Facebook encerra contas do exército birmanês devido ao recurso à violência

A rede Facebook anunciou hoje em comunicado ter encerrado as contas vinculadas à junta militar birmanesa devido ao uso da “violência mortífera” contra os manifestantes que têm protestado contra o golpe militar perpetrado no dia 1 de Fevereiro e contra a detenção dos líderes civis do país, nomeadamente da Prémio Nobel da Paz 1991, Aung San Suu Kyi.

Depois de ter encerrado ao longo dos últimos dias uma série de contas ligadas às chefias do exército birmanês, a rede Facebook indicou hoje ter encerrado todas as restantes contas das Forças Armadas, por estas últimas recorrerem à “violência mortífera” contra os civis.

Estas medidas que incidem sobre as contas Facebook mas igualmente Instagram das entidades e pessoas ligadas ao exército, abrangeram nomeadamente a conta da “True News”, a página operada pelo serviço de informação da junta militar, mas não incluíram “serviços públicos essenciais”, como as páginas do Ministério da Saúde, segundo indicou a rede social.

Desde o golpe do dia 1 de Fevereiro que depôs o governo eleito de Aung San Suu Kyi, os militares têm veiculado através das redes sociais acusações não comprovadas de fraude eleitoral, alegações que usaram para justificar o golpe perpetrado há quase um mês, os militares tendo igualmente feito apelos à violência contra a minoria muçulmana Rohingya e contra os manifestantes pró-democracia.

Nestas últimas 3 semanas, cinco pessoas foram mortas pelas forças de segurança durante protestos, a ultima vitima tendo sido um jovem de 20 anos que foi morto ontem em Mandalay, no centro do Myanmar. Nesta quinta-feira, as marchas em Rangum foram marcadas por incidentes entre manifestantes e apoiantes do exército que resultaram em alguns feridos.

Paralelamente, a junta continua a cortar o acesso à internet em várias zonas do país no intuito de tentar impedir a organização de novas manifestações pró-democracia.

A decisão da rede Facebook encerrar as contas da junta militar foi saudada por militantes dos Direitos Humanos, alguns sectores de opinião considerando todavia que peca pela sua chegada tardia.

A plataforma de Mark Zuckerberg tem sido inúmeras vezes criticada por uma falta de moderação dos seus conteúdos, à luz das mensagens de ódio que chegaram a circular na rede aquando da campanha contra a comunidade Rohingya.

Tal foi a opinião expressada pelo lançador de alerta Christopher Wylie que revelou o escândalo ‘Cambridge Analytica’, para quem “foram necessários apenas cinco anos de limpeza étnica e um golpe militar para que a rede Facebook proibisse as contas do exército birmanês”.

// RFI

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

George W. Bush: o suposto plano para matar ex-presidente dos EUA desbaratado pelo FBI

Um simpatizante do Estado Islâmico planejava assassinar o ex-presidente dos EUA George W. Bush, mas o plano foi descoberto pelo FBI (polícia federal americana), segundo autoridades dos Estados Unidos. O suspeito, um residente de Ohio, supostamente …

O que se sabe sobre misterioso surto de varíola dos macacos

Casos recentes da doença na América do Norte e Europa acenderam o alerta entre especialistas. Endêmico na África, vírus é transmitido por animais contaminados e por contato próximo prolongado entre pessoas. Autoridades de saúde na América …

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …