Fatores externos influenciam, mas não justificam inflação a dois dígitos no Brasil

A recuperação do impacto brutal da pandemia de coronavírus leva a inflação a subir na maioria dos países do mundo, mas a conjuntura internacional não explica o nível chegar a dois dígitos no Brasil. O acumulado no período de 12 meses atingiu 10,25%, o valor mais alto em cinco anos.

Projeções da OCDE apontam que o país poderá finalizar o ano com um dos índices mais elevados (7,2%) entre as maiores economias, atrás apenas de Argentina e Turquia. A média nos países do G20 deve ser de 3,7%.

Sim, o dólar alto, o aumento dos preços da energia e a penúria de matérias-primas no mundo, resultado da explosão da demanda, puxam os preços para cima. No entanto, as incertezas domésticas fazem com que esses fatores tenham maior peso no Brasil e produzam choques de preços.

“Não se trata de excesso de demanda, a forma tradicional de se diagnosticar o problema da inflação. A atividade econômica está morna”, explica o consultor econômico Raul Velloso, doutor pela Universidade de Yale. “A taxa de câmbio é o principal elemento de choque de preços, e ela decorre de vários fatores que nem sempre ocorrem em outros países.”

A instabilidade política crônica e a falta de clareza fiscal continuam afastando os investidores estrangeiros do país –em seu pior nível em 20 anos, conforme dados recentes da Unctad (Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento). Com dólar saindo mais do que entrando na economia brasileira, o câmbio permanece elevado, com impacto nos preços. O real foi uma das moedas que mais se desvalorizou durante a pandemia.

“Cada país pode ter efeitos próprios de realimentação da inflação pelas expectativas. O governo tinha de evitar a fuga de capitais. Tinha de se comportar melhor, combater melhor a pandemia. São fatores que não são necessariamente econômicos”, destaca Velloso. “Se o governo tem um diagnóstico errado ou frágil do que é o problema e continua agindo sem querer mudar posicionamentos que trazem mais pessimismo, aí foge capital, o dólar sobe, as pessoas esperam por mais inflação. Hoje, está todo mundo apavorado aqui.”

Escolhas políticas

O economista da UFRGS Marcelo Milan ressalta ainda que determinadas escolhas políticas e econômicas, como o agronegócio focado na exportação, também levam o país, um dos maiores produtores de alimentos do mundo, a enfrentar a disparada dos preços da cesta básica.

“Como se tem uma migração das culturas de abastecimento interno para culturas de exportação, como a soja, diminuiu-se a área plantada para gêneros de abastecimento interno. Quando a gente vê a o cafezinho caro no Brasil, é um sinal importante de que as coisas estão indo para um caminho equivocado e perigoso”, sublinha o economista.

“Outro componente importante é a decisão da política de preços da Petrobras, de atrelar o preço do petróleo aos preços do barril lá fora, apesar da alta taxa de câmbio atualmente.

O governo privilegia os poucos acionistas e abre mão de utilizar a empresa mais estrategicamente para conter essa pressão de custos, que são repassados nos preços da gasolina, do diesel. É uma decisão política de fazer com que toda a volatilidade lá fora seja absorvida pelos preços no Brasil”, avalia.

Perda do controle

Os dois economistas veem com preocupação o recurso ao aumento da taxa de juros para conter a inflação, num quadro de economia desacelerada como o atual. O remédio poderia atrasar ainda mais a recuperação econômica e levar o país a uma bola de neve de problemas: crédito mais caro, preços ainda mais altos, menos investimentos e menor geração de empregos.

Entretanto, o risco de descontrole da inflação, como nos anos 1980, parece afastado. “Eu acho que não chega a esse ponto. Ela vai ficar perturbando a gente, mas eu não creio que isso vá virar um processo endêmico como nós tínhamos, porque muitos desses efeitos atuais vão e vêm”, afirma Velloso. “Tem uma coisa importante: nós não temos mais o pecado original, ter dívida pública emitida no exterior, em dólar. Pelo contrário, a gente tem reservas de 300 a 400 bilhões de dólares.

Outro fator determinante, destaca Milan, é que os reajustes dos salários não acompanharão a inflação. O poder de compra das famílias sai prejudicado, mas não haverá pressão salarial acentuando o quadro inflacionário e desencadeando uma situação fora de controle.

“A reforma trabalhista reduziu o poder de barganha dos trabalhadores, o papel e o poder dos sindicatos, de modo que o mecanismo de repasse dos preços para os salários está contido”, salienta o professor da UFRGS. “Mas se os salários não conseguem mais compensar a inflação e a corrosão do poder de compra, isso vai se refletir naqueles quadros trágicos que temos visto, de pessoas comendo carcaças, ossos. A população mais pobre não tem mais como comprar gás de cozinha”, ressalta.

As previsões de crescimento do PIB em 2022 estão modestos: os cenários mais otimistas não esperam mais do que 2,5%, um patamar insuficiente para levantar um país emergente como o Brasil.

// RFI

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

"Peças extraordinárias" achadas na Indonésia podem ser da lendária "ilha do Ouro"

Tesouros no valor de milhões de dólares encontrados nos últimos cinco anos ao longo do rio Musi podem ser do antigo império malaio Serivijaia, na ilha de Sumatra, que por 300 anos dominou as rotas …

Pandemia de Covid-19 vai acabar "quando o mundo decidir acabar com ela", diz diretor da OMS

A pandemia de Covid-19 vai acabar "quando o mundo decidir acabar com ela", disse neste domingo (24) o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Ghebreyesus. O representante da ONU discursou na abertura …

Google está “criando Deus”, alerta ex executivo da Google

Segundo um ex-executivo do Google, a singularidade está chegando. E, segundo ele isso representa uma grande ameaça para a humanidade. Mo Gawdat, ex-diretor de negócios da organização moonshot do Google, que na época se chamava Google …

Pandemia causa a maior redução na expectativa de vida desde a Segunda Guerra

Desde a descoberta do coronavírus SARS-CoV-2, mais de 4,9 milhões de pessoas morreram oficialmente em consequência da infecção, segundo levantamento da Universidade Johns Hopkins. Nesse cenário, a pandemia da covid-19 reduziu a expectativa de vida …

Forças Armadas da Noruega assinam contrato bilionário de mísseis para caças F-35

Noruega tem sido um parceiro ativo no programa de caças dos EUA F-35, tendo em conta que 18 empresas deste país nórdico são parceiros diretos. Subsequentemente, a Noruega decidiu adquirir 52 caças F-35 para substituir …

Brasil fez lobby para mudar relatório climático, diz Greenpeace

Vários países, entre eles o Brasil, tentaram fazer mudanças em um crucial relatório da ONU sobre como combater o aquecimento global, afirmou o Greenpeace nesta quinta-feira (21/10), citando um grande vazamento de documentos. Os documentos aos …

Site da Coreia do Sul é usado para hospedar vírus e distribuí-lo via torrents

Uma campanha de distribuição de malwares na Coreia do Sul está disfarçando cavalos de troia de acesso remoto como um jogo para o público adulto, compartilhado via serviço de hospedagem de arquivos, como o WebHard, …

América Latina pode levar ‘muitos anos’ para superar impacto da pandemia, alerta FMI

Os efeitos negativos da pandemia de Covid-19 em termos de produtividade, emprego e capital humano na América Latina e Caribe podem "demorar muitos anos para serem revertidos". O alerta foi feito nesta quinta-feira (21) pelo …

Dinossauro “garça do inferno com cara de crocodilo” é descoberto

Dois dinossauros carnívoros de dentes pontiagudos com crânios de crocodilo apareceram uma vez nas margens do rio na Ilha de Wight, na Inglaterra, revelam novos fósseis. Os cientistas deram às criaturas nomes científicos que se traduzem …

As 9 acusações contra Bolsonaro no relatório da CPI - e a manobra governista para tentar blindá-lo

Após o relatório da CPI da Covid no Senado acusar o presidente Jair Bolsonaro de nove crimes durante a pandemia, um senador da bancada governista tentou uma manobra para "blindar" o chefe do Executivo e …