Depois da retirada do Estado Islâmico, as crianças “vivem como ratos” em Mossul

“Trabalhei em áreas de conflito durante 25 anos, na Bósnia, Kosovo, Chechênia e nunca me deparei com algo tão devastador como este cenário. Ou pior.” É assim que Sally Becker, diretora da ONG britânica Road to Peace, descreve a experiência na cidade de Mossul, especialmente no que toca à situação das crianças.

Mossul, a segunda maior cidade do Iraque, foi libertada há poucos dias do domínio dos combatentes do Estado Islâmico (EI). Durante mais de três anos, a cidade esteve sob o controle do grupo terrorista.

A vitória foi anunciada pelo primeiro-ministro do Iraque, Haider al Abadi, na segunda-feira (10). Mas, nem tudo é festa e, depois das comemorações, há uma enorme crise humanitária que começa a ser revelada.

“É a pior batalha que já vi, a pior devastação e o pior estado humanitário, porque estão sozinhos e doentes”, diz à BBC Sally Becker, que esteve durante os últimos meses em Mossul. “Os habitantes estão traumatizados. Estão sofrendo os efeitos de viver sem comida e sem água: vivem como ratos”, acrescenta fazendo alusão às crianças que encontrou na cidade iraquiana.

Traumatizados

Foi no mirante da Grande Mesquita de Al Nuri, hoje reduzido a ruínas, o líder do Estado Islâmico, Abu Bakr al-Baghdadi proclamou, em junho de 2014, a instauração do califado nos territórios do Iraque e da Síria.

A cidade de Mossul se tornou a capital do Estado Islâmico no Iraque, onde o grupo impôs um código rigoroso para todos os habitantes, de acordo com a visão da lei islâmica. Antes da chegada do grupo extremista, viviam ali cerca de 2 milhões de pessoas, mas milhares morreram desde então e outras 920 mil ficaram desalojadas.

Nos últimos nove meses, as forças iraquianas realizaram uma grande ofensiva com apoio de militantes curdos e de uma ligação internacional liderada pelos Estados Unidos, até que conseguiram recuperar o controle sobre Mossul.

“A população viveu três anos sob o controle do Estado Islâmico e isso se reflete nos rostos, nos olhos, nas roupas, na forma como andam, em tudo”, enumera Becker.

Desde março deste ano, funcionários da ONG instalaram centros médicos temporários para tentar aliviar o sofrimento de milhares de pessoas, mas os esforços não foram suficientes. “Eles têm sofrido tanto que é como se já não sentissem. Estão tão traumatizados que já não pensam, seguem em frente com o olhar perdido. É muito triste”, avalia Becker.

“Já tive crianças em ambulâncias enquanto as mães gritavam na parte de trás com as pernas baleadas”, completa. Mais de 920 mil pessoas tiveram que fugir de Mossul durante os confrontos entre o Estado Islâmico e as forças iraquianas. “As crianças sofrem de desnutrição na etapa mais importante para o seu futuro”, diz Becker.

Processo de libertação

Enquanto Mossul era libertada, ainda se ouviam tiros. Tratavam-se dos “últimos focos de resistência” do Estado Islâmico na cidade, segundo o coronel iraquiano Jabbar Abad.

As tropas de Abad ajudavam civis, na maioria mulheres e crianças, a fugir até um local seguro. “Eles andavam com o olhar perdido”.

“As crianças nem sequer se mexeram quando ouviram os tiros. Uma mulher mais velha estava tão fora de si que só conseguia caminhar. Alguns dos bebês que elas levavam no colo pareciam não ter vida“, acrescenta.

Situação extrema

Foi há algumas semanas, contudo, que Sally Becker e a sua equipe passaram por uma situação extrema, quando tentavam ajudar civis em Mossul. A diretora da ONG diz que os dez dias antes da libertação da cidade “foram horríveis” pelo medo de atiradores, carros-bomba, suicidas e até de ataques químicos.

“Mas isto não foi nada comparado com o que eles têm vivido durante meses e anos”, assinala. Os feridos estavam presos nas zonas da cidade velha de Mossul nas quais ninguém, nem os militares, queriam entrar.

A certa altura, Becker decidiu se aventurar em uma dessas áreas: “Não podia acreditar no que estava vendo. Estava tudo destruído. E entre os escombros havia pessoas feridas”, lembra.

O ataque para recuperar Mossul durou nove meses, o que causou danos significativos à histórica cidade do Iraque. No caminho, Becker e a equipe encontraram 12 crianças feridas. Conseguiram levar apenas seis ao centro de cuidados médicos instalado em uma zona segura de Mossul. Mas apesar do grande risco, decidiram voltar e resgatar as outras crianças.

O Estado Islâmico pode ter sido expulso de Mossul, mas o panorama na cidade continua desolador. Segundo a ONU, 5 mil casas estão estragadas e 490 foram completamente destruídas.

Entre os escombros, equipes de resgate procuram agora cadáveres. O calor – muitas vezes a rondar os 45 graus durante o dia – “aumenta o cheiro dos corpos em decomposição”, dizem relatos locais.

A coordenadora humanitária da ONU no Iraque, Lise Grande, diz ser um “alívio” que a batalha por Mossul tenha terminado, “mas a crise humanitária ainda não acabou“.

“Muitas pessoas que fugiram perderam tudo. Precisam de casa, comida, cuidados médicos, água e equipes de emergência. Os níveis de trauma que estamos vivendo são os mais altos. O que as pessoas têm passado é quase inimaginável”, conclui.

// ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Novo implante controla fome e pode substituir cirurgia bariátrica

Um implante simples de um dispositivo sem fio, que controla o apetite, pode substituir a cirurgia bariátrica. Ele foi criado por médicos e pesquisadores da Universidade A&M do Texas, EUA e pode ajudar na perda de …

Amazon abre tecnologia da Alexa para montadoras de carros e outras empresas

A Amazon anunciou nesta sexta-feira (15) que dará a empresas terceiras a possibilidade de acessar a inteligência artificial central que sustenta a Alexa, a assistente de voz da marca. E as montadoras de automóveis serão as …

Com abstenção recorde de 51,5%, ministro da Educação considera Enem um 'sucesso'

A abstenção no primeiro dia do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2020, realizado neste domingo (17), foi recorde e atingiu 51,5%. O nível de abstenção supera o pior índice registrado até agora, em 2009, quando …

Álcool danifica o cérebro na adolescência

Se nós confiarmos apenas nas propagandas parece que o álcool de uma cerveja, uma taça de vinho ou de algum destilado serve apenas para unir as pessoas e deixá-las alegres. Mas o álcool pode ter …

Joe Biden reverterá políticas trumpistas logo após posse

Já nas primeiras horas após assumir, novo chefe de Estado americano assinará uma série de decretos presidenciais abordando pandemia, dificuldades da economia nacional, injustiça racial e mudança climática. O presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, …

Rússia prende opositor Alexei Navalny no desembarque em Moscou

O Serviço Prisional Russo (FSIN) confirmou ter prendido o opositor Alexei Navalny neste domingo, na chegada dele a Moscou. O Kremlim o acusa de ter violado as condições de uma pena de prisão suspensa …

Ikea agora vende mini casas móveis para quem quer uma vida simples, livre e sustentável

Quem sonha com uma vida mais nômade, livre de amarras e principalmente ecologicamente correta poderá encontrar na IKEA uma parceira capaz de tornar tal sonho em realidade: em uma casa móvel, sustentável, bonita e praticamente …

O zumbido de fundo do universo pode ter sido ouvido pela primeira vez

Baseado no que sabemos sobre ondas gravitacionais, o Universo deve estar cheio delas. Cada par de buracos negros ou estrelas de nêutrons e colisão, cada supernova com núcleo em colapso — até mesmo o próprio …

"Não comemorei ou me orgulhei de ter banido Trump do Twitter", diz Jack Dorsey

Em uma série de tuítes, Jack Dorsey, cofundador e CEO do Twitter, defendeu o banimento de Donald Trump da rede social na última sexta-feira (8). Segundo o executivo, essa foi a medida certa para a …

EUA adicionam Xiaomi e mais 8 empresas chinesas à lista de companhias ligadas a militares

Departamento de Defesa dos EUA lista Xiaomi e mais oito empresas por ligações com militares chineses. Para analistas, a listagem é um "frenesi final" do governo Trump em sua campanha anti-China. Na quinta-feira (14), o Departamento …