Inflação em fevereiro foi de 0,33%, a menor taxa para o mês desde 2000

A inflação do Brasil em fevereiro ficou em 0,33%, a menor taxa para este mês desde 2000, prosseguindo a trajetória de baixa desde o começo de 2017 e no marco da profunda crise econômica que atravessa o país, informou hoje o Governo.

O Índice de Preços no Consumidor Amplo (IPCA) de fevereiro, divulgado esta sexta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), é menor que o de janeiro deste ano, quando ficou em 0,38%.

A inflação de fevereiro foi quase três vezes menor que a do mesmo mês de 2016 (0,90%) e é o melhor resultado para um segundo mês do ano desde 2000 (0,13%).

Desta forma, após os dois primeiros meses de 2017, o indicador acumula uma variação de 0,71%, uma porcentagem inferior a 2,18% referente ao mesmo período do ano anterior.

A redução da inflação em fevereiro foi possível principalmente pela queda de 0,45% dos preços dos alimentos e das bebidas, o melhor resultado para este setor desde julho de 2010, após o avanço de 0,35% que registraram em janeiro.

O setor têxtil comportou-se na mesma linha, com um leve retrocesso nos preços de 0,13%, que se acumula à queda de 0,36% anotada nesta atividade durante o mês precedente.

Com exceção do setor da educação, cujas tarifas subiram 5,04% no mês, o resto das atividades registrou tímidas subidas, lideradas pela comunicação (0,66%), saúde (0,65%) e despesas pessoais (0,31%).

O aumento nos preços da educação “reflete os reajustes frequentes praticados no início do ano letivo, especialmente os aumentos nas mensalidades dos cursos regulares, cujos valores subiram 6,99%”, indicou o órgão governamental em comunicado.

A forte desaceleração da inflação provocou que o índice anual até fevereiro ficasse em 4,76%, em comparação com o 5,35% registado nos doze meses imediatamente anteriores.

O dado é compatível com a meta de inflação que o Governo impôs para 2017, que é de 4,5%, mas com uma margem de tolerância de um ponto e meio percentual, o que eleva o teto máximo até 6,0%.

O mercado financeiro prevê que o Brasil vai fechar 2017 com um aumento de preços de 4,36%, segundo uma sondagem entre economistas divulgada esta semana pelo Banco Central.

O Brasil concluiu 2016 com uma inflação de 6,29%, uma taxa abaixo do então teto de tolerância (6,5%) e muito inferior ao 10,67% medido em 2015, quando registrou o seu maior nível nos últimos treze anos.

O menor ritmo na inflação é um sintoma positivo, segundo os especialistas, que pode aliviar em parte a grave crise econômica que o país atravessa, que encadeia dois anos consecutivos em recessão, algo que não acontecia desde a década de 1930.

O Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil, sendo a maior economia da América do Sul, retrocedeu 3,6% em 2016, queda que se uniu ao 3,8% registrado em 2015, o que provocou uma taxa de desemprego recorde, acima dos 12%, a estagnação do consumo interno e um desajuste profundo nas contas públicas.

// EFE

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Colin Powell, ex-secretário de Estado dos EUA, morre aos 84 anos

Primeiro negro a ocupar topo da diplomacia e da máquina militar americana, ex-general teve papel de destaque na Guerra do Golfo e arranhou sua credibilidade ao apoiar a invasão do Iraque uma década depois. Colin Powell, …

Criminosos usam escaneamento por código do próprio usuário para 'sequestrar' contas do WhatsApp

Em 2019, um relatório divulgado pelo laboratório de pesquisa da empresa de segurança virtual Eset alertou que uma das formas crescentes de sequestro de contas do WhatsApp era feita por meio de um ataque conhecido …

EUA: Manobras de Trump bloqueiam investigação sobre invasão do Capitólio

Vários parceiros e associados do ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, se recusaram a comparecer à comissão da Câmara que investiga a invasão de 6 de janeiro de 2021 contra o Capitólio, sede do …

Dor nos olhos após COVID-19: cientistas explicam causa de complicação inesperada do vírus

Uma pesquisa de cientistas alemães mostrou que o coronavírus pode penetrar nos olhos e infectar os fotorreceptores e células ganglionares na retina. Isso pode ser uma causa de problemas com os olhos após a COVID-19. Os …

Estudo mostra como mudanças climáticas afetarão a energia hidrelétrica no Brasil

Um novo relatório publicado pela Global Environmental Change revela que, nas próximas décadas, as reduções de precipitação e vazão dos rios na região amazônica — a maior bacia hidrográfica do mundo e uma forte candidata …

Merkel é premiada por compromisso com a União Europeia

"Somente uma Europa unida é uma Europa forte", diz a líder alemã ao receber o prêmio Carlos 5º. Rei espanhol destaca pragmatismo e confiabilidade da chanceler federal, descrevendo-a como uma "mulher extraordinária". Prestes a deixar o …

França: crianças pobres são ainda mais vulneráveis à poluição do ar, aponta relatório

O Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância) e a rede mundial Climate Action Network International, que reúne associações que lutam contra o aquecimento global, divulgaram, nesta quinta-feira (14), o relatório "Injustiça social …

'Love is in the Bin': a obra semidestruída de Banksy vendida a R$ 121 milhões em leilão

Uma obra de arte de Banksy que se autodestruiu parcialmente em um leilão anterior foi arrematada agora a um preço recorde de 16 milhões de libras (cerca de R$ 121 milhões). Love is in the Bin …

EUA tentam virar a página da era Trump e voltam ao Conselho de Direitos Humanos da ONU

Os Estados Unidos voltaram, nesta quinta-feira, ao Conselho de Direitos Humanos da ONU, órgão que o país havia deixado durante o mandato de Donald Trump. O retorno mostra a vontade de Washington de fazer …

Explosões deixam vários mortos em mesquita no Afeganistão

Ao menos 33 pessoas morrem após explosões em mesquita xiita durante a oração de sexta-feira. Testemunha diz ter visto homens-bomba. Incidente ocorre dias depois de ataque do "Estado Islâmico" contra xiitas no país. Fortes explosões atingiram …