Governo britânico fecha contrato para produção de arma a laser

John F Williams / US Navy

Os norte-americanos já testaram um sistema laser de grande porte em navio

Os norte-americanos já testaram um sistema laser de grande porte em navio

O governo britânico fechou um acordo de 30 milhões de libras (R$ 119 milhões) com fabricantes de armamentos para desenvolver o protótipo de uma arma a laser, que deve ser chamada de Dragonfire (“fogo de dragão”, em tradução livre).

O contrato foi conquistado por um consórcio de companhias europeias de defesa formado por MBDA, Qinetiq, Leonardo-Finmeccanica GKN, Arke, BAE Systems e Marshall ADG. O consórcio terá que criar uma arma de energia laser dirigida (LDEW) que seja capaz de fazer uma demonstração efetiva entre até 2019.

O sistema de armas a laser deverá ser capaz de identificar alvos à distância em qualquer tipo de clima ou terreno “com precisão suficiente para permitir um combate seguro e efetivo”. Outra possibilidade é que o laser seja usado no futuro para proteger tropas terrestres contra ataques de artilharia.

Para Peter Cooper, do Laboratório de Ciências e Tecnologia da Defesa no Reino Unido, o projeto “busca uma pesquisa inovadora sobre o poder do laser para entender melhor o potencial dessa tecnologia”.

Segundo ele, a arma poderia “oferecer uma resposta mais efetiva para as novas ameaças que as Forças Armadas britânicas podem enfrentar”.

A pesquisa para desenvolver a Dragonfire faz parte de um fundo de inovação do Ministério da Defesa do Reino Unido destinado a, entre outros objetivos, dar vantagem tecnológica para seus militares em combate, segundo o governo.

Fator custo

Mas por que desenvolver a tecnologia de armas a laser?

O laser já tem aplicações militares conhecidas, especialmente quando se fala em sistemas de mira e identificação de alvos. Ele também chegou a ser usado para cegar inimigos, mas esse tipo de utilização foi banido em tratados internacionais por ser excessivamente cruel.

A pesquisa atual é sobre a utilização do laser como uma espécie de “munição” – substituindo mísseis e projéteis.

Uma das maiores vantagens desse novo tipo de arma seria a redução dos custos: armas navais convencionais exigem o uso de munições e mísseis que custam milhares de dólares e ocupam muito espaço nas embarcações militares.

Já um disparo de laser de um teste da Marinha americana custava apenas cerca de US$ 1 (R$ 3,20), por exemplo. O custo baixo se explica porque ele depende basicamente da geração de energia do navio. Além disso, a nova “munição” não necessitava de grandes locais de armazenamento e, logo, o navio não precisava ser reabastecido.

Realidade

O conceito de se usar um raio concentrado de laser para atacar inimigos é comum na ficção científica, especialmente em franquias como Star Wars e Star Trek, mas só nos últimos anos ele começou a dar origem a armas reais.

Muitos países já desenvolvem a ideia há anos, em busca de uma nova geração de armamentos. Mesmo assim, as pistolas ou fuzis que disparam raios coloridos no cinema parecem ainda estar um pouco distantes da realidade.

Boa parte da pesquisa militar sobre o tema que já veio público se concentra em criar armas a laser de grande porte para o uso em navios de guerra. O objetivo delas seria destruir mísseis e foguetes que ameacem a embarcação e também usar seu sistema ótico para identificar possíveis alvos a distância.

Em 2014, os Estados Unidos anunciaram ter equipado ao menos um de seus navios de guerra – o USS Ponce – com um protótipo de sistema de arma a laser.

Ele é uma espécie de canhão que dispara um feixe de laser invisível. A função da arma é complementar sistemas de defesa do navio de guerra, que são projetados para destruir mísseis já próximos da embarcação. Durante testes, a arma provou ser efetiva também para desabilitar ou destruir drones e pequenas embarcações hostis.

Os militares americanos dizem que os aviões não tripulados e pequenas lanchas podem ser usados contra seus navios por inimigos mais fracos nas chamadas “guerras assimétricas” (quando um Estado luta contra grupos extremistas ou guerrilheiros, por exemplo).

// BBC

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Oxigênio descoberto em Marte intriga cientistas da NASA

Padrão de comportamento do oxigênio recém-descoberto pelo rover Curiosity, da NASA, é tão diferente que os cientistas não conseguem desvendá-lo através dos processos químicos conhecidos pela ciência. A agência espacial norte-americana divulgou os resultados da análise …

O misterioso "Monstro Tully" acaba de ficar ainda mais esquisito

Um fóssil de 300 mil anos descoberto na década de 1950 no estado de Illinois (EUA) tem gerado muitas discussões entre cientistas. Batizado de Tullimonstrum, ou Monstro Tully, ele se parece com uma lesma. Mas …

Com asilo a Evo Morales, diplomacia mexicana dá passo à esquerda

México assume liderança esquerdista na América Latina ao receber o ex-presidente boliviano. Para analistas, medida desvia atenção de problemas internos, mas é jogo perigoso diante da dependência econômica dos EUA. A viagem de Evo Morales ao …

Incêndios florestais matam quatro pessoas e centenas de cangurus na Austrália

O número de vítimas pelos incêndios no leste da Austrália, onde 140 focos ainda continuam ativos, subiu para quatro nesta quinta-feira (14), com a descoberta de um cadáver perto da cidade de Kempsey, em Nova …

Holanda reduzirá limite de velocidade para combater poluição

O governo da Holanda reduzirá o limite máximo de velocidade nas rodovias do país como parte de uma série de medidas para combater as emissões de óxido de nitrogênio, geradas em grande parte por veículos …

A polêmica sobre campos de extermínio nazistas que opôs a Polônia ao Netflix

O primeiro-ministro da Polônia, Mateusz Morawiecki, enviou uma carta ao Netflix insistindo em mudanças no documentário The Devil Next Door (o diabo ao lado), sobre campos de extermínio nazistas. Na carta enviada no domingo, 10, e …

O único problema de ser filho único é o estigma

Filhos únicos possuem uma péssima reputação. Quantas vezes você não observou algum pai ser criticado por escolher ter apenas um pimpolho? “Ele vai ficar mimado, muito sozinho, egoísta, etc. etc. etc”. É um senso comum. Parece, …

Epidemia mundial: Pneumonia mata uma criança de menos de 5 anos a cada 39 segundos

O Dia Mundial da Pneumonia é comemorado em 12 de novembro. A data foi proposta pela Organização Mundial da Saúde (OMS), com o objetivo de conscientizar as pessoas sobre a importância da prevenção da doença, …

Senadora se declara presidente da Bolívia

A parlamentar oposicionista e segunda vice-presidente do Senado Jeanine Áñez declarou-se presidente da Bolívia nesta terça-feira (12). Ela também afirmou que o país terá novas eleições após a formação de uma nova comissão eleitoral. "De acordo …

Bolsonaro anuncia saída do PSL

Em meio à crise por disputa de poder na legenda, presidente afirma que pretende criar novo partido. Cerca de 30 parlamentares aliados de Bolsonaro devem seguir exemplo e deixar o PSL. O presidente Jair Bolsonaro anunciou …