Cientistas desenvolvem técnica para eliminar neurônios que atuam sobre obesidade

MLazarevski / Flickr

-

Cientistas em Portugal desenvolveram uma nova técnica para eliminar em ratos neurônios situadas fora do cérebro e atuar sobre os processos que, por exemplo, causam a obesidade, de acordo com um estudo publicado nesta segunda-feira pela revista Nature.

A pesquisa, liderada pelo Instituto Gulbenkian de Ciência (IGC), identificou neurônios do sistema nervoso periférico que atuam sobre o tecido adiposo e constatou que sua eliminação provocou um aumento de peso significativo e rápido nos ratos.

Esta técnica, asseguram seus responsáveis, abre as portas para o estudo de um grande número de doenças relacionadas com o sistema nervoso periférico e com outras células localizadas fora do cérebro.

O IGC, em colaboração com a Universidade de Santiago de Compostela (Espanha), com a Universidade de Cambridge (R.Unido) e com as universidades americanas de Yale e Rockefeller, deu assim mais um passo no estudo dos mecanismos neurobiológicos implicados, entre outros, na obesidade.

Recentemente, o IGC descobriu que a ativação direta do citado conjunto de neurônios, que transmitem impulsos nervosos ao tecido adiposo em ratos, leva o organismo a queimar gorduras.

Para este novo estudo, os especialistas queriam comprovar se a eliminação desses mesmos neurônios periféricos provocava o efeito contrário nos roedores.

Ao comprovar que os animais aumentaram seus níveis de gordura, os cientistas confirmaram que é possível atuar sobre esses neurônios sem afetar outros similares que se localizam no cérebro.

“Agora podemos estudar o funcionamento de muitas células periféricas não só na obesidade, mas também em muitas outras doenças”, destacou a especialista Ana Domingos em comunicado.

Esta técnica se baseia no uso de um receptor da toxina da difteria, que foi introduzido geneticamente nos neurônios que enviam impulsos ao tecido adiposo dos ratos para deixá-los expostos a sua ação aniquiladora.

“O problema é que [esta toxina] pode atravessar a barreira hematoencefálica. Em consequência, não podemos utilizar esta ferramenta molecular para eliminar neurônios periféricos sem afetar neurônios similares que existem no cérebro”, afirmou Domingos.

Para fazer frente a este problema, os especialistas modificaram quimicamente a toxina da difteria para aumentar seu tamanho e limitar seu acesso ao cérebro, já que, “normalmente, as moléculas grandes” não podem atravessar a fronteira hematoencefálica, lembrou a investigadora.

“Esta nova técnica nos permitiu verificar a importância dos neurônios que transmitem impulsos ao tecido adiposo para manter uma adiposidade normal. Mas, sobretudo, elimina os possíveis efeitos secundários que a técnica anterior pode causar sobre o cérebro”, concluiu Domingos.

// EFE

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

George W. Bush: o suposto plano para matar ex-presidente dos EUA desbaratado pelo FBI

Um simpatizante do Estado Islâmico planejava assassinar o ex-presidente dos EUA George W. Bush, mas o plano foi descoberto pelo FBI (polícia federal americana), segundo autoridades dos Estados Unidos. O suspeito, um residente de Ohio, supostamente …

O que se sabe sobre misterioso surto de varíola dos macacos

Casos recentes da doença na América do Norte e Europa acenderam o alerta entre especialistas. Endêmico na África, vírus é transmitido por animais contaminados e por contato próximo prolongado entre pessoas. Autoridades de saúde na América …

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …