Campo magnético de curta duração da Lua pode estar “morto” há 4 bilhões de anos, revela estudo

Marshall Space Flight Center / NASA

De acordo com os cientistas, estudar o solo da superfície lunar pode fornecer informações sobre as propriedades físicas do Sol no passado, o que nos ajudará a entender melhor as condições na Terra primitiva.

Depois de estudar o satélite, a equipe descobriu que o campo magnético da Lua pode já ter desaparecido há pelo menos 4 bilhões de anos. Depois que a Lua foi formada há cerca de 4,5 bilhões de anos, ela teria gerado um campo magnético que conseguia desviar partículas carregadas do Sol. As descobertas dos cientistas foram publicadas na revista Science Advances.

Há cerca de uma década, os astronautas da missão Apollo trouxeram rochas lunares magnetizadas que indicavam pela primeira vez que a Lua já teve um “dínamo interno”, dentro do qual rocha derretida e rica em ferro está presente no seu núcleo que deu origem a um campo magnético. No entanto, não ficou claro por quanto tempo esse fenômeno durou.

John Tarduno, geofísico da Universidade de Rochester em Nova York, é o principal autor do estudo e disse que o núcleo da Lua é extremamente pequeno. Neste novo estudo, Tarduno e seus colegas examinaram a magnetização de algumas amostras de rocha lunar coletadas durante a missão Apollo.

“Analisar o magnetismo de minúsculos fragmentos de metal presos em cristais em rochas datando de 3,9 bilhões, 3,6 bilhões, 3,3 bilhões e 3,2 bilhões de anos atrás mostrou que essas rochas mal eram magnetizadas”, afirmou o estudo.

Após rigorosa observação, a equipe sugeriu que a magnetização de peças vidro aconteceu devido ao impacto do meteorito que também formou o próprio vidro e não gerou um campo magnético por pelo menos 4 bilhões de anos.

“Mas as análises também descobriram que um pedaço de vidro lunar formado durante o impacto de um meteorito há cerca de 2 milhões de anos tinha um campo magnético forte – apenas um pouco mais fraco do que o da Terra hoje. Isso é estranho porque todos concordam que não há um campo magnético na Lua agora, e não havia um há 2 milhões de anos. Como isso acontece “, disse Tarduno.

No passado, vários estudos apontaram que o impacto de um meteorito pode produzir forte magnetização nas rochas. Em seu estudo, os cientistas também informaram que a superfície lunar foi repetidamente atingida por meteoritos ao longo do tempo.

“Isso significa que outras amostras lunares relativamente jovens e altamente magnetizadas que os pesquisadores confundiram podem ter obtido sua magnetização dessa forma”, explicou o cientista.

Ciberia // Sputnik

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Sinais de possível 1º exoplaneta fora da Via Láctea são detectados

Pela primeira vez na história, é possível que os cientistas tenham descoberto um planeta em outra galáxia. O possível exoplaneta recebeu o nome de M51-ULS-1 e se encontra a 28 milhões de anos-luz de distância na …

China vai vacinar crianças a partir de três anos contra a covid-19

Imunizantes aprovados são das farmacêuticas chinesas Sinopharm e Sinovac, fabricante da Coronavac. País será um dos primeiros a começar a vacinar essa faixa etária. No total, China já vacinou 76% da população. Ao menos cinco províncias …

"Bolsonaro ignora todas as necessidades culturais dos brasileiros", diz Gilberto Gil à revista Télérama

A imprensa francesa desta segunda-feira (25) destaca o show de Gilberto Gil nesta noite na Filarmônica de Paris. O músico brasileiro conversou com o jornal Le Monde e com a revista Télérama. "Gilberto Gil", embaixador …

"Peças extraordinárias" achadas na Indonésia podem ser da lendária "ilha do Ouro"

Tesouros no valor de milhões de dólares encontrados nos últimos cinco anos ao longo do rio Musi podem ser do antigo império malaio Serivijaia, na ilha de Sumatra, que por 300 anos dominou as rotas …

Pandemia de Covid-19 vai acabar "quando o mundo decidir acabar com ela", diz diretor da OMS

A pandemia de Covid-19 vai acabar "quando o mundo decidir acabar com ela", disse neste domingo (24) o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Ghebreyesus. O representante da ONU discursou na abertura …

Google está “criando Deus”, alerta ex executivo da Google

Segundo um ex-executivo do Google, a singularidade está chegando. E, segundo ele isso representa uma grande ameaça para a humanidade. Mo Gawdat, ex-diretor de negócios da organização moonshot do Google, que na época se chamava Google …

Pandemia causa a maior redução na expectativa de vida desde a Segunda Guerra

Desde a descoberta do coronavírus SARS-CoV-2, mais de 4,9 milhões de pessoas morreram oficialmente em consequência da infecção, segundo levantamento da Universidade Johns Hopkins. Nesse cenário, a pandemia da covid-19 reduziu a expectativa de vida …

Forças Armadas da Noruega assinam contrato bilionário de mísseis para caças F-35

Noruega tem sido um parceiro ativo no programa de caças dos EUA F-35, tendo em conta que 18 empresas deste país nórdico são parceiros diretos. Subsequentemente, a Noruega decidiu adquirir 52 caças F-35 para substituir …

Brasil fez lobby para mudar relatório climático, diz Greenpeace

Vários países, entre eles o Brasil, tentaram fazer mudanças em um crucial relatório da ONU sobre como combater o aquecimento global, afirmou o Greenpeace nesta quinta-feira (21/10), citando um grande vazamento de documentos. Os documentos aos …

Site da Coreia do Sul é usado para hospedar vírus e distribuí-lo via torrents

Uma campanha de distribuição de malwares na Coreia do Sul está disfarçando cavalos de troia de acesso remoto como um jogo para o público adulto, compartilhado via serviço de hospedagem de arquivos, como o WebHard, …