Os humanos não viam azul até os tempos modernos

A visão humana é incrível – a maioria de nós é capaz de ver cerca de 1 milhão de cores, e ainda assim não sabemos se todos percebemos essas cores da mesma maneira. Agora, os cientistas conseguiram provar que, até os tempos modernos, os humanos não viam realmente a cor azul.

As primeiras evidências do fenômeno, explica o Business Insider, remontam ao ano de 1800, época em que William Gladstone – mais tarde primeiro-ministro do Reino Unido – percebeu que, na epopeia de Homero, a Odisseia, o oceano é descrito como “escuro vinho” e outros tons estranhos, mas nunca usa a palavra “azul”.

Anos mais tarde, o filólogo Lazarus Geiger decidiu dar seguimento à observação e analisou textos antigos islandeses, hindus, chineses, árabes e hebraicos para ver até que ponto a cor era referida. Não encontrou qualquer menção à palavra azul.

Quando se pensa sobre isso, não é assim tão estranho. Além do céu, não há muitas coisas na natureza que sejam claramente azuis.

Na verdade, a primeira sociedade a ter uma palavra para a cor azul foi a dos egípcios, a única cultura capaz de produzir corantes azuis. A consciência da cor se espalhou aparentemente a partir de então pelo mundo moderno.

Mas só porque não havia palavra para azul isso significa que nossos ancestrais não a conseguiam ver a cor? Vários estudos tentaram abordar a questão, mas um dos mais convincentes foi publicado em 2006 por Jules Davidoff, psicólogo da Universidade Goldsmiths de Londres.

Davidoff e sua equipe trabalharam com a tribo himba da Namíbia. Na sua linguagem, não há palavra para azul e nenhuma distinção real entre verde e azul. Para testar se isso significava que eles não conseguiam de fato ver o azul, o psicólogo mostrou aos membros da tribo um círculo com 11 quadrados verdes e um quadrado claramente azul.

A tribo himba se viu “aflita” para conseguir indicar a Davidoff qual dos quadrados era de cor diferente dos outros. Os que arriscaram adivinhar qual o quadrado diferente levaram muito tempo para obter a resposta certa, e houve muitos erros. Mas, curiosamente, a tribo Himba tem muito mais palavras para verde do que nós.

Então, para validar a experiência, Davidoff mostrou aos ingleses a mesma experiência circular com 11 quadrados de um tom de verde e, em seguida, um quadrado de tom diferente. Como se pode ver abaixo, é difícil distinguir que quadrado é diferente.

(dv) Business Insider

Outro estudo realizado por cientistas do MIT em 2007 mostrou que os falantes nativos de russo não têm uma palavra única para azul, mas sim uma palavra para azul claro (goluboy) e outra para azul escuro (siniy). Além disso, podem distinguir entre tons claros e escuros de azul muito mais rapidamente do que os falantes de inglês.

Esses dados sugerem que, até que tivessem uma palavra, é provável que nossos ancestrais nunca tivessem visto o azul – ou, mais precisamente, provavelmente o viam como o fazemos atualmente, mas nunca o perceberam.

Essa é mais uma prova de como a linguagem molda a nossa capacidade de detectar cores.

Ciberia // Science Alert / ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

‘Grande ameaça à saúde pública’: cientistas descobrem mutação resistente a remédio contra a malária

Pesquisadores em Ruanda identificaram uma cepa do parasita causador da malária que é resistente a medicamentos. O estudo, publicado na revista Nature, revelou que os parasitas eram capazes de resistir ao tratamento com a artemisinina, um …

Brasil, um ano no foco da crítica ambiental mundial

Em agosto de 2019, país virou pária ambiental devido a incêndios e aumento do desmatamento. Bolsonaro reagiu com agressividade e insultos. Agora, aumenta a pressão de investidores estrangeiros por uma mudança de rumo. Foi uma catástrofe …

Com medo da Covid-19, Venezuela discrimina venezuelanos que voltam ao país

Várias medidas vêm sendo aplicadas na Venezuela para conter a Covid-19. Um estádio foi transformado em hospital de campanha, blocos de concreto foram colocados nas vias, festas estão proibidas e há um canal de …

Centro Gamalei, desenvolvedor de vacina russa, explica como funciona e se há riscos para o paciente

O diretor do Centro Nacional de Pesquisa de Epidemiologia e Microbiologia Gamalei falou sobre os testes da vacina, que será registrada oficialmente na quarta-feira (12). As partículas do coronavírus na vacina da COVID-19 não podem prejudicar …

Mistura inusitada de amônia e água cria raios superficiais e granizos em Júpiter

Júpiter, o maior gigante gasoso do Sistema Solar, é um lugar coberto por tempestades estranhas. O que os cientistas ainda não sabiam é que no meio dessas tormentas, existem raios de natureza bem diferente dos …

Emocionante avanço da teoria para a realidade: bizarro efeito quântico é observado

No núcleo toda estrela anã branca — o denso resto de uma estrela que queimou todo seu combustível — existe um fenômeno quântico enigmático: enquanto ganha massa ela reduz de tamanho chegando a um ponto …

Estudo prevê 300 mil mortes por covid até fim do ano nos EUA

Pesquisadores da Universidade de Washington pintam cenário sombrio caso restrições não sejam respeitadas. Enquanto primeiros epicentros registram queda, outros estados americanos divulgam taxas de infecções recordes. A epidemia de covid-19 deve matar aproximadamente 300 mil americanos …

Coronavírus: Exportações devem cair mais de 20% na América Latina, diz ONU

As exportações da América Latina e do Caribe podem cair mais de 20% em 2020 devido às consequências da pandemia do coronavírus, que também terá um impacto negativo nas importações, disse uma agência da …

O que é nitrato de amônio, que pode provocar explosões como a de Beirute?

A recente tragédia no país árabe trouxe de novo à tona preocupações sobre o armazenamento do perigoso material, tornando necessário saber como esses incidentes ocorrem para os prevenir. A explosão de nitrato de amônio em Beirute, …

Astrônomos descobrem nuvens gigantes "escondidas" em Vênus há 35 anos

Uma equipe de astrônomos encontrou nuvens venenosas, com gotas de ácido sulfúrico em sua formação, em meio à densa atmosfera de Vênus. Curiosamente, essas nuvens já estavam presente na atmosfera venusiana há pelo menos 35 anos, …