“Bolsonaro merece Nobel da estupidez”, diz jornal francês

Tânia Rêgo / Agência Brasil

O candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro

A imprensa francesa, nacional e regional, debate o quiprocó entre Brasil e França, que começou com a questão da Amazônia, resvalou para insultos pessoais por parte dos representantes brasileiros e, nesta quarta-feira (28), trata do recuo de Bolsonaro sobre a oferta de ajuda do G7 para combater o fogo na Amazônia.

Na noite de terça-feira (27), o porta-voz Otavio Rego Barros foi insistentemente questionado sobre se a ajuda do G7 seria recebida e se a exigência do pedido de desculpas de Macron havia sido deixada de lado.

No entanto, ele repetiu por diversas vezes que o Brasil só irá impor que a verba seja condicionada ao reconhecimento da soberania e a governança do governo brasileiro.
A maioria dos jornais francesas considerou que o fato de Macron condicionar a continuidade do tratado comercial entre o Mercosul e a União Europeia à medidas ambientais de proteção na Amazônia fez com que Bolsonaro fosse obrigado a recuar.

Para Macron, foi a oportunidade de voltar a ser bem visto por boa parte da opinião pública francesa que o criticava, dizendo que o tratado era uma ameaça a medidas ambientais.

Criticar Bolsonaro mas com mira em Trump

Em editorial, o jornal Charente Libre diz que para Emmanuel Macron “enfrentar o Trump brasileiro é bem menos arriscado que criticar o presidente da primeira potência mundial, e assim se apresentar como o defensor do clima. Criticar Bolsonaro permite ao mesmo tempo falar mal do modelo americano, que apoia o brasileiro abertamente, sem atacar [Trump] de frente. Essa foi a estratégia de início de mandato que não deu certo”.

“Se a estupidez e a irresponsabilidade tivessem um prêmio Nobel, ele seria indiscutivelmente dado a Jair Bolsonaro, apesar da forte concorrência atualmente no cenário internacional em tempos de pobreza intelectual”, diz o jornal L’Union, de Reims.

Já o Courrier Picard, opina que, “ao condicionar o tratado comercial entre a União Europeia e o Mercosul com exigências ambientais, e principalmente ao respeito ao Acordo de Paris, Emmanuel Macron ganhou parte da opinião pública e assim pressiona Bolsonaro. Se o brasileiro quiser exportar suas mercadorias, precisa ceder às exigências da Europa. Ponto para Macron, que ao mesmo tempo se livra de um tratado indigesto e que divide”.

O editorialista acrescenta que “Bolsonaro não para de gritar, mas líderes populistas devem ser combatidos de frente, insistindo sobre as consequências de seus atos”.

Estratégia errada de Bolsonaro

O editorialista do Sud-Ouest lembra que o presidente francês “disse claramente que uma floresta tão importante para o clima mundial e compartilhada por nove países – incluindo a França, na Guiana – poderia ter um estatuto internacional, o que foi interpretado como uma bandeira vermelha para o nacionalismo brasileiro, do qual Bolsonaro é o representante”.

Para “apagar o fogo que ameaça sua popularidade, Bolsonaro deveria restaurar uma política de proteção ambiental, para a qual nenhum apoio internacional seria desprezível”, acrescenta.

Segundo La Presse de La Manche, “a tensão criada, em sua origem, por Bolsonaro e seus insultos à França são no mínimo medíocres, inadmissíveis e preocupantes”. Para resolver a situação, “bastaria chamar a Paris nosso embaixador do Brasil, para acalmar o jogo e só retomar o diálogo quando o senhor Bolsonaro sair de sua crise de histeria”, acrescenta.

// RFI BR

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Mal de Parkinson pode 'começar' antes do nascimento, diz estudo

Um novo estudo investigando a origem da doença de Parkinson jogou células do cérebro de pacientes em um verdadeiro "túnel do tempo". O objetivo foi identificar, especificamente em pacientes com manifestação precoce do Parkinson — diagnosticados …

Neste hotel os hóspedes dormem em bolhas na selva em meio a elefantes resgatados

Paraíso dos amantes de natureza e belas praias, a Tailândia já figura como destino preferido dos aventureiros há alguns anos. Com hospedagens para todos os gostos e bolsos, o país também possui diversas reservas ambientais …

Jamais pediria ajuda a Trump, diz Bolsonaro sobre brasileiros deportados

O presidente Jair Bolsonaro afirmou neste domingo (26/01), em visita de Estado à Índia, que "jamais" pediria ao líder americano, Donald Trump, para que brasileiros deportados por terem entrado ilegalmente nos Estados Unidos recebessem tratamento …

Destroços de navio de centenas de anos são encontrados na Polônia

Arqueólogos encontraram um navio naufragado de várias centenas de anos, bem como uma ponte destruída da 2ª Guerra Mundial em um rio polonês. Arqueólogos encontraram um navio naufragado de várias centenas de anos, bem como uma …

Por que cientistas estão determinados a provar que Einstein estava errado

Ano entra, ano sai, e tanto a lei dos corpos em queda de Galileu Galilei quanto a teoria da relatividade de Albert Einstein são testadas novamente apenas para os pesquisadores confirmarem pela enésima vez que …

Bolsonaro faz apologia à ignorância, afirmam historiadoras no jornal Le Monde

  O jornal Le Monde que chegou às bancas na tarde desta segunda-feira (27) traz um texto de meia página criticando a política cultural em vigor atualmente Brasil. Assinado por duas historiadoras francesas e uma brasileira, …

OMS considera elevado risco global de coronavírus

A Organização Mundial da Saúde admitiu nesta segunda-feira (27/01) um erro na avaliação de risco global do novo coronavírus, que surgiu na China, e disse que o nível correto é elevado. Anteriormente, ele havia sido …

Quem é Vanessa Nakate, ativista negra cortada de foto com Greta em Davos

O tema era o meio-ambiente, mas o debate sofre o futuro da humanidade ganhou outros vultos quando a jovem ativista climática de Uganda, Vanessa Nakate, descobriu que havia sido cortada pela agência de notícias Associated …

Sobreviventes retornam a Auschwitz nos 75 anos da libertação

Autoridades de 50 países participam da solenidade no antigo campo de concentração na Polônia, em meio a temores pelo aumento do antissemitismo. "Precisamos tomar cuidado para que não volte a acontecer", diz sobrevivente. Mais de 200 …

Por que cientistas querem tanto provar que Einstein e Galileu estavam errados

Ano entra, ano sai, e tanto a lei dos corpos em queda de Galileu Galilei quanto a teoria da relatividade de Albert Einstein são testadas novamente apenas para os pesquisadores confirmarem pela enésima vez que …