Família que não sente dor pode ser importante ajuda para a Medicina

(dr) repubblica.it

A família Marsili

Uma equipe de cientistas identificou uma mutação genética na família Marsili, na Itália, e tem esperança de que a descoberta consiga marcar a diferença no panorama das doenças crônicas.

Letizia Marsili, de 52 anos, nunca sentiu qualquer dor. Além de Letizia, a mãe, a irmã, a sobrinha e os dois filhos sofrem do mesmo problema. A insensibilidade não permite que sintam dor quando, por exemplo, se queimam ou fraturam um osso.

“No dia a dia, vivemos uma vida normal, talvez melhor do que a da restante população, porque muito raramente ficamos doentes ou sentimos dor“, diz Letizia à BBC.

Acredita-se que a causa da resistência à dor esteja relacionada com o mau funcionamento de alguns nervos do corpo. Apesar disso, o fenômeno de ausência de dor despertou interesse na comunidade científica.

Em um estudo publicado recentemente na revista Brain, um grupo de cientistas identificou uma mutação genética na família Marsili. A equipe espera que a descoberta possibilite a criação de novos analgésicos para pessoas que sofrem de doenças crônicas.

O problema – chamado de síndrome de Marsili – impossibilita o reconhecimento de uma queimadura, uma ferida ou uma fratura. No entanto, o que para uns seria um sonho, para a família se tornou um pesadelo.

Como explica Letizia, a dor é um importante sinal de alerta. Como não tem sensibilidade à dor, as fraturas passam muitas vezes despercebidas e causam inflamações nos ossos. No caso do filho mais velho, Ludovico, que é jogador de futebol, a condição é realmente preocupante.

“Meu filho raramente fica deitado no chão quando é derrubado por outro jogador. Apesar disso, tem muita fragilidade nos tornozelos e os exames de raios-X que fez recentemente mostram que tem várias microfraturas nos dois”, conta Letizia.

James Cox, cientista da University College London e líder do estudo, descobriu que os nervos da família “não funcionam como deveriam”. A equipe mapeou as proteínas no genoma de cada um dos seis membros da família e descobriu uma mutação no gene ZFHX2.

Depois de observarem a mutação, decidiram estudá-la em roedores e descobriram que os ratos criados sem o gene tinham sofrido uma alteração no limite da dor. O passo seguinte se baseou em desenvolver uma ninhada com a mutação genética e foi possível observar que os roedores dessa ninhada eram totalmente insensíveis a altas temperaturas.

“Com mais pesquisas para entender exatamente como a mutação altera a sensibilidade à dor e para entender quais outros genes podem estar envolvidos, podemos identificar novos alvos para o desenvolvimento de medicamentos”, afirmou a professora Anna Aloisi, professora da Universidade de Siena e participante do estudo.

Acredita-se que a família Marsili seja a única no mundo afetada pela mutação. Por isso, seu papel pode ser determinante no novo caminho que se abre, agora, no desenvolvimento de medicamentos para o alívio da dor.

Ciberia // BBC / ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Ratos do mesmo sexo geram filhotes em laboratório

Cientistas da Academia Chinesa fizeram nascer filhotes de ratos do mesmo sexo através de uma nova técnica que utiliza células-tronco modificadas. A nova técnica desenvolvida pelos cientistas chineses mistura as células modificadas que apagam grupos …

Dormir muito é tão prejudicial quanto dormir pouco

Um novo estudo descobriu que dormir muito pode ter consequências tão prejudiciais para a saúde quanto dormir pouco, reduzindo igualmente as capacidades cognitivas.  Um grupo de cientistas da Universidade norte-americana de Ontário conduziu em junho de …

Contra desperdício alimentar, França debate aumento de prazos de validade dos produtos

16 de outubro é o Dia Contra o Desperdício Alimentar na França. Para lutar contra o problema, a ONG francesa France Nature Environnement realizou uma campanha de informação aos consumidores, enquanto um grupo de ambientalistas …

Queimaduras solares? Os dinossauros são os culpados

Sempre que apanhamos sol, uma preocupação emerge de imediato: queimaduras. Por que somos tão vulneráveis à luz solar? Um estudo recente procura responder ao enigma evolutivo, apontando os dinossauros como principais culpados. O sol emite radiação …

Cientistas revertem casos de Diabetes tipo 2

Em um novo estudo, cientistas bloquearam a proteína VDAC1 nas células que produzem insulina e conseguiram reverter casos de Diabetes tipo 2. Os pesquisadores também conseguiram mostrar que é possível prevenir o surgimento da doença. O …

Criança "vampiro" é descoberta em cemitério na Itália

Arqueólogos encontraram em um cemitério na Itália os restos mortais de uma criança de 10 anos com uma pedra na boca, um antigo ritual funerário de vampiros praticado durante a Idade Média, que visava prevenir …

Está na hora: Elon Musk quer construir um robô gigante

O mais recente plano do fundador da Tesla e da SpaceX é construir um “mecha”, um robô ou veículo mecanizado gigante de ficção científica com braços e pernas móveis. Elon Musk revelou no Twitter ser fã …

Celebridade da internet chinesa é presa por "desrespeitar" o hino do país

A Lei do Hino chinesa, aprovada no ano passado, prevê detenções de até 15 dias ou prisão de até três anos para quem cantar a Marcha dos Voluntários de forma “distorcida ou desrespeitosa”, em público. Uma …

Sauditas vão assumir morte de jornalista: foi um interrogatório que "não correu bem"

As autoridades sauditas, que negaram ter dado ordens para matar o jornalista Jamal Khashoggi, estão elaborando um relatório em que admitem a morte do jornalista e a justificam como resultado de um interrogatório que "não …

Startup brasileira oferece curso gratuito sobre estratégias do Vale do Silício

Um novo curso à distância promete ajudar os empresários brasileiros a descobrirem os segredos do sucesso do Vale do Silício. Oferecido pela Qulture.Rocks, startup de tecnologia para gestão de desempenho empresarial, o curso sobre OKRs (Objectives …