Fóssil mostra a transição da vida na terra para a água

mick Ellison / American Museum of Natural History

Já há algum tempo que a Ciência sabe que a vida na Terra começou na água. Mas, a certa altura, a evolução permitiu que os seres que viviam na água se mudassem para solo terrestre e dominassem o planeta. Agora, sabe-se que o contrário também aconteceu.

Em algum momento, os animais que viviam na terra se mudaram para os mares. A biologia já sabia como é que os seres vivos tinham migrado do mar para a terra, mas só agora foi possível descobrir que o contrário (e como) também aconteceu.

Os  cientistas da Universidade Johns Hopkins e do Museu Americano de História Natural acabaram de encontrar pistas importantes ao pesquisar um fóssil com 155 milhões de anos.

Segundo os cientistas, o réptil Vadasaurus herzogi possuía características aquáticas, incluindo uma cauda alongada e em forma de chicote e cabeça triangular, enquanto os membros relativamente grandes o ligam, por outro lado, a espécies terrestres.

O Vadasaurus, termo latino para “lagarto caminhante“, foi descoberto em pedreiras de calcário perto de Solnhofen, na Alemanha, parte de um antigo mar raso, explorado há muito tempo devido à grande quantidade de descobertas fósseis.

“Características anatômicas e comportamentais de grupos modernos de seres vivos acumularam-se por longos períodos de tempo. Os fósseis podem nos ensinar muito sobre a história evolutiva, incluindo a ordem em que essas características evoluíram e o papel adaptativo em um ambiente de mudança”, explica Gabriel Bever, cientista do Museu Americano de História Natural, em Nova York.

“Sempre que podemos ter um fóssil como este, tão bem conservado e significativo na compreensão de uma grande transição ambiental, é muito importante”, completa o paleontólogo do Museu, Mark Norell. “É tão importante que podemos considerar o Vadasaurus como o Arqueopteryx dos rincocefálicos (répteis primitivos)”, acrescenta.

De acordo com Bever, a pesquisa que os cientistas fazem pode ser acrescentada a uma lista de criaturas do mar cujos antepassados ​​eram vertebrados terrestres. Estes incluem baleias modernas, focas e cobras marinhas, e espécies antigas (e agora extintas) como os ichthyosaurus, mosasaurus e plesiosaurus.

Bever diz que o estudo oferece provas de que o Vadasaurus pode ser ligado pela sua anatomia a um pequeno grupo de espécies marinhas chamadas pleurosauros, sobre os quais há muito tempo se pensava terem raízes terrestres.

Os pleurossauros viveram durante o período jurássico, há cerca de 185 a 150 milhões de anos. As criaturas, semelhantes a enguias, tinham membros reduzidos que provavelmente seriam usados como auxílio na direção em vez de propulsão na água. Até agora, fósseis de apenas três espécies antigas de pleurossauros foram descobertos.

Bever e Norell dizem que o Vadasaurus e os pleurosauros fazem parte de uma linhagem de répteis chamada Rhynchocephalia.

Como acontecia com os pleurosaurios, o crânio do Vadasaurus possuía uma forma triangular, uma adaptação encontrada entre muitos animais aquáticos, como a maioria dos peixes, enguias e baleias. Além disso, o animal tinha também um focinho alongado, comum entre os animais marinhos, apresentava dentes mais afastados do corpo.

Outra característica “aquática” do Vadasaurus está relacionada com a mordida. Ao examinar a forma e a estrutura do crânio do animal, os cientistas concluíram que a mordida do Vadasaurus provavelmente era um movimento rápido, feito lateralmente, em comparação com a mordida mais lenta e forte, típica dos animais terrestres.

Apesar das características aquáticas, o Vadasaurus manteve algumas características mais frequentemente encontradas entre os vertebrados terrestres. Por exemplo, possuía membros grandes em relação ao tamanho do corpo, algo comum em um réptil terrestre.

Porém, assim como acontecia com os pleurossauros, os cientistas acreditam que eles não usavam os membros para propulsão, mas sim para o direcionamento. O Vadasaurus pode ter nadado como uma cobra do mar moderna, movendo a coluna vertebral com um movimento ondulante.

“Os dados indicam que o Vadasaurus é um primo primitivo do pleurossauro“, diz Bever. Segundo o cientista, os dois répteis ancestrais estão intimamente relacionados com o moderno tuatara, um réptil que vive nas ilhas costeiras da Nova Zelândia e é a única espécie rincocefálica restante ainda viva.

“Não sabemos exatamente quanto tempo o Vadasaurus passava na terra versus na água. Pode ser que o animal tenha desenvolvido as adaptações aquáticas por algum outro motivo, e que essas mudanças simplesmente fossem vantajosas para a vida na água”, diz Bever. O pesquisador conclui ainda que mais detalhes sobre a história evolutiva do Vadasaurus exigirão mais dados e outras descobertas fósseis.

Ciberia // HypeScience / ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …

Em último vídeo do mandato, Merkel pede que população se vacine

A chanceler alemã Angela Merkel, que deixará o poder na próxima quarta-feira (8), voltou a defender neste sábado (4) a vacinação contra a Covid-19, no último de uma série de mais de 600 vídeos …

Descobrem na China ferramenta de marfim de 99 mil anos, possivelmente a mais antiga do país

Pesquisadores desenterraram uma pá de marfim datada de há cerca de 99.000 anos em um sítio arqueológico do Paleolítico na província chinesa de Shandong. Acredita-se que o objeto seja uma das primeiras ferramentas de osso utilizadas …