Nova terapia para o câncer do pâncreas pode dar mais tempo de vida aos pacientes

(dr) noticias.up.pt

A pesquisadora Sónia Melo

A pesquisadora Sónia Melo

Um novo tratamento para o câncer do pâncreas, que pode dar aos pacientes mais tempo de vida e ser uma alternativa à quimioterapia, está sendo desenvolvida por uma equipe internacional.

No trabalho, a equipe demonstrou a possibilidade de utilizar exossomas (nanovesículas produzidas por todas as células humanas) como um veículo para “entregar” no pâncreas uma terapia que inibe a proteína KRAS, “sempre ativada” em pacientes com este tipo de câncer, disse à Lusa a pesquisadora Sónia Melo, do Instituto de Investigação e Inovação em Saúde da Universidade do Porto (i3S), em Portugal.

De acordo com a especialista, cerca de 70% dos pacientes com câncer no pâncreas têm mutação no gene KRAS, que é “muito difícil de desligar”, não por falta de ferramentas para o fazer, mas devido à “localização anatômica” deste órgão, “não sendo fácil encontrar uma terapia que chegue efetivamente ao local”.

Estes exossomas modificados, que carregam a terapia no seu interior, contêm à superfície uma proteína que consegue torná-los “invisíveis” ao sistema imunológico, não sendo assim “destruídos” pelo mesmo.

Sónia Melo indicou que, contrariamente ao que se pensa, o câncer do pâncreas “é tão agressivo como qualquer outro”, diferenciando-se dos restantes apenas por ser “silencioso”, muitas das vezes só existindo sintomas (dores abdominais) quando a lesão já é “bastante grande”, sendo estes pouco específicos.

“Em mais de 80% dos casos, quando os pacientes chegam à clínica, já têm metástases em outros órgãos, como no fígado, na cavidade peritoneal e, muitas vezes, nos pulmões”, disse.

Devido à falta de sintomas, quando descoberto, “a expectativa média de vida dos pacientes é de seis meses”, mas isso acontece “única e exclusivamente” porque o diagnóstico é tardio, enquanto na maior parte dos outros cânceres existem sintomas ou exposições externas que os denuncia e leva a um diagnóstico mais precoce, explicou.

Contudo, quando detectado cedo, “é um tipo de câncer muito fácil de curar”, visto se tratar de um órgão “fácil de remover”, havendo ainda a possibilidade de ser realizada uma laparoscopia (um tipo de cirurgia não invasiva) para retirar a parte afetada do órgão, indicou Sónia Melo.

Embora já existam, hoje em dia, terapias dirigidas para a maior parte dos cânceres, no caso do pâncreas só há tratamentos genéricos, como a quimioterapia, “que matam não são só as [células] cancerígenas, mas todas aquelas que estejam em divisão”, como as do sistema imunológico e as que fazem crescer o cabelo e as unhas.

Para Sónia Melo, desde que surgiram as terapias direcionadas, houve “um decréscimo na mortalidade de quase todos os tipos de câncer”, fato que não se verifica no pâncreas, podendo este estudo trazer “uma nova esperança” para estes casos.

O método de tratamento desenvolvido pela equipe foi testado primeiramente em ratos, estando neste momento sendo utilizado em macacos para, até ao final do ano, passarem aos ensaios clínicos de fase I em pacientes com câncer do pâncreas.

Segundo a cientista, o i3S colabora ainda em um estudo com o Instituto Português de Oncologia do Porto para encontrar, também através da utilização de exossomas, um tratamento mais dirigido para o carcinoma renal, cuja mortalidade também é “muito elevada” e para o qual “não há uma terapia com uma vantagem muita clara para os pacientes”.

// ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Destroços de navio de centenas de anos são encontrados na Polônia

Arqueólogos encontraram um navio naufragado de várias centenas de anos, bem como uma ponte destruída da 2ª Guerra Mundial em um rio polonês. Arqueólogos encontraram um navio naufragado de várias centenas de anos, bem como uma …

Por que cientistas estão determinados a provar que Einstein estava errado

Ano entra, ano sai, e tanto a lei dos corpos em queda de Galileu Galilei quanto a teoria da relatividade de Albert Einstein são testadas novamente apenas para os pesquisadores confirmarem pela enésima vez que …

Bolsonaro faz apologia à ignorância, afirmam historiadoras no jornal Le Monde

  O jornal Le Monde que chegou às bancas na tarde desta segunda-feira (27) traz um texto de meia página criticando a política cultural em vigor atualmente Brasil. Assinado por duas historiadoras francesas e uma brasileira, …

OMS considera elevado risco global de coronavírus

A Organização Mundial da Saúde admitiu nesta segunda-feira (27/01) um erro na avaliação de risco global do novo coronavírus, que surgiu na China, e disse que o nível correto é elevado. Anteriormente, ele havia sido …

Quem é Vanessa Nakate, ativista negra cortada de foto com Greta em Davos

O tema era o meio-ambiente, mas o debate sofre o futuro da humanidade ganhou outros vultos quando a jovem ativista climática de Uganda, Vanessa Nakate, descobriu que havia sido cortada pela agência de notícias Associated …

Sobreviventes retornam a Auschwitz nos 75 anos da libertação

Autoridades de 50 países participam da solenidade no antigo campo de concentração na Polônia, em meio a temores pelo aumento do antissemitismo. "Precisamos tomar cuidado para que não volte a acontecer", diz sobrevivente. Mais de 200 …

Por que cientistas querem tanto provar que Einstein e Galileu estavam errados

Ano entra, ano sai, e tanto a lei dos corpos em queda de Galileu Galilei quanto a teoria da relatividade de Albert Einstein são testadas novamente apenas para os pesquisadores confirmarem pela enésima vez que …

Morreu Kobe Bryant, um dos maiores astros da NBA

Neste domingo (26), o astro do basquete norte-americano, Kobe Bryant, faleceu em acidente de helicóptero, na cidade de Los Angeles, nos EUA. Autoridades e testemunhas levantam as primeiras hipóteses sobre a causa da queda. O lendário …

Coronavírus terá impacto no PIB chinês e na economia global

A nova epidemia de coronavírus é um balde de água fria na cabeça do mundo. A começar pelos chineses. Em 2003, o último vírus mortal se propagando pelo mundo inteiro – o SARS – …

Abelhas adoram cannabis e este caso de amor pode ajudar a salvar a espécie

Consideradas os seres vivos mais importantes do planeta, as abelhas são animais insubstituíveis, dos quais dependemos para viver. No entanto, nas últimas décadas, devido ao aquecimento global e o uso execessivo de pesticidas, elas estão …