Processo de impeachment contra Trump deixa Ucrânia em posição difícil

Gage Skidmore / Flickr

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump

Em meio a inquérito nos EUA, presidente Zelensky se vê num dilema: se confirmar pressão de Washington, perde a boa vontade de Trump. Se desmentir, arrisca fechar a porta para uma futura Casa Branca sob Joe Biden.

Volodymyr Zelensky queria alcançar fama internacional. Seu sonho se tornou realidade – mas não da forma que ele imaginava. Como ator, ele sonhava ser célebre no mundo inteiro, disse numa entrevista, no início de outubro. Mas “isso, eu não queria”, comentou o presidente da Ucrânia sobre seu papel como figura-chave nos pré-inquéritos para um possível processo de impeachment contra seu homólogo americano, Donald Trump.

Meio ano após ser eleito, o bem-sucedido humorista de TV, de 41 anos, e com ele, toda a Ucrânia, está na mira da política dos Estados Unidos e da mídia, e a tendência é crescente. O detonador foi o relatório anônimo de um whistleblower dos meios de segurança americanos sobre um telefonema entre Trump e Zelensky, em 25 de julho.

Os democratas do Congresso dos EUA acusam seu presidente de abuso do cargo, por ter sugerido investigações contra o ex-vice-presidente Joe Biden, possível adversário de Trump nas eleições de 2020. Antes do telefonema, o presidente sustara centenas de milhões de dólares destinados à ajuda militar para a Ucrânia. Trump e Zelensky negam ter havido pressão de Washington sobre Kiev.

Caso se inicie o processo de impeachment, políticos ucranianos também deverão ser convidados a depor em Washington. Nunca, na história recente, a antiga república soviética recebeu tanta atenção, nem mesmo durante a anexação da Crimeia, em 2014. Mas, se na época o país tinha que se esforçar, por todo o mundo, para obter atenção, desta vez é o contrário.

Zelensky praticamente não se pronuncia em público sobre os desdobramentos na capital americana. A Ucrânia está “cansada” da celeuma em torno da controversa participação do filho de Biden na empresa privada de gás Burisma, declarou o presidente nesta terça-feira (19/11) à emissora americana de TV CNN: o país já tem “suficientes problemas próprios”.

Segundo o colunista da DW em Kiev Serhiy Rudenko, Zelensky se encontra num dilema.

“Se ele admitir que houve pressão de Washington, perde a boa vontade do atual presidente dos EUA. Se desmentir, arrisca assim fechar a porta para a futura Casa Branca, caso Joe Biden assuma.”

Volodymyr Yermolenko, da organização midiática Internews Ukraine, vê a situação de forma semelhante: “Creio que a estratégia de Kiev consiste em evitar tomar partido”, comentou à DW. A Ucrânia não pode se permitir perder o apoio americano, pois assim ficaria, de fato, sozinha diante da Rússia.

No entanto, Kiev não permaneceu inteiramente neutro, e anunciou que o caso Burisma voltou a ser examinado pela Procuradoria-Geral do país. Também a suposta ingerência ucraniana no pleito presidencial americano de 2016 poderá ser investigada, declarou Zelensky, frisando que Washington não apresentou quaisquer provas de tal interferência.

 

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Polônia é multada em € 1 milhão por dia por desobedecer decisão judicial da UE

A Polônia foi condenada nesta quarta-feira (27) a pagar para a Comissão Europeia, órgão Executivo do bloco, uma multa diária de € 1 milhão por não ter encerrado as atividades da câmara disciplinar da …

Startup ajuda pequenas empresas a monitorarem vacinação dos funcionários

A startup brasileira White Tents lançou uma versão em formato freemium — isto é, gratuita mas com alguns recursos pagos — de sua plataforma digital para pequenas empresas que queiram monitorar a vacinação de até …

Argentina vacinará brasileiros na região de fronteira e turistas estrangeiros menores de 18 anos

O governo argentino anunciou uma nova flexibilização para a entrada de estrangeiros no país, a vacinação de turistas menores de 18 anos e de cidadãos de países vizinhos que atravessarem a fronteira por via …

CPI da Pandemia conclui trabalhos e pede o indiciamento de Bolsonaro

Senadores aprovam relatório sobre atuação do governo na crise do coronavírus que propõe punição de 78 pessoas e duas empresas, após seis meses de depoimentos, coleta de provas e repercussão na mídia. A CPI da Pandemia …

Sinais de possível 1º exoplaneta fora da Via Láctea são detectados

Pela primeira vez na história, é possível que os cientistas tenham descoberto um planeta em outra galáxia. O possível exoplaneta recebeu o nome de M51-ULS-1 e se encontra a 28 milhões de anos-luz de distância na …

China vai vacinar crianças a partir de três anos contra a covid-19

Imunizantes aprovados são das farmacêuticas chinesas Sinopharm e Sinovac, fabricante da Coronavac. País será um dos primeiros a começar a vacinar essa faixa etária. No total, China já vacinou 76% da população. Ao menos cinco províncias …

"Bolsonaro ignora todas as necessidades culturais dos brasileiros", diz Gilberto Gil à revista Télérama

A imprensa francesa desta segunda-feira (25) destaca o show de Gilberto Gil nesta noite na Filarmônica de Paris. O músico brasileiro conversou com o jornal Le Monde e com a revista Télérama. "Gilberto Gil", embaixador …

"Peças extraordinárias" achadas na Indonésia podem ser da lendária "ilha do Ouro"

Tesouros no valor de milhões de dólares encontrados nos últimos cinco anos ao longo do rio Musi podem ser do antigo império malaio Serivijaia, na ilha de Sumatra, que por 300 anos dominou as rotas …

Pandemia de Covid-19 vai acabar "quando o mundo decidir acabar com ela", diz diretor da OMS

A pandemia de Covid-19 vai acabar "quando o mundo decidir acabar com ela", disse neste domingo (24) o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Ghebreyesus. O representante da ONU discursou na abertura …

Google está “criando Deus”, alerta ex executivo da Google

Segundo um ex-executivo do Google, a singularidade está chegando. E, segundo ele isso representa uma grande ameaça para a humanidade. Mo Gawdat, ex-diretor de negócios da organização moonshot do Google, que na época se chamava Google …