polícia de Manchester revela fotografia do terrorista na noite do atentado

A polícia britânica revelou imagens das câmeras de vigilância, nas quais aparece o suposto autor do atentado terrorista de Manchester, Salman Abedi, informou o jornal Manchester Evening News. Segundo a polícia, as imagens foram registradas algumas horas …

-

Casa Branca estuda que advogados supervisionem tuítes de Trump

Casa Branca estuda pôr em mãos de advogados a supervisão das polêmicas mensagens que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, publica na sua conta do Twitter habitualmente, segundo informou "The Wall Street Journal". Este jornal, …

"Gabriel e a Montanha", Fellipe Gamarano Barbosa (2017)

Filme brasileiro “Gabriel e a montanha” recebe dois prêmios em Cannes

Produção conquistou o Prêmio Revelação France 4, por criatividade e inovação, além da premiação oferecida pela Fundação Gan, de apoio à distribuição. O longa-metragem “Gabriel e a montanha”, de Fellipe Barbosa, recebeu, nesta quinta-feira (25), dois …

Nova camada de placas tectônicas foi descoberta abaixo de Tonga, no Pacífico

Placas tectônicas recém-descobertas podem explicar terremotos misteriosos no Pacífico

Dentro do manto terrestre, uma imensa camada rochosa que fica entre a crosta e o núcleo da Terra, há uma nova camada de placas tectônicas, diz um novo estudo da Universidade de Houston, no Texas. E …

Airlander 10, o “bumbum voador gigante”

Maior aeronave do mundo registra terceiro voo bem sucedido

O Airlander 10, maior aeronave do mundo, conseguiu completar seu terceiro voo bem sucedido. Apelidado de "bumbum gigante", o híbrido de avião e dirigível ficou no ar por cerca de 180 minutos nesta sexta-feira (26). De …

-

Cérebro começa a devorar literalmente a si mesmo se não dormimos o suficiente

De acordo com um estudo da Universidade Politécnica de Marche, na Itália, nossos cérebros literalmente começam a devorar a si mesmos quando não dormimos o suficiente. A razão pela qual dormimos vai além de repor nossos …

Mulher gorda talvez obesa a ler na feira do livro do metro em São Paulo

Cientistas produzem anticorpo que pode impedir aumento de peso na menopausa

Um grupo internacional de cientistas dos EUA, Holanda, China e Reino Unido, conseguiu selecionar um anticorpo que aumenta a massa óssea e reduz a gordura corporal de cobaias na menopausa. Segundo os especialistas, após a menopausa …

-

China deixa de ser nação mais populosa do mundo

A Índia pode já ter superado a China como o país mais populoso do mundo. Entretanto, estas conclusões provocam dúvidas entre os demógrafos. O acadêmico Yi Fuxian, pesquisador da Universidade de Wisconsin-Madison, nos EUA, disse na …