Elefantes são estranhamente resistentes ao câncer; e isso pode servir aos seres humanos

Uma equipe de pesquisa que examinou pedaços relativamente subexplorados de DNA de mamíferos encontrou mais pistas sobre a habilidade extraordinária dos elefantes de evitar o câncer; e determinou que os genes responsáveis pela mitigação do dano nas células do elefante também podem ser encontrados em seres humanos.

A maioria dos mamíferos são propensos ao câncer, com exceção dos elefantes. Estes animais não são completamente imunes, mas quando comparados aos humanos, os elefantes raramente o contraem – especialmente considerando que têm 100 vezes o número de células dos humanos. O estudo com as conclusões foi publicado neste nês nos Cell Reports.

O câncer ocorre quando uma célula se altera aleatoriamente durante a divisão, pelo que apenas cerca de 1 em cada 20 elefantes desenvolvem a doença, em comparação com 1 em cada 5 humanos, é extremamente curioso.

Os cientistas tentavam descobrir a razão por trás desse fato há décadas. Há poucos anos, uma equipe de pesquisadores transformou essa característica incrível em uma superabundância de um gene chamado p53, que suprime os tumores. Os elefantes africanos possuem 40 cópias da p53. Os seres humanos têm apenas um.

Mas agora uma equipe de cientistas da Universidade de Utah, nos EUA, encontrou mais pistas de como ocorre esta “imunidade” nos elefantes – e não se resume ao gene p53.

A equipe estudou o que era conhecido há várias décadas como “junk DNA” – o pedaço de DNA que não codifica proteínas. No entanto, isso não o torna inútil. Estudos recentes descobriram que o junk DNA desempenha outras funções, como ser capaz de controlar quando e onde os genes serão expressados.

“As pessoas apelidavam aquele pedaço de ‘DNA de lixo’ quando se referiam às regiões não codificadas, mas eu prefiro olhar para isso como uma selva ainda por explorar”, disse o neurobiologista Christopher Gregg, da Universidade de Utah.

“Estamos explorando as regiões não codificadas para tentar descobrir novas partes do genoma que possam controlar diferentes doenças”, explicou.

A equipe pesquisou as partes do genoma do elefante que são comuns a todos os vertebrados, mas evoluíram especificamente mais rápido em elefantes. Os cientistas examinaram essas regiões para obter elementos que ajudem a resistir a mutações – e, portanto, ao câncer.

Os cientistas identificaram três genes no DNA dos elefantes – FANCL, VRK2 e BCL11A – depois de expô-lo à radiação gama e terem observado como respondeu aos danos. Esses genes em particular estão envolvidos no reparo do DNA que protege contra mutações – e estão fortemente associados às acelerações dos elefantes.

Como os vertebrados têm muito DNA em comum, muitos outros mamíferos também têm esses genes. As versões humanas não nos protegem do câncer da mesma maneira que parecem fazer nos elefantes, mas saber quais são esses genes pode nos ajudar a determinar se podemos realizar uma mudança semelhante nos nossos próprios genes.

Outros animais que a equipe estudou foram o morcego em hibernação, para estudar anormalidades dos membros, a orca e golfinho, para estudar o desenvolvimento da cúria e da corneia, bem como a adaptação a ambientes de alta pressão para estudar distúrbios de coagulação sanguínea, o rato-toupeira-pelado, para estudar o desenvolvimento do olho e do glaucoma, e o esquilo terrestre, para estudar albinismo e a síndrome do leopardo.

Pesquisas futuras serão necessárias para determinar se essas regiões aceleradas em outros mamíferos podem ser aplicadas terapeuticamente para ajudar a controlar doenças em seres humanos.

“Estamos olhando para um território inexplorado”, disse Gregg. “Esse método nos dá uma nova maneira de explorar o genoma e potencialmente descobrir novas abordagens para identificar, diagnosticar e tratar doenças“.

Ciberia // ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Dinossauros foram extintos por impacto de asteroide, defende pesquisa científica

O mistério que levou ao fim da era dos dinossauros motiva pesquisadores do mundo inteiro a debater o que teria provocado essa extinção. Um novo estudo busca descartar a teoria de que a atividade vulcânica …

Microsoft assume compromisso de ser uma empresa carbono negativo até 2030

A Microsoft fez uma transmissão ao vivo para contar ao mundo o seu engajamento com o meio ambiente, a fim de trazer um futuro mais sustentável. Em apresentação conduzida por Satya Nadella (CEO), Amy Hood (CFO) …

Marine Le Pen se lança em pré-campanha presidencial

A líder da extrema direita francesa, Marine Le Pen, anunciou nesta quinta-feira (16) o lançamento de sua campanha “pré-presidencial”. O pleito acontece apenas em 2022, mas a candidata derrotada no segundo turno em 2017, que enfrenta …

Bolsonaro é autor de mais da metade dos ataques a jornalistas em 2019

Em todo o ano foram registrados 208 casos de ataques a veículos de comunicação e jornalistas, um aumento de 54%. Presidente foi responsável por 121 deles, afirma a entidade. O presidente Jair Bolsonaro, sozinho, é responsável …

Qual a idade em que somos mais infelizes, segundo a ciência

A chamada crise dos 40 deixou de ser um mito, pelo menos de acordo com uma ampla pesquisa realizada em 134 países pelo economista David Blanchflower, professor da universidade Dartmouth College, nos EUA, e ex-membro …

Trump fecha acordo e sinaliza fim da "guerra fiscal" com a China

Na última quarta-feira, os Estados Unidos e a China firmaram um acordo que pode ser o primeiro passo para o fim da chamada “guerra comercial” entre as potências. O pacto, que foi anunciado em dezembro do …

YouTube vincula anúncios em vídeos controversos sobre mudanças climáticas

Uma notícia deixou algumas empresas anunciantes do YouTube surpresas. Segundo estudo feito pela Avaaz, a plataforma de vídeos da Google tem vinculado anúncios de grandes companhias em vídeos que têm como propósito desinformar as pessoas …

Premiê renuncia após Putin propor reformas constitucionais

Líder russo propõe pacote de mudanças com as quais, segundo críticos, poderia permanecer no poder após fim do mandato. Premiê Medvedev renuncia com todo o gabinete para "abrir espaço" às reformas. O presidente da Rússia, Vladimir …

Musculação: detonando o grande mito da nutrição para ganhar massa muscular

Dietas com alto teor de carboidratos costumam ser recomendadas como parte de protocolos de exercícios para melhorar a recuperação e aumentar o desempenho. No entanto, pesquisas recentes tem mostrado que os carboidratos talvez não ajudem …

Austrália: aviões jogam alimentos para animais sobreviventes dos incêndios

Os incêndios que ardem por toda a Austrália desde setembro do ano passado vem atingindo e ameaçando a vida dos animais locais não só diretamente – mais de 500 milhões de animais já morreram por …