Cratera sob o Golfo do México pode esconder detalhes sobre origem da vida na Terra

NASA World Wind Globe / Wikimedia

-

Cientistas perfuraram a Cratera de Chicxulub de 200 km de diâmetro soterrada debaixo da Península de Iucatã, no México, e estão descobrindo que o impacto do asteroide que exterminou os dinossauros guardam pistas sobre a origem da vida na Terra.

Eles afirmam que as rochas contêm indícios de que abrigaram um grande “sistema hidrotermal”, no qual fluidos de alta temperatura corriam através de rachaduras e fissuras. Sistemas similares, gerados por outros impactos no início da formação do planeta, podem ter ajudado a dar início às primeiras formas de vida.

O sistema hidrotermal de Chicxulub pode ter permanecido ativo por 2 milhões de anos ou mais, acreditam os cientistas. David Kring, do Instituto Planetário e Lunar de Houston, no Texas, nos Estados Unidos, é um dos pesquisadores que descobriu e relatou a localização da cratera.

“O impacto gerou um sistema hidrotermal subterrâneo muito grande”, explica ele à BBC.

“Estamos usando a Cratera de Chicxulub como um ponto de partida para analisar outros eventos de grande impacto no início da história da Terra, uma vez que esses tipos de sistemas podem ter sido cruciais para a química prebiótica e os habitats durante a evolução da vida no nosso planeta”, acrescenta.

Cerca de 829 metros de material localizado no núcleo da Cratera de Chicxulub foram perfurados entre maio e junho de 2016. Desde então, cientistas vêm examinando as rochas da cratera, criadas a partir do impacto de um asteroide de 15 km de diâmetro há 66 milhões de anos.

O projeto de perfuração teve como foco uma área conhecida como anéis de pico, que contém rochas que se movimentaram a uma grande distância com a colisão.

Falando sobre a descoberta durante a Conferência de Ciência Lunar e Planetária, que está sendo realizada no Texas, a professora Sonia Tikoo, que estuda paleomagnetismo, afirmou que os núcleos permitem aos cientistas calcular a duração desse sistema hidrotermal.

Reversão do campo magnético

A direção do campo magnético da Terra muda a cada 100 mil anos, aproximadamente. Quando a extinção dos dinossauros ocorreu, a polaridade era inversa à de hoje.

Sonia destaca que os cientistas ficaram surpresos ao descobrir uma polaridade normal, ou seja, na mesma direção da que temos hoje em dia no planeta, em algumas amostras de brechas (tipo de rocha formada por diversos pedaços de minerais e rochas diferentes untadas por um cimento mineral).

“Passados 300 mil anos, o campo magnético da Terra se reverte e assume uma polaridade ‘normal’, ou seja, na direção contrária à que tinha quando ocorreu o impacto. Essas rochas devem ter adquirido a magnetização durante um desses períodos de polaridade normal que aconteceram depois (da colisão). Isso nos permite estimar por quanto tempo esses fluidos quentes atravessaram a cratera”, explicou Sonia.

Os cientistas acreditam que, inicialmente, todo o sistema deve ter sido muito quente até para os micro-organismos mais tolerantes ao calor.

No entanto, com o passar do tempo, os “anéis de pico”, formações típicas de grandes crateras de impacto, criadas pela elevação do solo após as colisões, teriam esfriado, permitindo, assim, que pequenas formas de vida se alimentassem das substâncias químicas dissolvidas nos fluidos quentes.

“Em relação ao sistema hidrotermal, fomos capazes de inferir a mineralogia que os fluidos de água quente produziram. Começamos, assim, a rastrear a evolução termal: quão quente a água ficou e como ela se resfriou”, explica Kring.

“Por fim, a água chegou a uma temperatura ideal para permitir a vida de organismos termofílicos e hipertermofílicos – o mesmo tipo de biota que vive em fontes vulcânicas de água quente. Esses micro-organismos viveram dentro das fendas e rachaduras dessa cratera abaixo da superfície”, acrescenta.

Kring diz não saber ainda “quão diversa essa população era”. “São duas espécies que permaneceram por milhões de anos? Ou veremos uma explosão de vida de modo que, de repente, teremos 15 ou 30 ou 50 espécies?”, questiona.

Dementia / Flickr

Localização da Cratera de Chicxulub, que extinguiu os dinossauros há 65 milhões de anos

Localização da Cratera de Chicxulub, resultado do impacto que extinguiu os dinossauros há 66 milhões de anos

O impacto do asteroide exterminou 75% das espécies da Terra, incluindo os dinossauros. Destroços lançados na atmosfera provavelmente escureceram os céus e esfriaram a temperatura global.

Também teriam provocado incêndios violentos. Mas cientistas não sabem por que esse cataclismo ambiental matou os dinossauros, enquanto que outros animais, como espécies de aves e mamíferos sobreviveram.

“Não sabemos por que alguns animais, como tartarugas, sobreviveram. Mas ao analisar essa cratera poderemos ter noção de alguns limites para parâmetros importantes, como energia e, assim, obter essas respostas”, conclui.

O projeto para perfurar a Cratera de Chicxulub foi realizado pelo Consórcio Europeu para Pesquisa de Perfuração Oceânica (ECORD, na sigla em inglês) como parte do Programa de Descoberta de Oceanos Internacionais (IODP, na sigla em inglês).

A expedição também recebeu apoio do Programa de Perfuração Científica Continental Internacional (ICDP).

// BBC

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Estudo sugere que 2,5 bilhões de tiranossauros rex viveram na Terra

Estimativa inédita da população total dos dinossauros foi publicada na revista "Science". Biólogo brasileiro integrou equipe da Universidade da Califórnia que fez o cálculo. Se um Tyrannosaurus rex já parece bastante assustador, imagine 2,5 bilhões deles. …

Submarino soviético atingido por minas alemãs encontrado no mar de Barents

Uma expedição da Frota do Norte russa e da Sociedade Geográfica Russa encontrou no mar de Barents o submarino Katyusha, afundado durante a Segunda Guerra Mundial, de acordo com informação do serviço de imprensa da …

Filme desaparecido do mestre do cinema Orson Welles pode estar no Brasil

Apaixonado por Orson Welles, um documentarista norte-americano se prepara para ir ao Brasil relançar a busca de um filme desaparecido do mestre de Hollywood, Orson Welles: a versão original de "The Magnificent Ambersons", que …

Cientistas criam embriões que são parte humanos, parte macacos

Pela primeira vez, cientistas criaram embriões que são uma mistura de células humanas e macacos. Os embriões, descritos quinta-feira na revista Cell, foram criados em parte para tentar encontrar novas formas de produzir órgãos para pessoas …

Criatura misteriosa em árvore que assustou moradores em cidade da Polônia era croissant

Quando autoridades polonesas receberam o chamado de que um animal incomum estava escondido em uma árvore da cidade de Cracóvia, não sabiam o que esperar. "As pessoas não estão abrindo as janelas porque estão com medo …

"Os Simpsons": Hank Azaria se desculpa por dar voz ao personagem indiano Apu

O ator e dublador Hank Azaria pediu desculpas por sua contribuição ao racismo estrutural contra a população indiana. Azaria, que é branco, foi a voz por trás do personagem Apu Nahasapeemapetilon no desenho animado Os Simpsons …

STF confirma anulação das condenações de Lula na Lava Jato

Plenário do Supremo referenda decisão de Fachin que considerou a 13ª Vara Federal de Curitiba incompetente para julgar ações contra o ex-presidente. Com isso, petista retoma o direito de disputar eleições em 2022. O plenário do …

Biden: EUA estão prontos para mais medidas se Rússia continuar a interferir na nossa democracia

Em discurso nesta quinta-feira (15), o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, disse que notificou o presidente russo, Vladimir Putin, de que seu governo poderia ter tomado mais medidas contra a Rússia, mas preferiu ser …

Eurodeputados defendem que Bolsonaro seja responsabilizado por necropolítica

O embaixador brasileiro na União Europeia, Marcos Galvão, pediu nesta quinta-feira "vacinas, vacinas e vacinas" para tirar o Brasil "da situação desastrosa" em que se encontra. Durante audiência com deputados do Parlamento Europeu, em …

Robô em forma de estrela vai estudar o fundo do mar

Cientistas do MIT criaram uma estrela-do-mar robótica, que consegue nadar pela vizinhança sem chamar muita atenção. Um dos principais problemas enfrentados pelos robôs marinhos é que eles não se parecem com peixes ou com alguma outra …