Maior onda de expulsões de diplomatas aquece relações entre a Rússia e o Ocidente

Bundesregierung / Kugler

A chanceler Angela Merkel com Emmanuel Macron, presidente da França, e Vladimir Putin, presidente da Rússia

No total, Moscou perdeu 137 funcionários no exterior devido à maior onda de expulsões de diplomatas russos. Os Estados Unidos, 17 países da União Europeia e cinco outras nações se aliaram ao Reino Unido.

Os Estados Unidos anunciaram a expulsão de 60 “espiões” russos e uma ordem de fechamento do consulado da Rússia em Seattle, em resposta ao envenenamento com gás tóxico do ex-espião Sergei Skripal no Reino Unido.

A medida se insere numa ação coordenada dos países ocidentais e foi divulgada no mesmo dia em que a Alemanha, Polônia e Lituânia anunciaram a expulsão de quatro diplomatas russos cada um, a Dinamarca dois e a Ucrânia 13. Segundo a BBC, a França também expulsou quatro diplomatas.

A decisão, que já tinha sido seguida por outros 21 países (16 deles da União Europeia), num total de mais de 130 diplomatas expulsos, na que se diz ser a maior onda de expulsões de representantes russos da história.

Em resposta, Moscou disse que irá reagir “proporcionalmente”. A Rússia nega qualquer envolvimento no ataque a Sergei Skripal em solo britânico no dia 4 de março. Tanto o ex-espião russo como a filha continuam em estado grave.

A porta-voz do ministro das Relações Exteriores, Maria Zakharova, condenou a União Europeia pela “perversa interpretação de solidariedade” para com o Reino Unido e o Kremlin classificou ainda como “chocante” e “imperdoável” que o ministro das Relações Exteriores do Reino Unido, Boris Johnson, tenha apontado diretamente Vladimir Putin como responsável pelo ataque contra o ex-espião russo em território britânico.

Os líderes europeus concordaram na semana passada que era altamente provável que a Rússia estivesse por trás do agente que envenenou Skripal e a filha.

Em Washington, um responsável da administração norte-americana afirmou que 48 dos diplomatas são “agentes de informações conhecidos” trabalhando na embaixada em Washington e os outros 12 na representação da Rússia na ONU, em Nova York.

O responsável disse que a medida visa transmitir a Moscou que a administração norte-americana recusa o número “inaceitavelmente alto” de agentes dos serviços secretos russos nos Estados Unidos.

O fechamento do consulado em Seattle deve-se a preocupações de segurança devido à proximidade de uma base naval norte-americana. Os diplomatas expulsos têm sete dias para abandonar o território.

Ao final do dia, a Casa Branca quebrou o silêncio sobre o assunto, dizendo que os Estados Unidos gostariam de ter uma relação de cooperação com a Rússia, mas ações como o ataque “descarado” de Moscou contra um ex-espião russo no Reino Unido impediram isso, de acordo com o Diário de Notícias.

Na Alemanha, o Ministério das Relações Exteriores justificou a expulsão dos quatro diplomatas russos com o fato de “a Rússia não ter contribuído para esclarecer o envenenamento” que vitimou o ex-espião e a filha.

O caso de Skripal provocou uma crise diplomática entre a Rússia e os países ocidentais e levou o Reino Unido a expulsar 23 diplomatas russos do território britânico e a congelar as relações bilaterais, ao que Moscou respondeu expulsando 23 diplomatas britânicos e suspendendo a atividade do British Council na Rússia.

Londres saúda “maior expulsão coletiva de agentes russos da história”

O ministro das Relações Exteriores britânico, Boris Johson, saudou a “resposta extraordinária” dos aliados do Reino Unido ao caso Skripal com “a maior expulsão coletiva de agentes russos de sempre”.

“A resposta internacional extraordinária dos nossos aliados é a maior expulsão coletiva de agentes dos serviços de informações russos da história e vai contribuir para defender a nossa segurança comum”, escreveu Boris Johnson no Twitter.

“A Rússia não pode violar as regras internacionais impunemente“, acrescentou o chefe da diplomacia britânica.

Mais de 100 agentes dos serviços secretos russos colocados em embaixadas em países ocidentais serão expulsos nos próximos dias em resposta ao envenenamento do ex-espião russo Sergei Skripal.

China pede calma

A China apelou nesta terça-feira (27) à “tranquilidade” e ao “abandono da mentalidade de Guerra Fria” após a expulsão de diplomatas russos por países em todo o mundo.

“Os países implicados deviam obedecer à lei internacional e às normas básicas das relações diplomáticas, visando evitar uma maior escalada das provocações”, disse a porta-voz do ministério chinês das Relações Exteriores, Hua Chunying.

A porta-voz reagia assim à decisão dos Estados Unidos e cerca de 20 outros países de expulsar, em conjunto, quase uma centena de diplomatas russos dos seus territórios, em apoio ao Reino Unido.

Hua afirmou que a China “se opõe firmemente ao uso de armas químicas“, mas defende que o caso “deve ser adequadamente tratado entre o Reino Unido e a Rússia, e os fatos tornados públicos”.

“Todas as partes deveriam abandonar a mentalidade da Guerra Fria, renunciar à provocação e trabalhar em conjunto para a paz, estabilidade e tranquilidade”, disse.

Ciberia, Lusa // ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

George W. Bush: o suposto plano para matar ex-presidente dos EUA desbaratado pelo FBI

Um simpatizante do Estado Islâmico planejava assassinar o ex-presidente dos EUA George W. Bush, mas o plano foi descoberto pelo FBI (polícia federal americana), segundo autoridades dos Estados Unidos. O suspeito, um residente de Ohio, supostamente …

O que se sabe sobre misterioso surto de varíola dos macacos

Casos recentes da doença na América do Norte e Europa acenderam o alerta entre especialistas. Endêmico na África, vírus é transmitido por animais contaminados e por contato próximo prolongado entre pessoas. Autoridades de saúde na América …

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …