Coronavírus fez entregadores de delivery trabalharem mais e receberem menos

Uma pesquisa comandada pela Rede de Estudos e Monitoramento da Reforma Trabalhista (Remir Trabalho) e divulgada pela BBC Brasil afirmou que os entregadores de delivery por aplicativo – como Rappi, Ifood, Loggi e Uber Eats – estão trabalhando cada vez mais durante a pandemia do coronavírus e que não estão recebendo mais por isso.

Segundo o levantamento, feito com 226 entregadores em 26 cidades do Brasil, o rendimento médio dos trabalhadores não cresceu durante a pandemia, enquanto o número de horas trabalhadas aumentou.

O estudo indica que 77,4% dos entregadores trabalham pelo menos 6 dias por semana. Equipamentos de proteção, como máscaras e álcool gel, não são de responsabilidade da empresa e por isso, muitos deles acabam trabalhando por horas desprotegidos em meio à pandemia.

Como boa parte desses entregadores não tem vínculos empregatícios com as empresas que os “conectam com os pedidos”, existe uma grande insegurança sobre as responsabilidades entre os apps e os motoboys.

O valor das corridas não é fixo e isso pode levar a uma redução do rendimento dos profissionais durante o período. Além disso, a desobrigação de fornecer equipamentos de proteção individual surge desse vácuo trabalhista.

Com o aumento da quarentena, os serviços de Delivery aumentaram de maneira como nunca se viu no Brasil. Mas isso não quer dizer que esse aumento na conta das empresas vai se direcionar para a parte mais importante do serviço, a entrega:

O trabalhador já vive no limite financeiro e não pode parar. Não interessa se a saúde está em risco, se eles não estão dando proteção ou garantias de trabalho. A Rappi em março teve um aumento de 300% do número de cadastros. Provavelmente aumentou o contingente enquanto está rebaixando o valor da hora de trabalho sem deixar isso claro. Inclusive não há nenhuma pré-determinação do valor mínimo da hora de trabalho desses motociclistas”, afirmou a professora da Unicamp Ludmila Costhek Abílio e coordenadora da pesquisa à BBC Brasil.

A indignação da classe tem aumentado como nunca antes se viu. No último dia 17, uma manifestação de motoqueiros de aplicativo se reuniu na Avenida Paulista pedindo mais direitos e segurança durante a pandemia. Um motoboy fez um importante relato ao The Intercept Brasil relatando a precarização e a dificuldade de conseguir auxílio das empresas:

“A gente sabe que as empresas estão ganhando muito mais, tanto é que elas pararam de divulgar o faturamento. Sabemos que a (empresa de delivery) Rappi em fevereiro tinha tido crescimento de 30% na América Latina, mas depois não temos mais dados. O mais importante pra gente pensar agora é que os motofretistas viraram trabalhadores de serviço essencial e precisam ser valorizados”, complementou Ludmila Costhek Abílio.

Com exceção da Ifood, nenhuma das empresas de entrega (Rappi, Loggi e Uber Eats) negaram uma redução de rendimentos. À BBC, questionaram a metodologia da pesquisa, afirmando que foram poucos entrevistados. A Ifood, entretanto, afirmou que “não houve redução no valor das entregas durante a pandemia, o que significa que a afirmação de que ‘os entregadores estão trabalhando no mínimo a mesma quantidade de horas e ganhando bem menos’ não é aplicável aos entregadores que trabalham com o iFood”.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Criador do Novichok aponta falta de principais sintomas da substância em Navalny

Leonid Rink não considera convincente a evidência apresentada pela Alemanha sobre o alegado uso do Novichok contra o opositor russo, pois, se isso tivesse acontecido, os efeitos teriam sido diferentes. Podem ter sido encontrados vestígios de …

Este pode ser o 1º planeta descoberto em outra galáxia, a 23 milhões de anos-luz

Astrônomos encontraram um candidato a planeta localizado em outra galáxia, bem longe da Via Láctea, em uma região de intensa atividade caótica. Este mundo distante parece ser um pouco menor do que Saturno e orbita um …

EUA: Trump causa alvoroço ao recusar transição pacífica caso perca as eleições

Donald Trump tensionou a classe política nos Estados Unidos ao se recusar a garantir uma passagem pacífica do poder se perder a eleição presidencial dos Estados Unidos para Joe Biden, em 3 de novembro. Bastou uma …

Escolas de samba adiam desfile de Carnaval no Rio de Janeiro

A Liga Independente das Escolas de Samba do Rio de Janeiro (Liesa) decidiu adiar os desfiles das escolas de samba do grupo especial, que aconteceriam em fevereiro, devido à pandemia de covid-19. A decisão foi tomada, …

Governo brasileiro publica portaria sobre aborto retirando obrigatoriedade de informar polícia

Nova portaria publicada nesta quinta-feira (24) no Diário Oficial retira a obrigatoriedade de que a polícia seja avisada sobre a realização de abortos previstos em lei. O texto é assinado pelo ministro da Saúde, Eduardo Pazuello. …

Asteroide passa ‘raspando’ pela Terra e chega mais perto de nós do que satélites de TV

Por pouco não tivemos a ‘visita‘ de um asteroide na manhã desta quinta-feira (24). O evento era, basicamente, a cereja do bolo do que está sendo o anos de 2020. Quase! O objeto, chamado de ‘2020 …

Sarcófago de 'supervisor dos tronos' é desenterrado no Egito

Um sarcófago de pedra calcária e várias estatuetas funerárias ushebti foram descobertas na cidade egípcia de Minya, por uma missão arqueológica do país, liderada por Mostafa al-Waziry, o secretário-geral do Conselho Supremo de Antiguidades do …

Trump não se compromete com transferência pacífica de poder

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, recusou-se a se comprometer com uma transferência pacífica de poder caso seja derrotado na eleição presidencial de 3 de novembro. "Vamos ver o que vai acontecer", disse Trump, ao …

TikTok impõe restrições em anúncios de emagrecimento para combater gordofobia

O TikTok anunciou nesta quarta-feira (23) uma série de novas regras que restringem a veiculação de anúncios de aplicativos e suprimentos de emagrecimento dentro da plataforma. Segundo o comunicado oficial da rede social, o objetivo das …

Volkswagen vai indenizar ex-trabalhadores que denunciaram ditadura militar no Brasil

A subsidiária da montadora alemã Volkswagen anunciou que vai indenizar ex-trabalhadores por violações de direitos humanos no Brasil. Como reconhecido pela própria empresa, seus serviços de segurança interna colaboraram com a ditadura militar brasileira …