Cratera sob o Golfo do México pode esconder detalhes sobre origem da vida na Terra

NASA World Wind Globe / Wikimedia

-

Cientistas perfuraram a Cratera de Chicxulub de 200 km de diâmetro soterrada debaixo da Península de Iucatã, no México, e estão descobrindo que o impacto do asteroide que exterminou os dinossauros guardam pistas sobre a origem da vida na Terra.

Eles afirmam que as rochas contêm indícios de que abrigaram um grande “sistema hidrotermal”, no qual fluidos de alta temperatura corriam através de rachaduras e fissuras. Sistemas similares, gerados por outros impactos no início da formação do planeta, podem ter ajudado a dar início às primeiras formas de vida.

O sistema hidrotermal de Chicxulub pode ter permanecido ativo por 2 milhões de anos ou mais, acreditam os cientistas. David Kring, do Instituto Planetário e Lunar de Houston, no Texas, nos Estados Unidos, é um dos pesquisadores que descobriu e relatou a localização da cratera.

“O impacto gerou um sistema hidrotermal subterrâneo muito grande”, explica ele à BBC.

“Estamos usando a Cratera de Chicxulub como um ponto de partida para analisar outros eventos de grande impacto no início da história da Terra, uma vez que esses tipos de sistemas podem ter sido cruciais para a química prebiótica e os habitats durante a evolução da vida no nosso planeta”, acrescenta.

Cerca de 829 metros de material localizado no núcleo da Cratera de Chicxulub foram perfurados entre maio e junho de 2016. Desde então, cientistas vêm examinando as rochas da cratera, criadas a partir do impacto de um asteroide de 15 km de diâmetro há 66 milhões de anos.

O projeto de perfuração teve como foco uma área conhecida como anéis de pico, que contém rochas que se movimentaram a uma grande distância com a colisão.

Falando sobre a descoberta durante a Conferência de Ciência Lunar e Planetária, que está sendo realizada no Texas, a professora Sonia Tikoo, que estuda paleomagnetismo, afirmou que os núcleos permitem aos cientistas calcular a duração desse sistema hidrotermal.

Reversão do campo magnético

A direção do campo magnético da Terra muda a cada 100 mil anos, aproximadamente. Quando a extinção dos dinossauros ocorreu, a polaridade era inversa à de hoje.

Sonia destaca que os cientistas ficaram surpresos ao descobrir uma polaridade normal, ou seja, na mesma direção da que temos hoje em dia no planeta, em algumas amostras de brechas (tipo de rocha formada por diversos pedaços de minerais e rochas diferentes untadas por um cimento mineral).

“Passados 300 mil anos, o campo magnético da Terra se reverte e assume uma polaridade ‘normal’, ou seja, na direção contrária à que tinha quando ocorreu o impacto. Essas rochas devem ter adquirido a magnetização durante um desses períodos de polaridade normal que aconteceram depois (da colisão). Isso nos permite estimar por quanto tempo esses fluidos quentes atravessaram a cratera”, explicou Sonia.

Os cientistas acreditam que, inicialmente, todo o sistema deve ter sido muito quente até para os micro-organismos mais tolerantes ao calor.

No entanto, com o passar do tempo, os “anéis de pico”, formações típicas de grandes crateras de impacto, criadas pela elevação do solo após as colisões, teriam esfriado, permitindo, assim, que pequenas formas de vida se alimentassem das substâncias químicas dissolvidas nos fluidos quentes.

“Em relação ao sistema hidrotermal, fomos capazes de inferir a mineralogia que os fluidos de água quente produziram. Começamos, assim, a rastrear a evolução termal: quão quente a água ficou e como ela se resfriou”, explica Kring.

“Por fim, a água chegou a uma temperatura ideal para permitir a vida de organismos termofílicos e hipertermofílicos – o mesmo tipo de biota que vive em fontes vulcânicas de água quente. Esses micro-organismos viveram dentro das fendas e rachaduras dessa cratera abaixo da superfície”, acrescenta.

Kring diz não saber ainda “quão diversa essa população era”. “São duas espécies que permaneceram por milhões de anos? Ou veremos uma explosão de vida de modo que, de repente, teremos 15 ou 30 ou 50 espécies?”, questiona.

Dementia / Flickr

Localização da Cratera de Chicxulub, que extinguiu os dinossauros há 65 milhões de anos

Localização da Cratera de Chicxulub, resultado do impacto que extinguiu os dinossauros há 66 milhões de anos

O impacto do asteroide exterminou 75% das espécies da Terra, incluindo os dinossauros. Destroços lançados na atmosfera provavelmente escureceram os céus e esfriaram a temperatura global.

Também teriam provocado incêndios violentos. Mas cientistas não sabem por que esse cataclismo ambiental matou os dinossauros, enquanto que outros animais, como espécies de aves e mamíferos sobreviveram.

“Não sabemos por que alguns animais, como tartarugas, sobreviveram. Mas ao analisar essa cratera poderemos ter noção de alguns limites para parâmetros importantes, como energia e, assim, obter essas respostas”, conclui.

O projeto para perfurar a Cratera de Chicxulub foi realizado pelo Consórcio Europeu para Pesquisa de Perfuração Oceânica (ECORD, na sigla em inglês) como parte do Programa de Descoberta de Oceanos Internacionais (IODP, na sigla em inglês).

A expedição também recebeu apoio do Programa de Perfuração Científica Continental Internacional (ICDP).

// BBC

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

CIA teria considerado assassinar Assange durante presidência de Trump, aponta relatório

Jornalistas, analistas políticos e organizações de imprensa ficaram chocados neste domingo (26) após lançamento de uma reportagem que acusa membros da administração do ex-presidente dos EUA, Donald Trump, de haver planejado assassinato do fundador do …

Cresce a desconfiança nas instituições no Brasil, segundo Datafolha

A confiança dos brasileiro nas instituições públicas sofreu uma queda generalizada desde julho de 2019, com a maior piora ocorrendo na avaliação da Presidência da República, segundo pesquisa Datafolha divulgada neste sábado (25/09). Também houve aumento …

Alemanha: social-democratas saem à frente nas eleições, mas disputa é acirrada

Os social-democratas alemães saíram na frente neste domingo (26) nas eleições parlamentares que marcam o fim da era Merkel, de acordo com as estimativas iniciais, mas os conservadores da chanceler alemã ainda pretendem disputar …

Revelada consequência grave da COVID-19 mais frequente do que se acreditava

Novo estudo revelou que os pacientes com COVID-19 que foram internados em unidades de terapia intensiva (UTI) têm mais possibilidade de desenvolver deficiências cognitivas contínuas. O estudo de quase 150 pacientes internados no início da pandemia …

Fundo de Bill Gates investe US$ 50 milhões em robôs agricultores que poupam água

A startup norte-americana Iron Ox recebeu um aporte de US$ 53 milhões (R$ 280,5 milhões) para melhorar sua tecnologia de robôs usados na agricultura e que consomem 90% menos água que plantações tradicionais. O dinheiro veio …

Bolsonaro pede à população que tome banho frio e evite elevador

O presidente Jair Bolsonaro pediu nesta quinta-feira (23/09) à população que tome banho frio e evite usar o elevador para economizar energia elétrica. "Aqui são três andares. Quando tem que descer, mesmo que o elevador esteja …

A incrível descoberta que indica presença humana nas Américas muito antes do que se pensava

Novas descobertas científicas apontam que humanos chegaram às Américas pelo menos 7 mil anos antes do que se estimava anteriormente. As pesquisas em torno do momento em que o continente americano passou a ser povoado a …

Mianmar: Justiça americana ordena quebra de sigilo do Facebook para investigar ameaças contra rohingyas

Um juiz americano ordenou ao Facebook que divulgue os arquivos de contas ligadas de membros do exército birmanês e de milícias budistas que perseguiram a minoria Rohingya em Mianmar. A decisão, que encontra resistência …

Eduardo Bolsonaro está com covid-19

O deputado federal Eduardo Bolsonaro, filho do presidente Jair Bolsonaro, está com covid-19. A informação foi divulgada nesta sexta-feira (24/09) por vários sites brasileiros de notícias. O próprio Eduardo teria confirmado seu diagnóstico ao portal …

Covid: o que alta em internação de idosos revela sobre efetividade da vacina e 3ª dose

As últimas estatísticas de casos, internações e mortes por covid-19 no Brasil trazem uma conclusão importante: as vacinas funcionam e protegem contra as formas graves da doença, mas algumas pessoas mais vulneráveis realmente precisam tomar …