Ato mobiliza comunidade contra extermínio de jovens negros em Belém

(dr) Juliana Aleixo

-

O dia primeiro de abril é considerado por muitas pessoas como o dia da mentira, mas para a comunidade do Barreiro, localizada na Região Metropolitana de Belém, a violência está longe de ser um simples boato. Na comunidade do Barreiro a violência, assim como suas vítimas, é real.

Por isso, a Agência de Notícia Jovens Comunicadores da Amazônia promoveu o seu segundo “Ato contra o Extermínio da Juventude Negra na comunidade”, no último sábado, dia 1 de abril. O evento reuniu dezenas de pessoas no bairro e percorreu várias ruas com a parceira da Pastoral do Menor, pertencente à Paróquia São Benedito.

Andréa do Rosário, coordenadora da Pastoral do Menor na comunidade do Barreiro, relatou a importância do ato para a mobilização da população. “Vai nos ajudar a sensibilizar os moradores da comunidade, que eles possam também saber sobre o extermínio da juventude na periferia”, declarou.

Durante a caminhada, os organizadores do ato abordaram moradores e moradoras com objetivo de sensibilizá-los sobre o tema do extermínio de jovens negros nas periferias, sobretudo chamando a atenção para o direito à vida das juventudes.

Um morador, cuja identidade foi preservada por segurança, relatou a dor em ver seus dois filhos assassinados em menos de um mês. ”Meus filhos nunca se envolveram no mundo do crime. O meu mais velho tinha 33 anos e o menor 12 anos e também não devia nada, mas a polícia que antes protegia, hoje ela mata”.

(dr) Juliana Aleixo

Mulher da comunidade Barreiro

Mulher da comunidade Barreiro

O ato terminou na Paróquia São Benedito, onde foi realizado um cine debate sobre racismo com crianças e adolescentes, a partir da exibição do curta Pode me chamar de Nadí, que retrata atos de racismo vivenciados por uma criança negra.

Extermínio de jovens negros e racismo institucional

De acordo com o Mapa de Violência de 2016, em 1980 foram registrados 8.710 homicídios por armas de fogo, saltando para 44.861 em 2014. A principal vítima da violência homicida no país são jovens negros de 15 a 29 anos.

Em 2003, a pesquisa contabilizou 20.291 vítimas negras; 11 anos depois, em 2014, o número aumentou em 46,9%, passando para 29.813 vítimas.

E essa violência se sustenta no racismo institucional e sistêmico. Estamos falando de vidas invisibilizadas, dentro de uma estrutura racista e negadora de direitos, que ainda respiram o ar do sistema escravista.

Logo, o extermínio segue “padrões” estabelecidos simbolicamente pela sociedade, percepções de quem seria o “elemento suspeito”, ou o “alvo a ser combatido”, padrões que são reproduzidos pelo braço do Estado, por exemplo, através da polícia militar.

O relatório final da Comissão Parlamentar de Inquérito sobre o assassinato de jovens no Brasil, publicado pelo Senado Federal em 2016, chama a atenção para a necessidade do país em combater um de seus maiores problemas sociais: o racismo.

“A morte de jovens negros no Brasil se relaciona fundamentalmente às sequelas provenientes dos mais de três séculos de vigência do regime escravista. A escravidão baseada na clivagem racial acarretou tanto a chaga do racismo, quanto do preconceito e da discriminação racial”, afirma o relatório.

“Até os dias de hoje as desigualdades sociais – notadamente às de renda e, principalmente, às de oportunidades, têm na diferenciação racial sua principal raiz explicativa”, conclui.

DEIXE UMA RESPOSTA:

Astrônomos criam o mais preciso mapa do passado do Universo

Neste mês, um time de astrônomos apresentou o que é considerado o maior mapa 3D da evolução do universo. A imagem foi divulgada no European Week of Astronomy and Space Science, evento que aconteceu em …

"Mulher das cavernas" descobre 5 novas espécies de pseudo-escorpiões

Ao longo da última década, a portuguesa Ana Sofia Reboleira já descobriu 49 espécies. Dessa vez, a bióloga da Universidade de Aveiro (norte de Portugal) descobriu cinco novas espécies de pseudo-escorpiões. Os novos pseudo-escorpiões descobertos por …

DJ sueco Avicii morre aos 28 anos

O DJ sueco Tim Bergling, mais conhecido como Avicii, foi encontrado morto na cidade de Mascate, no Omã, na tarde desta sexta-feira (20). As informações são de sua agente, Diana Baron. "É com profundo pesar que …

Durante 17 anos, John foi professor - sem nunca ter aprendido a ler

John Corcoran é um professor norte-americano que lecionou durante 17 anos, sem nunca ter aprendido a ler. A história podia ter saído de um filme, mas é real. John Corcoran teve uma infância comum no Novo …

Disney exclui personagem de “Mulan” por ser visto como ícone bissexual

A Disney decidiu eliminar Li Shang do remake do filme “Mulan” porque, ao longo dos anos, a personagem tem sido vista como um ícone bissexual. Segundo o Independent, os fãs da Disney e de “Mulan”, filme …

Menor país do hemisfério sul vai mudar de nome

A Suazilândia, que se localiza na África Austral e faz fronteira com Moçambique e a África do Sul, é o menor país do hemisfério sul. No 50º aniversário da independência da nação, o rei Mswati III …

Banco transfere R$ 120 bilhões por engano

No âmbito de uma operação de negociação de derivados, o banco alemão Deutsche Bank transferiu acidentalmente 28 bilhões de euros (cerca de R$ 120 bilhões). Depois da troca recentemente na liderança do Deutsche Bank, o banco …

Transição no poder em Cuba é “ilegítima”, acusa secretário-geral da OEA

A transição no poder em Cuba “é ilegítima”, considerou o secretário-geral da Organização de Estados Americanos (OEA). Declaração foi dada no mesmo dia que a ilha escolheu o novo presidente, Miguel Díaz-Canel, o primeiro em …

Civilização industrial do tempo dos dinossauros é procurada por cientistas

Seres reptilianos e inteligentes chamados Silurianos viveram na Terra, muito antes de a humanidade aparecer. Certeza na ficção científica de “Doctor Who”, hipótese teórica de uma pesquisa que envolve o diretor do Instituto Goddard da …

“Elon Musk” russo é violado e torturado até a morte na prisão

O empreendedor Valery Pshenichny, conhecido como o Elon Musk russo, foi acusado de roubar 100 milhões de rublos – cerca de R$ 4,2 milhões. A coluna quebrada, sinais de choques elétricos, asfixia, sinais de facadas e …