Funcionários do governo paulista negam participação em fraude da merenda escolar

Agência Brasil

O ex-chefe de gabinete da Casa Civil do governo de São Paulo, Luiz Roberto dos Santos, negou qualquer participação no esquema de fraude nos contratos da merenda para escolas públicas.

Santos, que é conhecido como Moita, prestou depoimento essa quarta-feira (5) na comissão parlamentar de inquérito (CPI) que apura denúncias de irregularidade na compra de merenda para as escolas.

Santos rebateu as acusações de que atuava dentro do governo para favorecer a Cooperativa Orgânica de Agricultura Familiar de Bebedouro (Coaf).

Sobre suas relações com Marcel Ferreira Júlio, um dos acusados de comandar o esquema de fraudes, Luiz Roberto dos Santos disse que mantinha relações protocolares.

Ele admitiu ter orientado Júlio, como representante da Coaf, sobre a melhor forma de ajustar um contrato de forma a aumentar os valores que seriam pagos à cooperativa pelo fornecimento de suco de laranja a colégios públicos.

No depoimento, ele disse ter sugerido que a cooperativa solicitasse o reequilíbrio financeiro do contrato, uma vez que alegava a necessidade de um reajuste devido à alta da cotação do dólar.

Segundo Santos, a sugestão apenas observava as normas jurídicas e desaconselhava, devido à natureza da justificativa, o pedido de aditamento que a Coaf considerava fazer.

Militante do PSDB desde 1990, Santos atualmente ocupa um cargo de livre provimento na Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), onde recebe o teto do funcionalismo estadual: R$ 21 mil.

Ele admitiu que, por alguns meses, recebeu acima do limite legal. O funcionário afirma, entretanto, que ele próprio informou que o salário estava ultrapassando o determinado por lei, e a Procuradoria-Geral do Estado, então, deu parecer dispensando-o de devolver os valores recebidos acima do teto.

Ele disse que ocupa cargos na administração pública estadual desde 1995, passando pela Junta Comercial do Estado de São Paulo e pela Secretaria dos Transportes Metropolitanos. Na Casa Civil, ele foi chefe de gabinete de março de 2015 a janeiro de 2016.

Moita deixou o cargo na Casa Civil um dia antes da deflagração da Operação Alba Branca.

Padula

Também ouvido pela CPI, Fernando Padula, o ex-chefe de gabinete da Secretaria da Educação, negou qualquer proximidade com os representantes da Coaf.

“Eu nunca estive com esses caras. Não tive conversas com eles. Não tem acusação contra mim. É absolutamente ridículo insistir nessa tese”, afirnou Padula, após falar à comissão parlamentar. Ele é, atualmente, coordenador do Arquivo Público de São Paulo.

Em depoimento na Corregedoria-Geral do Estado, Moita disse que tratou do ajuste no contrato da Coaf com Padula. Padula disse hoje aos deputados que não se lembra da conversa.

“Em algumas vezes, conversei com Moita, como conversava com qualquer chefe de gabinete.” Apesar de não admitir ter tratado do assunto, Padula disse que, caso questionado sobre a revisão no contrato, orientaria pelo pedido de reequilíbrio financeiro.

Dione Maria Di Pietro, a ex-coordenadora de Infraestrutura e Serviços Escolares da Secretaria de Educação  rebateu a acusação do representante da Coaf Emerson Girardi de que teria recebido propina em Bebedouro, no interior do estado.

“Não conheço essa cidade. Não conheço esses vendedores da Coaf”, enfatizou, ao prestar declarações à CPI.

Documentos falsos

Dione Maria foi responsável pela assinatura de um contrato de R$ 2,8 milhões com a cooperativa sob o qual pesam diversas suspeitas de irregularidade.

Segundo o deputado Alencar Santana (PT), foram apresentados três documentos falsos para validar o termo: o laudo que atesta a qualidade do suco de laranja a ser fornecido, o registro na Organização das Cooperativas do Estado de São Paulo e a declaração de aptidão ao Programa Nacional de Agricultura Familiar (Pronaf).

Para verificar a autenticidade do laudo, o parlamentar entrou em contato com o Instituto Adolfo Lutz, órgão que teria emitido o documento. A instituição negou, em relatório apresentado por Santana, ter feito a análise apresentada no processo de contratação.

“Se a empresa falsifica esse documento, é porque, provavelmente, o produto a ser fornecido não tinha qualidade”, destacou o deputado.

Na opinião de Santana, a fraude é um indício de que houve conivência de funcionários públicos com as fraudes.

Para sustentar tal argumentação, o deputado menciona as declarações da ex-coordenadora de Infraestrutura da Secretaria de Educação.

“Uma coisa importante que ela confirma é que os servidores fiscalizavam, conferiam os documentos. E passaram três documentos falsos”, afirmou.

Dione Maria disse, porém, que não era sua função conferir esses documentos.

Casos isolados

Para o deputado Barros Munhoz (PSDB), estão sendo usados casos isolados para atacar o governo estadual.

“Procuraram pelo em ovo bastante e querem usar três contratos de uma secretaria com cooperativas falsas em um caso estadual, nacional. É como se um funcionário de uma entidade que tem 1 milhão de funcionários cometesse uma falha, e a gente quisesse responsabilizar a instituição”, disse Munhoz, após a reunião da CPI, que durou cerca de 6 horas.

Em diversos momentos, o deputado defendeu os depoentes, a quem chamou de “funcionários exemplares”.

“Vai tranquilo, Padula. Você foi um excelente chefe de gabinete da Educação e é um excelente servidor público”, disse Munhoz durante o depoimento do ex-chefe de gabinete da Secretaria da Educação.

Alba Branca

Deflagrada no dia 19 de janeiro, a Operação Alba Branca investiga um esquema de fraude na compra de alimentos para merenda escolar de prefeituras e do governo paulista.

Segundo o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) de Ribeirão Preto, as fraudes nas contratações da merenda, feitas entre 2013 e 2015, chegam a R$ 7 milhões, sendo R$ 700 mil destinados ao pagamento de propina e comissões ilícitas.

De acordo com o Gaeco, os crimes envolvem 20 municípios: Americana, Araras, Assis, Bauru, Caieiras, Campinas, Colômbia, Cotia, Mairinque, Mairiporã, Mogi das Cruzes, Novaes, Paraíso, Paulínia, Pitangueiras, Ribeirão Pires, São Bernardo do Campo, Santa Rosa de Viterbo, Santos e Valinhos.

A Coaf é suspeita de fraudar a modalidade de compra chamada pública, que pressupõe a aquisição de produtos de pequenos produtores agrícolas.

Para isso, foram cadastrados mil pequenos produtores, mas apenas 30 ou 40 faziam os negócios. Havia também operações com grandes produtores e na central de abastecimento do estado.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Opositor belarusso é achado morto na Ucrânia

Ativista Vitaly Shishov ajudava compatriotas a fugir da perseguição do regime de Alexander Lukashenko, considerado o último ditador da Europa. Polícia investiga possível assassinato encenado como suicídio. Um ativista de Belarus foi encontrado morto nesta terça-feira …

Polônia concede visto humanitário a atleta olímpica e alimenta tensões com Belarus

A Polônia concedeu nesta segunda-feira (2) um visto humanitário para a atleta olímpica bielorrussa Krystsina Tsimanuskaya. A jovem afirma que estava sendo obrigada a deixar o Japão após ter criticado sua equipe e temia …

EUA e Reino Unido teriam dado 'luz verde' a Israel para retaliar Irã após ataque a petroleiro

Irã rejeitou o envolvimento do país no ataque contra o petroleiro Mercer Street no mar Arábico que ocorreu na quinta-feira (29), condenando as acusações lançadas pelo governo israelense. Tel Aviv teria recebido "luz verde" de Washington …

Incêndios causam mortes e devastação no sul da Europa

A União Europeia EU) enviou ajuda para a Turquia nesta segunda-feira (02/08), e voluntários se juntaram a bombeiros na luta contra fortes incêndios que já duram seis dias e mataram oito pessoas no país. Em …

Golpe militar em Mianmar completa seis meses e já resultou em quase mil mortes de civis

Aterrorizados pela repressão da junta militar e pela propagação do coronavírus, poucos birmaneses se atreviam a ir às ruas para protestar neste domingo (1º), quando completam-se seis meses do golpe de Estado que mergulhou …

Governo italiano vende casas a 2 euros na região da Sicília

Mais uma vez o governo italiano está vendendo casas em áreas rurais da Itália, após o sucesso da campanha para repovoamento de áreas abandonadas. Além de promover a ocupação por meio de incentivos para jovens e …

Bolsonaro admite não ter provas de fraudes eleitorais

Em live para a qual convocou veículos de imprensa, Bolsonaro exibiu uma série de teorias falsas, cálculos equivocados e vídeos antigos, já verificados e desmentidos, mas que ainda circulam na internet, como supostas evidências de …

A incrível civilização antiga que mumificava os mortos 2 mil anos antes dos egípcios

"As mais antigas evidências arqueológicas conhecidas de mumificação artificial de corpos", segundo a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), estão presentes na América do Sul, na costa árida …

Delta pode causar covid-19 mais grave, alerta agência americana

Documento interno do órgão de prevenção de doenças dos EUA indica que a variante delta do coronavírus é tão contagiosa quanto a catapora e pode ser transmitida mesmo por indivíduos vacinados. "A guerra mudou", diz …

Vendas de vacinas anticovid impulsionam lucros de laboratórios

A empresa farmacêutica AstraZeneca anunciou nesta quinta-feira (28) que as vendas de sua vacina contra a Covid-19 alcançaram US $ 1,17 bilhão no primeiro semestre do ano. Este número corresponde à entrega de aproximadamente …