Processo de impeachment contra Trump deixa Ucrânia em posição difícil

Gage Skidmore / Flickr

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump

Em meio a inquérito nos EUA, presidente Zelensky se vê num dilema: se confirmar pressão de Washington, perde a boa vontade de Trump. Se desmentir, arrisca fechar a porta para uma futura Casa Branca sob Joe Biden.

Volodymyr Zelensky queria alcançar fama internacional. Seu sonho se tornou realidade – mas não da forma que ele imaginava. Como ator, ele sonhava ser célebre no mundo inteiro, disse numa entrevista, no início de outubro. Mas “isso, eu não queria”, comentou o presidente da Ucrânia sobre seu papel como figura-chave nos pré-inquéritos para um possível processo de impeachment contra seu homólogo americano, Donald Trump.

Meio ano após ser eleito, o bem-sucedido humorista de TV, de 41 anos, e com ele, toda a Ucrânia, está na mira da política dos Estados Unidos e da mídia, e a tendência é crescente. O detonador foi o relatório anônimo de um whistleblower dos meios de segurança americanos sobre um telefonema entre Trump e Zelensky, em 25 de julho.

Os democratas do Congresso dos EUA acusam seu presidente de abuso do cargo, por ter sugerido investigações contra o ex-vice-presidente Joe Biden, possível adversário de Trump nas eleições de 2020. Antes do telefonema, o presidente sustara centenas de milhões de dólares destinados à ajuda militar para a Ucrânia. Trump e Zelensky negam ter havido pressão de Washington sobre Kiev.

Caso se inicie o processo de impeachment, políticos ucranianos também deverão ser convidados a depor em Washington. Nunca, na história recente, a antiga república soviética recebeu tanta atenção, nem mesmo durante a anexação da Crimeia, em 2014. Mas, se na época o país tinha que se esforçar, por todo o mundo, para obter atenção, desta vez é o contrário.

Zelensky praticamente não se pronuncia em público sobre os desdobramentos na capital americana. A Ucrânia está “cansada” da celeuma em torno da controversa participação do filho de Biden na empresa privada de gás Burisma, declarou o presidente nesta terça-feira (19/11) à emissora americana de TV CNN: o país já tem “suficientes problemas próprios”.

Segundo o colunista da DW em Kiev Serhiy Rudenko, Zelensky se encontra num dilema.

“Se ele admitir que houve pressão de Washington, perde a boa vontade do atual presidente dos EUA. Se desmentir, arrisca assim fechar a porta para a futura Casa Branca, caso Joe Biden assuma.”

Volodymyr Yermolenko, da organização midiática Internews Ukraine, vê a situação de forma semelhante: “Creio que a estratégia de Kiev consiste em evitar tomar partido”, comentou à DW. A Ucrânia não pode se permitir perder o apoio americano, pois assim ficaria, de fato, sozinha diante da Rússia.

No entanto, Kiev não permaneceu inteiramente neutro, e anunciou que o caso Burisma voltou a ser examinado pela Procuradoria-Geral do país. Também a suposta ingerência ucraniana no pleito presidencial americano de 2016 poderá ser investigada, declarou Zelensky, frisando que Washington não apresentou quaisquer provas de tal interferência.

 

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Quantos anos de vida saudável os ricos ganham em relação aos pobres?

Um novo estudo europeu e americano descobriu que os ricos possuem cerca de nove anos de vida saudável a mais do que os pobres. A pesquisa foi bastante abrangente – os cientistas analisaram dados de mais …

O país sul-americano que deve crescer 14 vezes mais que a China neste ano

A Guiana ganhou na loteria e está prestes a resgatar o prêmio. Seus vizinhos, especialmente a Venezuela, aguardam intrigados para saber em que ela vai gastar. De acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI), a economia …

Portugal supera marca histórica de 500 mil imigrantes residindo no país; brasileiros são a maioria

Portugal atingiu um número recorde de imigrantes vivendo no país. O anúncio foi feito pelo governo nesta quarta-feira (15), durante debate no Parlamento sobre o Orçamento de Estado para 2020. "Os dados preliminares levam a dizer …

Papa Francisco nomeia primeira mulher para cargo de alto escalão no Vaticano

Pela primeira vez, uma mulher ocupará um cargo de alto nível no Vaticano. O Papa Francisco nomeou Francesca Di Giovanni para a função de vice-ministra da Secretaria de Estado da Santa Sé, órgão equivalente ao …

Khamenei chama Trump de "palhaço" e exalta ataque a bases dos EUA

Em primeiro sermão desde 2012, líder supremo do Irã afirma que Trump finge apoio ao povo iraniano e pede união após dizer que queda de avião foi "acidente trágico". EUA admitem que militares ficaram feridos. O …

Uma desconhecida explosão de ondas gravitacionais foi detectada na Terra

Os detectores de ondas gravitacionais da Terra, os observatórios LIGO e Virgo, identificaram uma misteriosa “explosão” de ondas gravitacionais não prevista na última terça-feira, 14 de janeiro. As ondas gravitacionais detectadas até hoje foram resultado de …

Twitter pede desculpas por permitir anúncios direcionados a neonazistas

O Twitter emitiu hoje (16), um pedido de desculpas público, logo após a BBC fazer uma denúncia de que a plataforma de anúncios da empresa estava permitindo o direcionamento de conteúdo para neonazistas e outros …

SP quer lei para incentivar uso de veículos híbridos e elétricos

Um novo projeto de lei apresentado em São Paulo pretende combater os problemas ambientais provocados pelos carros à combustão, que utilizam os tão poluentes combustíveis fósseis, através do incentivo ao uso de veículos elétricos ou …

Ataques iranianos teriam deixado 11 militares dos EUA feridos

Ao menos 11 militares norte-americanos foram retirados do Iraque para receberem tratamento médico em decorrência dos ataques iranianos contra as bases dos EUA. "Quando ficarem aptos para o serviço, estes militares regressarão ao Iraque", declarou à …

Evo recua e diz que não pretende mais criar milícias

Em carta pública divulgada nesta quinta-feira (16/01), o ex-presidente da Bolívia Evo Morales, que está refugiado na Argentina há mais de um mês, recuou da ideia de promover a formação de milícias no país. "Há alguns …