Ato mobiliza comunidade contra extermínio de jovens negros em Belém

(dr) Juliana Aleixo

-

O dia primeiro de abril é considerado por muitas pessoas como o dia da mentira, mas para a comunidade do Barreiro, localizada na Região Metropolitana de Belém, a violência está longe de ser um simples boato. Na comunidade do Barreiro a violência, assim como suas vítimas, é real.

Por isso, a Agência de Notícia Jovens Comunicadores da Amazônia promoveu o seu segundo “Ato contra o Extermínio da Juventude Negra na comunidade”, no último sábado, dia 1 de abril. O evento reuniu dezenas de pessoas no bairro e percorreu várias ruas com a parceira da Pastoral do Menor, pertencente à Paróquia São Benedito.

Andréa do Rosário, coordenadora da Pastoral do Menor na comunidade do Barreiro, relatou a importância do ato para a mobilização da população. “Vai nos ajudar a sensibilizar os moradores da comunidade, que eles possam também saber sobre o extermínio da juventude na periferia”, declarou.

Durante a caminhada, os organizadores do ato abordaram moradores e moradoras com objetivo de sensibilizá-los sobre o tema do extermínio de jovens negros nas periferias, sobretudo chamando a atenção para o direito à vida das juventudes.

Um morador, cuja identidade foi preservada por segurança, relatou a dor em ver seus dois filhos assassinados em menos de um mês. ”Meus filhos nunca se envolveram no mundo do crime. O meu mais velho tinha 33 anos e o menor 12 anos e também não devia nada, mas a polícia que antes protegia, hoje ela mata”.

(dr) Juliana Aleixo

Mulher da comunidade Barreiro

Mulher da comunidade Barreiro

O ato terminou na Paróquia São Benedito, onde foi realizado um cine debate sobre racismo com crianças e adolescentes, a partir da exibição do curta Pode me chamar de Nadí, que retrata atos de racismo vivenciados por uma criança negra.

Extermínio de jovens negros e racismo institucional

De acordo com o Mapa de Violência de 2016, em 1980 foram registrados 8.710 homicídios por armas de fogo, saltando para 44.861 em 2014. A principal vítima da violência homicida no país são jovens negros de 15 a 29 anos.

Em 2003, a pesquisa contabilizou 20.291 vítimas negras; 11 anos depois, em 2014, o número aumentou em 46,9%, passando para 29.813 vítimas.

E essa violência se sustenta no racismo institucional e sistêmico. Estamos falando de vidas invisibilizadas, dentro de uma estrutura racista e negadora de direitos, que ainda respiram o ar do sistema escravista.

Logo, o extermínio segue “padrões” estabelecidos simbolicamente pela sociedade, percepções de quem seria o “elemento suspeito”, ou o “alvo a ser combatido”, padrões que são reproduzidos pelo braço do Estado, por exemplo, através da polícia militar.

O relatório final da Comissão Parlamentar de Inquérito sobre o assassinato de jovens no Brasil, publicado pelo Senado Federal em 2016, chama a atenção para a necessidade do país em combater um de seus maiores problemas sociais: o racismo.

“A morte de jovens negros no Brasil se relaciona fundamentalmente às sequelas provenientes dos mais de três séculos de vigência do regime escravista. A escravidão baseada na clivagem racial acarretou tanto a chaga do racismo, quanto do preconceito e da discriminação racial”, afirma o relatório.

“Até os dias de hoje as desigualdades sociais – notadamente às de renda e, principalmente, às de oportunidades, têm na diferenciação racial sua principal raiz explicativa”, conclui.

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA:

Descoberto um novo tipo de fotossíntese

A maioria da vida na Terra usa luz vermelha visível para realizar o processo da fotossíntese, mas os cientistas descobriram um novo tipo de fotossíntese que usa luz infravermelha. Cientistas do Imperial College London, no Reino …

Paleontólogos descobriram as “pegadas mais antigas da Terra”

Um grupo de cientistas da China afirma ter descoberto as “pegadas mais antigas” já encontradas. Os fósseis, localizados no Yangtze Gorges, no sul da China, foram formados em trilhas paralelas na lama e datam de …

Família de Anne Frank pode ter sido traída por mulher judia

Ans van Dijk. Esse é o nome da possível informante do regime que traiu a família de Anne Frank, afirma o livro De achtertuin van het Achterhuis. Um novo livro publicado na Holanda alega que a …

Freiras mexicanas estão empenhadas em salvar o axolote da extinção

O axolote está em perigo crítico de extinção. Mas há um grupo de freiras mexicanas que estão empenhadas em salvar a espécie. O axolote é uma espécie de salamandra aquática pequena que está atualmente em perigo …

Elon Musk vai construir túnel que liga aeroporto até o centro de Chicago

O próximo desafio de Elon Musk é nada mais do que um túnel entre o centro da cidade de Chicago e o aeroporto internacional O’Hare, com carros elétricos sem motorista. A cabeça de Elon Musk não para …

Macron promete óculos, próteses dentárias e aparelhos auditivos grátis

O presidente francês, Emmanuel Macron, se comprometeu a estabelecer gradualmente, até 1º de janeiro de 2021, um reembolso de 100% a óculos, aparelhos auditivos e próteses dentárias. Esta era uma das medidas que constava no …

Terremoto de magnitude 6,1 em Osaka faz três mortos e 200 feridos

Um sismo de magnitude 6,1 provocou, nesta segunda-feira (18), pelo menos três mortos e 200 feridos em Osaka, no Japão. O tremor causou estragos em estradas, residências e zonas industriais. De acordo com a televisão pública …

Preço do diesel diminui, mas ainda não chega às bombas R$ 0,46 menor

Pela segunda semana consecutiva, o preço do diesel nos postos do Brasil recuou, segundo levantamento da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). A queda é resultado do programa de subsídios ao combustível que …

Brasil deixou de arrecadar quase R$ 355 bilhões com renúncias fiscais em 2017

Com meta de deficit primário de R$ 159 bilhões neste ano e com um teto de gastos pelas próximas duas décadas, o governo teria melhores condições de sanear as contas públicas, de acordo com o …

Após quatro meses de intervenção no Rio, tiroteios aumentaram 36%

O Observatório da Intervenção, que acompanha as ações da medida no Rio de Janeiro, fez um balanço dos quatro meses de intervenção, a partir dos números do Fogo Cruzado, laboratório de dados sobre violência. Com um …