NASA detecta novas pistas sobre como galáxias antigas iluminavam Universo

NASA/JPL-Caltech/ESA/Spitzer/P. Oesch/S. De Barros/ I.Labbe

Foto tirada pelo telescópio espacial Spitzer, da NASA, mostra galáxias extremamente distantes (circuladas em vermelho), com uma delas sendo mostrada no canto inferior direito

O telescópio espacial Spitzer da NASA revelou que algumas das primeiras galáxias do Universo eram mais brilhantes do que o esperado.

Em um novo estudo, os cientistas relataram observações de algumas das primeiras galáxias que se formaram no Universo, cerca de 730 milhões de anos depois do Big Bang, que emitiram uma radiação ionizante extremamente forte. A luminosidade é um subproduto da liberação de altas quantidades de radiação ionizante.

Segundo os pesquisadores, isso poderia ter condicionado a chamada era da reionização do hidrogênio, durante a qual foram criadas as estrelas que hoje existem.

Antes da ionização, os átomos de hidrogênio interrompiam as ondas de luz, que não podiam ser propagadas eficazmentee. Essas colisões teriam retirado os átomos de hidrogênio neutros de seus elétrons, ionizando-os.

É uma das maiores questões abertas na cosmologia observacional […] Sabemos que aconteceu, mas o que o causou? Estas novas descobertas podem ser uma grande pista”, disse Stephane De Barros, investigador na Universidade de Geneva e autor principal do estudo, na declaração da NASA divulgada dia 8 de maio.

Usando essas observações do telescópio Spitzer, os astrônomos examinaram 135 galáxias que estão a mais de 13 bilhões de anos-luz de distância do nosso planeta e, portanto, são consideradas como vivendo até agora no período de reionização.

Os pesquisadores descobriram que essas galáxias eram particularmente brilhantes em dois comprimentos específicos de ondas infravermelhas, que são emitidas durante a colisão da radiação ionizante com hidrogênio e oxigênio dentro delas.

Eles concluíram que os antigos conjuntos de matéria eram dominados por estrelas compostas principalmente por elementos leves, ou seja, hidrogênio e hélio, que contêm quantidades muito pequenas de elementos “pesados” (como nitrogênio, carbono e oxigênio) em comparação com estrelas encontradas em galáxias modernas comuns.

“Estes resultados de Spitzer são certamente mais um passo na resolução do mistério da reionização cósmica […] Agora sabemos que as condições físicas nestas galáxias iniciais eram muito diferentes das existentes nas galáxias típicas de hoje. O trabalho do telescópio espacial James Webb será descobrir as razões detalhadas de isso acontecer“, disse Pascal Oesch, coautor do estudo.

A natureza das galáxias antigas continuará a ser estudada pelo telescópio Webb da NASA, cujo lançamento está previsto para 2021, lê-se no site da agência espacial.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Suécia vai abrir “CPI da Covid-19” para saber se governo fez bem ao não isolar a população

Desde o início da pandemia do novo coronavírus, a Suécia tem ido na contramão de seus vizinhos. O país escandinavo preferiu manter um ritmo quase normal em suas atividades e não impôs o confinamento …

Uber testa modalidade que permite ao usuário reservar carro por hora

Na tentativa de achar novas fontes de receita para seu negócio de corridas compartilhadas, seriamente afetado pela COVID-19, a Uber está testando uma nova modalidade, focada nos passageiros que precisam fazer viagens mais longas e …

Revelada razão de comportamento instável de estrelas perto dos centros galácticos

Estrelas de ramo horizontal extremo são mais brilhantes e têm um ciclo de vida inferior ao das estrelas comuns, de acordo com um novo estudo. Os astrônomos estudaram o comportamento de um tipo especial de estrelas, …

Trump ameaça acionar Forças Armadas para conter protestos

No 7.º dia de manifestações antirracismo, Presidente dos EUA critica inação de governadores e promete enviar milhares de soldados para pôr fim a distúrbios. Visita de Trump a igreja é criticada como tentativa de autopromoção. O …

Não é apenas o coronavírus: surto de ebola retorna ao Congo

Foi confirmada, pelo ministro da Saúde do Congo, a descoberta de novos casos de Ebola na província de Équateur. O último surto do vírus altamente mortal ocorreu em 2018 e matou 33 pessoas no país. O …

Coronavírus: São Paulo se prepara para reabertura com 70% de leitos ocupados

O governo estadual de São Paulo ordenou a reabertura gradual dos estabelecimentos comerciais a partir dessa terça-feira (2). A gestão diz se basear no índice de infecções do novo coronavírus por cidade. Mesmo com 70% …

Júpiter é tão grande que quase virou um sol

Júpiter é o maior planeta do sistema solar. Assim, bem maior mesmo. Do tipo se você pegar todos os outros planetas e juntar suas massas, não chega nem aos pés dele. Nem mesmo metadinha. Esse gigante …

União Europeia pede que EUA reconsiderem sua decisão de cortar relações com a OMS

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, e o chefe de relações internacionais da União Europeia, Josep Borrell, pediram neste sábado (30) que os Estados Unidos “reconsiderem a decisão anunciada” de romper …

Astronautas da NASA chegam à ISS em nave da SpaceX e entram para a história

Depois de viajarem pelo espaço por 19 horas, os astronautas Bob Behnken e Doug Hurley chegaram à Estação Espacial Internacional (ISS) a bordo da nave Crew Dragon alguns minutos antes do previsto. O lançamento histórico aconteceu …

Nova Zelândia se encontra em cima de enorme bolha de lava, segundo pesquisa

Durante os anos 70, pesquisadores propuseram a teoria de que o interior do planeta se agita lentamente como uma bolha de lava. Estas bolhas flutuantes surgem como plumas do manto derretido do centro da Terra, onde …