Covid-19 já causou a morte de um milhão de pessoas no mundo

António Lacerda / EPA

Nove meses após seu surgimento na China, a pandemia de Covid-19 superou, neste domingo (27), o número simbólico de um milhão de mortos no mundo. No total, o coronavírus causou 1.000.009 mortes e 33.018.877 casos foram detectados, dos quais 22.640.048 pessoas se recuperaram da doença.

As drásticas medidas adotadas por muitos países para evitar a propagação do SARS-Cov-2 não foram suficientes para frear a pandemia. A Organização Mundial da Saúde (OMS) alertou na sexta-feira que as mortes provocadas pela Covid-19 podem atingir a marca de dois milhões de óbitos, caso as orientações para barrar os contágios pelo vírus não forem mantidos ou sejam flexibilizados.

As regiões mais atingidas em número de mortes são a América Latina e o Caribe (341.032 mortes, 9.190.683 casos), a Europa (229.945; 5.273.943) e os Estados Unidos e Canadá (214.031 e 7.258.663).

O trauma coletivo provocado pela epidemia ainda é difícil de ser mensurado. As imagens de covas comuns cavadas no Brasil, de um necrotério improvisado no Palácio de Gelo de Madri e de caminhões frigoríficos com cadáveres nas ruas de Nova York devem povoar durante muito tempo o imaginário da população em todo o mundo.

Muitos corpos não puderam ser velados pelos familiares devido às medidas sanitárias. “Nem em meus piores pesadelos imaginei que passaria por isso”, disse Mônica, 45 anos, ao lembrar que precisou reconhecer o cadáver de seu pai, Oscar Farías, prestes a ser cremado, falecido em Buenos Aires em 27 de abril aos 81 anos.

Em 11 de janeiro, a China registrou oficialmente a primeira morte pelo SARS-CoV-2, o vírus responsável pela Covid-19 que começou a se propagar na província de Wuhan, onde foi detectado em dezembro. Em um mês, a China registrou mais de 1.000 mortes, um balanço mais grave do que o deixado pelo SARS (Síndrome Respiratório Agudo Severo), que circulou na Ásia em 2002-2003 e matou 774 pessoas.

A partir de fevereiro, o vírus passou a provocar mortes fora de China e seu crescimento foi exponencial, primeiro na Europa, que observa agora o surgimento de uma segunda onda de contágios, e em seguida no continente americano, onde os números de casos e óbitos se mantêm altos desde junho.

A resposta governamental foi drástica na imensa maioria dos casos. Em meados de abril, cerca de 60% da população mundial, o equivalente a 4,5 bilhões de pessoas, se via afetada por algum tipo de isolamento. As consequências econômicas deste fechamento, inédito na história, atingiram todo o planeta.

Comércios fechados, ruas desertas, aeroportos vazios, penúria de abastecimento em mercados: o mundo nunca havia vivido uma situação sanitária semelhante nas últimas décadas. Em junho, o Fundo Monetário Internacional (FMI) calculou que o PIB sofreria uma contração de 4,9% em 2020. Em um ano, o setor aéreo perdeu 92% de seu volume de voos. Os grandes eventos esportivos foram suspensos ou cancelados e os Jogos Olímpicos de Tóquio adiados para 2021, sem a certeza de que poderão ser realizados.

O clínico-geral francês Patrick Vogt, de Mulhouse, lembra do momento em que se deu conta de que a Covid-19 estava por todas as partes. A cidade, no leste da França, se tornou o principal foco de coronavírus no país em março. Diante de uma doença totalmente nova, outros profissionais da saúde começaram a ficar doentes e alguns morreram. Não era apenas uma gripe, como acreditavam no início, mas sim uma doença potencialmente grave e mortal, e em alguns com consequências para a saúde a longo prazo, ainda desconhecidas.

Epidemia volta a atingir a Ásia

Na Ásia, onde foram registrados menos 100 óbitos por dia até meados de abril, a alta é contínua desde então, principalmente devido à situação da Índia, onde mais de seis milhões de pessoas foram contaminadas. Em escala mundial, a curva se encontra estável desde início de junho, com cerca de 5.000 mortes diárias, segundo números oficiais.

Diversos laboratórios do mundo estão envolvidos na corrida pela fabricação de uma vacina. Na melhor das hipóteses, uma imunização poderá ser aprovada até o fim do ano. Na quinta-feira, o grupo biotecnológico americano Novavax anunciou que iniciou no Reino Unido um teste clínico de fase final para sua potencial vacina. Trata-se da 11ª vacina experimental do mundo que entra na fase final dos testes clínicos.

O número de um milhão de mortes pela pandemia do novo coronavírus é impressionante em comparação com outras epidemias recentes, como a gripe A (H1N1), que em 2009 causou 18.500 óbitos. É menor, porém, que a destruição causada pela “gripe espanhola” de 1918-1919, que teria sido responsável pela morte de cerca de 50 milhões de pessoas, de acordo com dados publicados no início dos anos 2000.

// RFI

 

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Processo contra o Google nos EUA pode afetar o modo como você usa seu celular

Na última terça-feira (23), o Departamento de Justiça dos EUA entregou um "presente de Halloween" pouco agradável ao Google: um gigantesco processo antitruste, acusando a empresa de práticas que eliminam a competição nos mercados de …

Chilenos decidem a favor de nova Constituição por ampla maioria

Em plebiscito, quase 80% dos eleitores votam a favor de uma nova Carta Magna, em substituição à herdada da era Pinochet, e de que ela seja escrita por uma Assembleia Constituinte com igualdade entre mulheres …

'Vai comprar lá na Venezuela', rebate presidente a apoiador que reclamou de preço do arroz

O presidente Jair Bolsonaro rebateu neste domingo (25), durante passeio de moto por Brasília, crítica de apoiador sobre a alta do preço do arroz. No momento em que saia da Feira Permanente do Cruzeiro, região administrativa …

Espanha, Itália e França ampliam restrições em fim de semana com recorde de casos da Covid-19

Os líderes europeus intensificam as medidas de combate à pandemia do coronavírus, depois da alta de 42% de novos casos da Covid-19 em uma semana. A Itália reforçou neste domingo as medidas de restrição …

Pistachio, o cãozinho filhote que nasceu com pelo verde na Itália

O fazendeiro italiano Cristian Mallocci esperava uma ninhada normal de cachorros de sua cadelinha labradora. Entretanto, ao ver os filhotinhos que nasceram, ele percebeu que um era um pouquinho diferente. ‘Pistachio’, como foi nomeado posteriormente, …

Fóssil de pterossauro nunca antes visto de 100 milhões de anos é descoberto na China

Um novo gênero e uma nova espécie de pterossauro dsungaripterídeo, que viveu durante o Cretáceo Inferior, foram catalogados na China após análise de uma mandíbula inferior incompleta. Pterossauros eram répteis voadores que viveram simultaneamente com os …

A consciência é um campo energético: afirma estudo

Uma nova ideia incomum em neurociência sugere que nossa consciência é derivada de um campo de ondas eletromagnéticas emitidas pelos neurônios quando disparam suas cargas elétricas. A ideia é que essas ondas de atividade elétrica sejam …

Pais gays viram alvo de investigações na Rússia

Alguns anos atrás, o advogado Vladimir (nome modificado), morador de uma grande cidade russa, decidiu ter um filho com o auxílio de uma mãe de aluguel. Sua família inteira ficou contente quando uma menina nasceu. …

Líbano: Saad Hariri volta ao posto de primeiro-ministro para formar novo governo

Saad Hariri foi nomeado novamente primeiro-ministro do Líbano, com o desafio de chegar a um acordo com as várias forças políticas do país e formar um governo capaz de realizar as reformas necessárias para …

Alunos incentivam câmeras ligadas para que professores não ‘falem’ com telas em branco

Para amenizar a sensação de solidão de professores em aulas online, alunos norte-americanos começaram a usar o TikTok para incentivar mais estudantes a abrirem as câmeras durante encontros educacionais à distância. A usuária da rede social …