Birmânia faz “limpeza étnica” da minoria muçulmana rohingya

A Birmânia está procedendo a uma “limpeza étnica” da minoria muçulmana rohingya, afirmou o representante do Alto Comissariado da ONU para os Refugiados (ACNUR) na cidade fronteiriça de Cox’s Bazar, no Bangladesh.

Aproximadamente 30 mil rohingya abandonaram suas casas na Birmânia para fugir à escalada de violência, depois de as tropas terem ocupado a zona onde habitam no início do mês, de acordo com dados da ONU.

John McKissick, chefe do ACNUR na cidade de Cox’s Bazar, no Bangladesh, na fronteira com a Birmânia, disse à BBC que os militares estavam “matando homens, incluindo a tiro, a massacrando crianças, estuprando mulheres e incendiando e saqueando suas casas, forçando essas pessoas a atravessar o rio” para o Bangladesh.

Daca tem resistido aos apelos internacionais para que abra sua fronteira para impedir uma crise humana, dizendo antes à Birmânia que tem de fazer mais para evitar que a minoria rohingya entre no país.

“É muito difícil para o governo do Bangladesh declarar que a fronteira está aberta porque isso iria encorajar o governo da Birmânia a continuar com as atrocidades e a ‘empurrá-los’ até atingir seu objetivo final de limpeza étnica da minoria muçulmana na Birmânia”, afirmou John McKissick

Um porta-voz do Presidente da Birmânia, Htin Kyaw, criticou os comentários.

“Eu gostaria de questionar o profissionalismo e a ética que devem ser seguidos e respeitos pelo pessoal da ONU. Ele deveria falar com base em factos concretos e verdadeiros, não deveria fazer acusações” desse tipo, reagiu Zaw Htay em declarações à agência AFP.

Não é a primeira vez que tais alegações são feitas relativamente à Birmânia.

Em abril de 2013, a Human Rights Watch afirmou que o país estava procedendo a uma campanha de limpeza étnica contra os rohingya – acusação igualmente rejeitada pelo então Presidente birmanês, Thein Sein, que falou de uma “campanha de difamação”.

Contudo, a escala do sofrimento humano se tornou mais clara na quinta-feira, com pessoas desesperadas como Mohammad Ayaz a contarem como as tropas atacaram sua aldeia e mataram sua mulher grávida.

Mohammad Ayaz relatou que os soldados mataram pelo menos 300 homens no mercado da aldeia e estupraram dezenas de mulheres antes de incendiar quase 300 casas, lojas de muçulmanos e a mesquita onde era imã.

“Eles mataram a minha mulher, Jannatun Naim, a tiro. Ela tinha 25 anos e estava grávida de sete meses. Eu me refugiei num canal com o meu filho de dois anos que foi atingido por uma coronha de uma espingarda”, disse Ayaz à agência noticiosa francesa.

Ayaz vendeu seu relógio e sapatos para pagar a travessia e encontrou abrigo num acampamento de refugiados rohingya não-registrados.

Muitos daqueles que procuram abrigo afirmaram ter andado durante dias e de ter atravessado em embarcações raquíticas o rio para o vizinho Bangladesh, onde centenas de milhares de refugiados rohingya vivem, oficialmente registados, há décadas.

A Birmânia não reconhece a cidadania aos rohingya – considerados pelas Nações Unidas uma das minorias mais perseguidas do planeta – que viram sua condição se agravar em 2012 na sequência de surtos de violência sectária com a maioria budista do estado de Rakhine, no oeste do país, que resultaram em dezenas de mortos.

Desde então, as autoridades limitaram sua liberdade de movimentos, forçando milhares a viver confinados em suas aldeias ou amontados em campos de refugiados, e aprovaram leis que restringem o número de filhos e os casamentos inter-religiosos.

Com o agravamento da crise, o Bangladesh anunciou na quarta-feira que tinha convocado o embaixador birmanês para transmitir sua “profunda preocupação”.

“Apesar do sincero esforço de nossos guardas de fronteira para travar o influxo, milhares de cidadãos desesperados, incluindo mulheres, crianças e idosos, continuam a atravessar a fronteira para o Bangladesh”, sendo que “milhares de outros estarão concentrados junto à fronteira”, indicaram as autoridades.

Desde que a violência se agudizou, os guardas de fronteira do Bangladesh intensificaram as patrulhas e destacaram um maior contingente e navios adicionais para a costa.

Segundo fontes oficiais, foi travada a entrada na fronteira de aproximadamente mil rohingya desde segunda-feira.

Deen Mohammad, um agricultor, figura entre os milhares que conseguiram escapar às patrulhas, entrando sorrateiramente pela cidade fronteiriça de Teknaf há quatro dias, com sua mulher, dois dos seus filhos e outros três familiares.

“Eles [exército da Birmânia] levaram os meus dois meninos, com nove e 12 anos, quando entraram na minha aldeia. Eu não sei o que lhes aconteceu”, relatou Deen Mohammad, de 50 anos, à agência AFP.

“Eles levaram as mulheres para os quartos e se fecharam lá dentro. Até 50 mulheres e meninas da nossa aldeia foram estupradas e torturadas“, disse, indicando que as casas da sua aldeia foram incendiadas, fazendo eco de testemunhos idênticos por parte de outros recém-chegados ao Bangladesh.

A Human Rights Watch revelou, essa semana, com base em imagens de satélite, que mais de mil habitações em aldeias da minoria rohingya foram destruídas no estado de Rakhine.

O exército birmanês negou ter posto fogo às casas e até culpou os próprios rohingya.

// ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

George W. Bush: o suposto plano para matar ex-presidente dos EUA desbaratado pelo FBI

Um simpatizante do Estado Islâmico planejava assassinar o ex-presidente dos EUA George W. Bush, mas o plano foi descoberto pelo FBI (polícia federal americana), segundo autoridades dos Estados Unidos. O suspeito, um residente de Ohio, supostamente …

O que se sabe sobre misterioso surto de varíola dos macacos

Casos recentes da doença na América do Norte e Europa acenderam o alerta entre especialistas. Endêmico na África, vírus é transmitido por animais contaminados e por contato próximo prolongado entre pessoas. Autoridades de saúde na América …

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …