Família que não sente dor pode ser importante ajuda para a Medicina

(dr) repubblica.it

A família Marsili

Uma equipe de cientistas identificou uma mutação genética na família Marsili, na Itália, e tem esperança de que a descoberta consiga marcar a diferença no panorama das doenças crônicas.

Letizia Marsili, de 52 anos, nunca sentiu qualquer dor. Além de Letizia, a mãe, a irmã, a sobrinha e os dois filhos sofrem do mesmo problema. A insensibilidade não permite que sintam dor quando, por exemplo, se queimam ou fraturam um osso.

“No dia a dia, vivemos uma vida normal, talvez melhor do que a da restante população, porque muito raramente ficamos doentes ou sentimos dor“, diz Letizia à BBC.

Acredita-se que a causa da resistência à dor esteja relacionada com o mau funcionamento de alguns nervos do corpo. Apesar disso, o fenômeno de ausência de dor despertou interesse na comunidade científica.

Em um estudo publicado recentemente na revista Brain, um grupo de cientistas identificou uma mutação genética na família Marsili. A equipe espera que a descoberta possibilite a criação de novos analgésicos para pessoas que sofrem de doenças crônicas.

O problema – chamado de síndrome de Marsili – impossibilita o reconhecimento de uma queimadura, uma ferida ou uma fratura. No entanto, o que para uns seria um sonho, para a família se tornou um pesadelo.

Como explica Letizia, a dor é um importante sinal de alerta. Como não tem sensibilidade à dor, as fraturas passam muitas vezes despercebidas e causam inflamações nos ossos. No caso do filho mais velho, Ludovico, que é jogador de futebol, a condição é realmente preocupante.

“Meu filho raramente fica deitado no chão quando é derrubado por outro jogador. Apesar disso, tem muita fragilidade nos tornozelos e os exames de raios-X que fez recentemente mostram que tem várias microfraturas nos dois”, conta Letizia.

James Cox, cientista da University College London e líder do estudo, descobriu que os nervos da família “não funcionam como deveriam”. A equipe mapeou as proteínas no genoma de cada um dos seis membros da família e descobriu uma mutação no gene ZFHX2.

Depois de observarem a mutação, decidiram estudá-la em roedores e descobriram que os ratos criados sem o gene tinham sofrido uma alteração no limite da dor. O passo seguinte se baseou em desenvolver uma ninhada com a mutação genética e foi possível observar que os roedores dessa ninhada eram totalmente insensíveis a altas temperaturas.

“Com mais pesquisas para entender exatamente como a mutação altera a sensibilidade à dor e para entender quais outros genes podem estar envolvidos, podemos identificar novos alvos para o desenvolvimento de medicamentos”, afirmou a professora Anna Aloisi, professora da Universidade de Siena e participante do estudo.

Acredita-se que a família Marsili seja a única no mundo afetada pela mutação. Por isso, seu papel pode ser determinante no novo caminho que se abre, agora, no desenvolvimento de medicamentos para o alívio da dor.

Ciberia // BBC / ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Oásis egípcio escondia tumbas da era romana

Dois túmulos da época romana foram encontrados no complexo arqueológico de Beir Al-Shaghala, no oásis egípcio de Dakhla, anunciou esta semana o secretário-geral do Conselho Supremo de Antiguidades, Mostafa Waziri. Construídos com diferentes estilos arquitetônicos e …

60% das espécies de café estão em risco de extinção

Pela primeira vez, o café integra a Lista Vermelha da União Internacional para a Conservação da Natureza como espécie em vias de extinção. De acordo com um estudo publicado esta semana nas revistas ScienceAdvances e Global Change Biology, 60% …

Pela felicidade dos professores, escola cria “licença do amor”

A escola de ensino médio de Dinglan, localizada na cidade chinesa de Hangzhou, apresentou esta semana a “licença do amor”, que visa melhorar o humor dos professores e, consequentemente, o trabalho com os alunos. Segundo relata …

Parte da Antártida está encolhendo (e não deveria)

Quando os cientistas falam sobre o derretimento da Antártida, geralmente se referem à Antártida Ocidental, onde gigantescos glaciares costeiros derramam grandes quantidades de água. Mas, do outro lado das montanhas transantárticas a leste, há um manto …

Estátua de diabo “alegre demais” gera polêmica na Espanha

Uma estátua que representa o diabo foi criticada por ser “alegre demais” pelos moradores da cidade de Segóvia, na Espanha. A escultura de bronze, que ainda não foi instalada, foi criada em homenagem a uma lenda …

Deputada britânica adiou o parto para votar contra o acordo do Brexit

Tulip Siddiq decidiu adiar o nascimento do segundo filho para poder votar contra o acordo do Brexit. A deputada trabalhista chegou ao Parlamento em uma cadeira de rodas. Tulip Siddiq decidiu adiar o nascimento do filho por …

Sorveteria em Florença cobra R$ 106 de turista por uma bola de sorvete

Uma sorveteria cobrou 25 euros (cerca de R$ 106) por um sorvete a um turista de Taiwan. Indignado, o turista reclamou ao guia que o acompanhava, que chamou a polícia. O estabelecimento foi multado em …

McDonald’s perde direitos do Big Mac para cadeia de fast food irlandesa

A irlandesa Supermac’s conseguiu uma vitória histórica: o Big Mac deixa de ser uma marca registrada na Europa. Mas a decisão ainda é passível de recurso. “É o fim do McBully”, disse Pat McDonagh, que recebeu …

Disco de gelo giratório gigantesco "invade" rio no Maine

Um enorme círculo de gelo giratório se formou esta semana no rio de Presumpscot, na cidade de Westbrook, no estado norte-americano do Maine. Esse disco bizarro, ainda que raro, é um fenômeno natural fruto da Física. …

Em um restaurante de Dubai, deixar comida no prato dá multa (e é mais cara que a refeição)

Com Dubai se tornando mais consciente do desperdício de alimentos, um restaurante se lembrou de uma maneira de fazer com que os clientes não deixem comida no prato. O restaurante Gulou Hotpot, em Al Barsha, uma sossegada …