Há esperança para os daltônicos: criada lente de contato que corrige as cores

Pineapple Supply Co. / Pexels

Na forma mais comum, os daltônicos não distinguem o verde do vermelho

Usando um corante de baixo custo, cientistas da Universidade de Birmingham, no Reino Unido, desenvolveram lentes de contato que podem ser uma grande ajuda para os daltônicos.

Ajudar os daltônicos tendo em conta a sua conta bancária. Foi este o objetivo de um grupo de pesquisadores da Universidade de Birmingham, que criou uma correção para o daltonismo que promete ajudar as pessoas que sofrem da condição sem ser preciso gastar muito dinheiro.

Atualmente, vários métodos têm sido propostos para aumentar a percepção das cores. No entanto, os produtos que existem hoje no mercado, como os óculos de filtragem de cor, são caros, grandes e incompatíveis com outros óculos corretores de visão.

Foi por isso que Abdel-Rahman Badawy e seus colegas desenvolveram uma versão mais barata de correção para o daltonismo: uma lente de contato comercial tingida com um corante derivado da rodamina.

Este derivado da rodamina foi escolhido devido à sua capacidade de absorver certos comprimentos de onda da luz. Os cientistas envolvidos descobriram que o corante bloqueia a banda que fica entre os comprimentos de onda vermelho e verde, que é percebido por dois conjuntos de cones óticos correspondentes simultaneamente.

(dr) Universidade de Birmingham

A solução de Abdel-Rahman Badawy é simples: lente de contato comercial tingida com um corante derivado da rodamina

Segundo o Phys.org, a remoção desta banda inibe o disparo simultâneo dos cones designados para bandas de comprimento de onda verde e vermelho, permitindo assim uma melhor diferenciação entre as cores em questão.

Haider Butt, orientador da estudo, adiantou que os cientistas estão “tentando usar um processo semelhante para corrigir o daltonismo roxo-azul, e também para reunir uma série de corantes para fazer as lentes funcionarem para daltonismo vermelho-verde e roxo-azul simultaneamente”.

Os testes clínicos em humanos irão começar em breve.

Daltonismo, a “doença das cores”

O daltonismo é um distúrbio ocular genético hereditário que faz com que as pessoas que sofrem desta doença tenham dificuldades em distinguir certas cores. Há pessoas que confundem o vermelho e o verde, mas há também quem sofra de uma incapacidade total de visualização de cores.

Wikimedia

Teste de cores de Ishihara. Pessoas com visão normal identificam o número “74”. Muitos portadores de daltonismo encontram na figura o número “21”. Indivíduos com cegueira cromática não encontram nenhum número.

A visão normal das cores é a tricromática, isto é, qualquer cor pode ser criada se combinarmos as cores azul, vermelho e verde, percebidas por um grupo de cones na parte de trás do olho. Estes cones são divididos em três grupos, responsáveis pelos comprimentos de onda curtos (azul), médios (verde) e longos (vermelho).

Quando algum destes cones está em minoria, o cérebro recebe informações distorcidas, levando assim a uma capacidade limitada de identificar certos tipos de cor.

Ciberia // ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

"Tesouro" espetacular de antigos artefatos de caça na Noruega é descoberto sob gelo derretido

Arqueólogos descobriram um “tesouro” de artefatos enquanto outra grande mancha de gelo derrete nas montanhas norueguesas, revelando um total de 68 flechas e muitos outros itens de um antigo local de caça de renas. As primeiras …

Não é mais 90%? AstraZeneca assume erro de eficácia da vacina da COVID-19

A AstraZeneca e a Universidade de Oxford, que estão desenvolvendo juntas uma vacina contra a COVID-19, revelaram na última quarta-feira (25) que houve um erro no momento da divulgação dos resultados dos testes da vacina …

6G colocaria China em posição de liderança 'inatacável' sobre EUA, diz analista

Enquanto os padrões de tecnologia 5G para redes celulares de banda larga ainda estão sendo implementados em vários países, a China recentemente lançou um satélite 6G em órbita. Descrito como o primeiro satélite 6G do mundo, …

Sri Lanka escava fosso para manter elefantes longe de lixão

Um fosso está sendo cavado ao redor de um lixão no Sri Lanka para impedir que elefantes invadam o local à procura de comida entre montes de resíduos plásticos. Os animais vão regularmente até o …

Pela primeira vez, Trump admite deixar a Casa Branca

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou pela primeira vez que deixará a Casa Branca caso o Colégio Eleitoral vote no democrata Joe Biden, embora mantenha sua tese de que houve fraude na eleição …

Mutação da Covid-19: Premiê da Dinamarca chora e se desculpa por massacre de visons

A primeira-ministra da Dinamarca, Mette Frederiksen, 43 anos, se desculpou pessoalmente nesta quinta-feira por sua gestão da pandemia. Enxugando as lágrimas, ela reconheceu que seu governo errou ao determinar o massacre de milhares de …

Herdeira da Disney diz que "tinha vergonha do sobrenome" ao falar de doação milionária

Abigail Edna Disney cresceu com muita vergonha do sobrenome que ostentava. Desde pequena, mais precisamente depois que completou dez anos, percebeu que o tamanho do patrimônio da família não condizia com a realidade da maioria …

Arqueólogos revelam restos mortais de cachorro de 8.400 anos descoberto na Suécia

Após vários meses de meticulosos trabalhos de escavação, foram finalmente revelados os restos mortais de um cachorro, de uma raça há muito tempo desaparecida, enterrado há mais de 8.400 anos na Suécia ao lado de …

“Cogumelos mágicos” são 4x melhores do que antidepressivos, descobre estudo

Quando a psilocibina, a molécula psicodélica descoberta nos cogumelos mágicos (Psilocybe cubensis), é usada durante a psicoterapia, parece possuir efeitos antidepressivos rápidos, substanciais e duradouros contra a depressão maior, de acordo com um novo ensaio …

Sem Trump, Putin e Bolsonaro ensaiam aproximação

Moscou sabe que a troca de poder na Casa Branca abre brecha na política externa brasileira. O elogio do presidente russo às "qualidades masculinas" de Bolsonaro pode ser apenas o primeiro sinal de uma aproximação. "O …